Mercado de café: Hoje e há dois anos

Publicado em 15/04/2012 20:52 e atualizado em 06/06/2013 17:32
2698 exibições Imprimir
Comentário Semanal - de 9 a 13 de abril de 2012. Por Rodrigo Costa*

A economia chinesa cresceu menos do que o estimado no primeiro trimestre do ano, dado econômico divulgado na madrugada da sexta-feira brasileira e americana que fez com que os investidores colocassem o pé no breque de novo.


O alerta do FMI aos países exportadores de commodities sobre a expectativa de preços mais baixos das matérias-primas também ajudou os baixistas.

O resultado foi um encarecimento dos juros (yields) dos títulos europeus, que sempre apanham mais do que as demais, com as bolsas escorregando de 3% a 5% no velho continente, e 2% de baixa nos Estados Unidos – a ultima também “ajudada” pelo comentário de Bernanke de que a economia está longe de encontrar uma recuperação sustentável.

Com este pano de fundo e uma proximidade da safra-nova brasileira, o café arábica em Nova Iorque caiu US$ 7.01 por saca – o mesmo tanto que em São Paulo. O robusta em Londres conseguiu achar suporte encerrando a semana de lado.

O fluxo de negócios no físico melhorou, principalmente no Brasil onde a oferta de produtores enfraqueceu um pouco mais os diferenciais permitindo aos exportadores e dealers colocar compras nos livros. Torradores também participaram do mercado, mas não para volumes significativos.

Nas outras origens notou-se também um enfraquecimento do basis, sinal que preocupa os altistas apesar da bolsa estar se mantendo ao redor de US$ 180 centavos por libra neste instante.

Ouvi nesta semana um comentário comparando o cenário atual com o mesmo de dois anos atrás, quando estávamos na boca de uma safra-brasileira grande e muitos no mercado estavam baixistas por causa disto. Na época (coincidentemente) fiz uma palestra no Seminário do Guarujá apontando para uma alta dos preços justificando a visão com alta utilização dos certificados, spreads levemente mais firmes, e principalmente em função dos diferenciais de cafés suaves estarem completamente descolados do “C” – em altas históricas (Colômbia por exemplo negociava a 100 centavos de prêmio sobre a bolsa).

Hoje a situação é apenas parecida no quesito de estarmos na entrada de outra safra grande no Brasil. 

De positivo temos estoques mundiais do arábica equilibrados e com pouco espaço para perdas de produção e fundos com uma posição próxima de recorde vendida. No que se refere aos diferenciais vemos apenas os cafés colombianos com preços longe do referencial de bolsa, e um pouco o de Brasil distante dos níveis baratos que muitos compravam até 1 ano atrás. No mais há uma estagnação do uso dos certificados da ICE, e muito mais gente altista do que baixista – o que é razoável assumir que há mais gente do ramo comprado no mercado (a não ser que alguém seja maluco de estar bullish e vendido ao mesmo tempo).

Por fim os níveis de fixação de origens para o período é percebido pelos participantes estar menor do que o normal, e diferentemente de dois anos atrás a indústria tem uma cobertura melhor do flat-price.

Resumindo não dá para falar que a situação é igual, até por também estarmos sendo surpreendidos pelo alto consumo de robusta em detrimento do arábica.

A proximidade do primeiro dia de notificação e o alto número de contratos em aberto está inchando o volume negociado dos futuros, com a atividade de spread dominando as sessões. 

Aos altistas para o curto prazo resta a esperança do maio/julho ter estreitado para menos de US$ 1 centavo por libra e de estarmos no começo da temporada de frio no Brasil que a qualquer momento pode provocar uma cobertura da posição dos fundos.


Uma excelente semana a todos e muito bons negócios.

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

Fonte: Archer Consulting

Nenhum comentário

QUER DEIXAR SEU COMENTÁRIO?

Se você já é cadastrado faça seu login ou cadastre-se no Notícias Agrícolas para poder deixar comentários.