» visite o site do RuralBR
Notícias Agrícolas

Seja o porta-voz de si mesmo!

 
 
 
 
Publicado em 22/07/2013 16:58
Atualizado em 08/04/2014 16:08

Angola: um futuro player agrícola, por Eduardo Lima Porto

Por Eduardo Lima Porto, consultor da CustodoAgro Consultoria Agrícola

Cheguei a Angola há alguns dias com o propósito de visitar algumas fazendas e revendedores de insumos agrícolas.

Conheço razoavelmente bem o interior desse país, que durante muitos anos sofreu com uma sangrenta Guerra Civil, a qual foi definitivamente resolvida em 2002. De lá para cá, Angola vem crescendo a taxas impressionantes. 

Desde a primeira vez em que estive por aqui, me chamou muito a atenção a similaridade que o Planalto Angolano possui com o Cerrado Brasileiro, em termos de Solo, Clima, Regime Pluviométrico e Vegetação. O País é ainda contemplado por 3 bacias hidrográficas bastante caudalosas que favorecem o estabelecimento de extensas áreas irrigáveis.

Segundo dados da FAO, Angola possui ao redor de 45 milhões de hectares aptos à Agricultura e aproveita não mais do que 2 milhões de hectares de forma predominantemente rudimentar.

No passado, o País chegou a ser o quarto maior produtor mundial de Café e foi auto-suficiente na produção de Milho.

Atualmente, Angola importa quase que a totalidade dos alimentos que consome. A produtividade agrícola é ainda muito baixa quando comparada aos principais países produtores. O rendimento médio do Milho situa-se na faixa de 800kg/ha.

As razões dessa situação estão relacionadas com a Guerra Civil que durou mais de 30 anos. A infra-estrutura agrária foi praticamente destruída, centenas de milhares de agricultores morreram e houve um massivo êxodo em direção as zonas urbanas de Luanda (capital) e Benguela (segunda cidade mais importante).

A transmissão do conhecimento entre as gerações foi interrompido, sendo esse aspecto, na minha opinião, um dos maiores entraves para que os jovens que migraram se sintam estimulados a retornar ao interior para dedicarem-se a atividade rural.

Conseqüência disso, os preços internos dos alimentos em Angola são extremamente elevados em comparação aos praticados no Brasil. Para se ter uma idéia, o Milho há poucos dias atrás estava sendo vendido a um valor equivalente a R$ 65,00 o saco de 60kg. A batata inglesa, aqui chamada de "batata rena", custava entre USD 2,00 a USD 3,00 por kg.

Por esse motivo que o Governo Angolano está empreendendo esforços no sentido de recuperar rapidamente a produção agrícola, com um claro propósito de diversificar a economia e reduzir a dependência quase que absoluta que o País possui em relação ao Petróleo. 

Com a estabilidade político-institucional alcançada após 2002, a China tornou-se o principal parceiro comercial de Angola a partir da construção e financiamento de obras de infra-estrutura de grande porte, cujo pagamento envolve contratos de bilhões de dólares denominados em embarques de Petróleo.

A presença chinesa em Angola é vista por todos os lugares e muitos trabalhadores da construção civil já conseguem se comunicar em português, o que mostra uma velocidade de aprendizado e adaptação cultural surpreendentes.

Não vai demorar muito para que os chineses comecem a produzir e exportar Soja e Milho em grande escala, não só em Angola, mas também em outros países do continente africano que possuem condições semelhantes ao nosso Cerrado.

Iniciativas bem estruturadas já estão sendo conduzidas em Angola para atrair Investidores Agrícolas. É o caso da SODEPAC - Sociedade de Desenvolvimento do Pólo-Agroindustrial do Capanda (www.sodepacangola.com).

Fui convidado essa semana, junto com investidores e técnicos vindos de inúmeros países, a visitar o Pólo Agro-Industrial do CAPANDA localizado na Província do Malange (norte de Angola).

Trata-se de um empreendimento composto de 411.000 hectares, dos quais 293.000 se destinam a produção agrícola com foco em Milho e Soja.

Nessa área, a Odebrecht já está cultivando Cana em sociedade com a Sonangol (empresa estatal de Petróleo). Uma Usina de grande porte está sendo terminada e irá produzir ao redor de 300.000 toneladas/ano de Açúcar, além de Etanol e Energia Elétrica.

A Odebrecht é a principal empresa estrangeira em Angola, emprega mais de 30.000 pessoas no País e atua em diversos segmentos. 

No evento que participamos, a empresa anunciou um investimento de mais de USD 250 milhões na implantação de um Complexo totalmente verticalizado de produção de Aves e Suínos, o qual terá como suporte o cultivo próprio de Soja e Milho numa extensão que deverá superar inicialmente os 50.000ha.

A empresa firmou um contrato de assistência técnica e planejamento organizacional com a SODEPAC, sendo a responsável pela avaliação de projetos e seleção de investidores interessados em se instalar na região.

Visitamos também a Fazenda Pedras Pretas administrada de maneira compartilhada entre a empresa pública angolana Gesterra e a chinesa CITIC Construction, que foi a responsável pela abertura de 10.000ha, a construção dos canais de irrigação (pivots), armazenagem, etc.

A CITIC Construction é outra grande investidora em Angola a exemplo da Odebrecht. Possui diversos projetos em implantação no País e tem um contrato com o Governo Angolano para explorar 500.000 hectares. A lógica aponta que o objetivo é atender a demanda chinesa.

Sem dúvida que a China está trabalhando fortemente para reduzir a dependência em relação aos fornecedores tradicionais. Os chineses estão sendo muito inteligentes, pois estão aproveitando as necessidades dos países africanos em termos de infra-estrutura para consolidar posições estratégicas com a obtenção de vastas porções de terra. Angola demonstra ser um exemplo claro dessa estratégia. 

A China já faz "barter" de Obras por Petróleo e Terras há tempos na Africa. Trocar Estradas e Portos por Soja está longe de ser improvável.

Produzir cereais em Angola é extremamente atrativo para qualquer empresa agrícola. É algo como produzir no Mato Grosso ou Goiás, estando a uma distância equivalente a de Ponta Grossa em relação ao Porto de Paranaguá.

Aos investidores estrangeiros se oferece a concessão das terras por um período de 25 anos, renovável por outros 25. As terras pertencem ao Estado, não havendo compra e venda na forma como estamos acostumados no Brasil. 

Produtores tradicionais que tenham uma orientação excessivamente "patrimonialista" em relação a terra não deverão se estimular a investir em Angola ou em outros países africanos.

Angola é uma excelente oportunidade para empresários rurais que buscam ganhos de escala com a incorporação de novas áreas. É o local perfeito para os Desbravadores Profissionais.

A segurança jurídica dos investimentos está alicerçada na Constituição do País, a qual está alinhada com acordos internacionais que visam assegurar a proteção da propriedade. Reitero que o termo "propriedade" nesse caso está relacionado com as benfeitorias realizadas sobre a terra.

Adicionalmente, me parece que é recomendável a contratação de uma Apólice de Seguro através do MIGA - Multilateral Investment Guarantee Agency (braço segurador do Banco Mundial) que possibilita a proteção dos investimentos a partir da mitigação de uma série de riscos, como desapropriações, conflitos civis, crises econômicas que impeçam a remessa de pagamentos ao exterior, entre outros. 

Angola se encontra no rol dos países africanos que estão cobertos pelas Apólices do Banco Mundial.

A tendência é clara e demonstra que haverá nos próximos anos um forte deslocamento dos grandes players agrícolas para países como Angola, tendo em vista que: (i) não há necessidade de investir na compra de terras; (ii) existe a infra-estrutura logística para escoar a produção; (iii) os custos relativos são inferiores aos do Brasil, inclusive no que se refere as linhas de financiamento disponíveis.

Um dos componentes de custo que mais me chamaram a atenção foi o Diesel, que no interior de Angola é vendido por um valor equivalente a R$ 0,50/litro.

Considerando que é possível importar insumos e máquinas agrícolas diretamente, que as zonas de cultivo fazem parte de um amplo programa de isenção fiscal, pode-se afirmar que os custos dos fatores de produção venham a ser de 30% a 50% inferiores aos do Brasil.

Entretanto, alguns desafios importantes deverão ser superados em Angola, sendo, talvez um dos principais, a capacitação da mão-de-obra local para operação de máquinas e implementos e a formação de uma cadeia de fornecimento de insumos e serviços nos moldes conhecidos no Brasil.

Segundo comentários ouvidos no evento da SODEPAC, a EMBRAPA estaria prestes a instalar uma Unidade na Província do Malange para dar suporte técnico aos empreendimentos que se instalarão na região.

De acordo com o Secretário de Estado da Agricultura - Eng. Agr. José Amaro Tati, o modelo adotado pela SODEPAC deverá ser replicado em outras Províncias do País que possuem aptidão agrícola. A julgar pela rapidez com que esse Projeto está sendo implementado, me parece que o empenho nesse sentido é realmente sério.

Amaro Tati, apesar do senso de humor que o torna uma figura muito simpática a todos, não brinca em serviço quando se trata de Agricultura. Ele conhece profundamente a realidade da produção brasileira. Tive a oportunidade de acompanhá-lo em duas ocasiões no Brasil e no Paraguai em visita a agricultores que são referencia em termos de produtividade de Soja e Milho.

A SODEPAC está sendo gerida por técnicos capacitados que demonstraram saber exatamente o que querem e como fazer para que o Projeto se torne uma realidade. O Presidente da Empresa é o Engenheiro Agrônomo Carlos Fernandes, que no passado foi Ministro da Agricultura de Angola.

Pelo que vi, Angola está priorizando a produção de Milho e Soja como meio para viabilizar a instalação de grandes industrias processadoras de proteínas de ciclo rápido (Aves, Suinos e Peixes).

Há também um enorme interesse de atrair Pecuaristas brasileiros, mas o País se ressente da falta de matrizes, sendo necessária a importação de uma grande quantidade de animais para formação dos rebanhos. 

A Segurança Alimentar está realmente sendo tratada como questão estratégica pelo Estado.

O mercado externo deverá ser o próximo passo. A presença massiva dos chineses na região indica claramente que essa tendência é sólida. 

Falta apenas a construção de um Porto graneleiro com capacidade para movimentar navios de grande porte, o que definitivamente não será problema para os chineses, tendo em vista o know how que possuem nessa matéria, a existência de uma malha ferroviária moderna e boas estradas que, diga-se de passagem, causam inveja as nossas no Mato Grosso.

Parece que os Angolanos estão tirando lições valiosas da nossa incompetência quando o assunto é infra-estrutura para o escoamento da produção. Por outro lado, estão aproveitando muito bem os nossos bons exemplos e já viram que o Brasil se tornou uma potência econômica que é hoje devido a força do Agronegócio.

Há tempos que afirmo que não tardará muito para que o tabuleiro mundial da produção de alimentos mude com a inserção ativa do continente africano. Saio de Angola novamente com essa convicção ainda mais fortalecida. 

Fonte: CustodoAgro
QUER DEIXAR SEU COMENTÁRIO?
Se você já é cadastrado faça seu . Ou cadastre-se no Notícias Agrícolas para poder deixar comentários.
COMENTÁRIOS

CARREGANDO
VITOR SANCHES | LONDRINA - PR
Ola, estou disponível para colaborar em angola, tenho formação superior em agronomia e bom20 anos de experiência em produção, gestão e comercialização, estudo propostas de trabalha

28/12/2013 14:15
EDUARDO LIMA PORTO | PORTO ALEGRE - RS
Olá Jarlene, fico feliz em saber do seu interesse numa área que Angola é realmente muito carente. Por favor anote o meu email: custodoagro.consultoria@gmail.com

26/09/2013 14:19
JARLENE SIMOES DE LIMA | PIRACANJUBA - GO
Amigo Eduardo trabalho na área de saúde do trabalhador rural aqui em Goias ACS e gostaria de estar em Angola na sua companhia na sua próxima viagem, venho a tempos estudando os angolanos já fiz alguns amigos plo Facebook, aqui estou misturada a plantações de soja, bovinicultura etc , estudar a prevenção de saúde rural de Angola vai enriquecer -me sou cadastrada no CNES no ministério da saúde.
26/09/2013 13:01 | VER MENSAGEM COMPLETA
ALAN APIO | ÁGUA BOA - MT
Màrcio Lima Badaró Anote meu email tambem: alanrodrigoapio@gmail.com Obrigado

28/08/2013 09:08
MÁRCIO LIMA BADARÓ | RIBEIRA DO POMBAL - BA
Lucas Boro de Jesus, assim que souber de algo lhe respondo. Att

20/08/2013 23:13
LUCAS BORO DE JESUS | BORRAZÓPOLIS - PR
Màrcio Lima Badaró meu e-mail para contato é o : abelmboro@hotmail.com ou intão lucasborodejesus@hotmail.com

20/08/2013 12:36
SAMUEL CAMARGO | ITAPEVA - SP
Por favor gostaria de saber se há oportunidades em Angola para pequenos produtores brasileiros com muiota experiencia em alta produção de grãos mas com pouca terra e que pensa em ter escala de produção... Se houver, quem procurar,quais os meios?

15/08/2013 08:10
RAIJAN CEZAR MASCARELLO | SAPEZAL - MT
Estive em Angola ano passado, justamente para ver a possibilidade de produzir grãos por lá!!Visitei a SEDIAC, uma empresa agrícola estatal, que por sinal tem vários Brasileiros que fazem a condução da empresa.O País tem realmente um potencial muito grande, em terras, climas, e por sinal estradas e ferrovias de fazer inveja ao Brasil.O grande problema é CULTURAL. Eles, os nativos de Angola, não sabem fazer nada, mão de obra tem que importar tudo de fora, e por ter muitas tribos em todo canto, pois são nômades, os produtos, principalmente milho, precisa de segurança na epoca que estiverem com espigas, senão não sobra muita coisa na lavoura.
14/08/2013 15:16 | VER MENSAGEM COMPLETA
MÁRCIO LIMA BADARÓ | RIBEIRA DO POMBAL - BA
Caro Lucas Boro, estarei voltando a Angola em Setembro, poderei estar verificando isso pra você. Seria bom você me enviar um e-mail pra contato.

09/08/2013 21:58
LUCAS BORO DE JESUS | BORRAZÓPOLIS - PR
Como fazer para conseguir uma conceção de terra para plantar na angola? Meu interesse seria numa area de entorno de 10.000 hectare.É possivel eu conseguir isso la?

09/08/2013 16:52
EDUARDO VINICIO MARTINI | CASCAVEL - PR
Quanto as oportunidades de emprego e quais as condições de vida do pessoal que está indo trabalhar lá?

31/07/2013 10:17
MÁRCIO LIMA BADARÓ | RIBEIRA DO POMBAL - BA
Trabalhei em uma empresa privada em Angola, chamada SEDIAC, atualmente a maior produtora de grãos(milho, soja e feijão) do país, por 4 anos. Faziamos trabalhos de pesquisa desde 2005. E conseguimos fechar uma media de 6ton/ha de milho, em algumas areas isoladas essa produtividade chegava a 9 ton/ha. Na soja fechávamos com uma media de 2,2 ton/ha. O País tem um potencial enorme pra produção de grãos e pecuária. Pretendo voltar a trabalhar novamente esse ano.
29/07/2013 20:33 | VER MENSAGEM COMPLETA
EDUARDO LIMA PORTO | PORTO ALEGRE - RS
Valério a produtividade media esta nessa faixa mesmo de 800kg/ha, chegando a ser menor em algumas regiões. A maior parte do cultivo vem sendo feito de maneira totalmente rudimentar, sem qualquer uso de mecanização, insumos e correção de solo. Trata-se de Agricultura de subsistência e por isso que o preço do Milho em Angola se encontra bem mais alto do que no Brasil.
27/07/2013 20:53 | VER MENSAGEM COMPLETA
VALÉRIO JORGE DOS SANTOS | CALDAS NOVAS - GO
ESTA PRODUÇÃO DE MILHO INFORMADA NA MATÉRIA DE 800KG/HA ESTA CORRETA?

26/07/2013 14:20
NEIVO A. FRITZEN | NUEVA ESPERANZA/PARAGUAY - PR
Pode ser um bom negócio, mas a prova do risco alto é recente, tanto em Angola, Zimbabue e outros. Quando tiver uma agricultura desenvolvida as ONGs irão se voltar contra os mesmos e irão dizer que a terra é deles "Angolanos" e os que a desbravaram, sairão com as mãos abanando, pois terra não terão para brigar por ela. No fim de 25 anos, se não for dono de terra, só sobra ferro velho..... E a força de produzir de uma geração se foi...
23/07/2013 22:15 | VER MENSAGEM COMPLETA
JOÃO ALVES DA FONSECA | PARACATU - MG
Amigo Eduardo ,tenho um compadre sul africano ,que hoje mora no Brasil e ainda tem propriedade agrícola na Tanzânia,segundo as histórias contadas e vividas por ele e sua família,a África já poderia hoje ser uma potência agrícola ,todavia, foi dominada por ditadores sanguinários que usaram as guerras tribais e os chamados movimentos sociais para dar fim a empreendedores pequenos ,médios e grandes ,no atual momento o que mais preocupa são as ONGS ambientalistas ,que nutridas de grana pelas grandes corporações(o interesse é aparecer como responsabilidade ambiental na mídia ),têm feito estes novos empreendedores pensarem bem antes de assumir riscos de trabalhar,sonhar, construir e depois ser tachado de bandido ...qualquer semelhança com o Brasil é mera coincidência...saudações mineiras,uai!
23/07/2013 19:04 | VER MENSAGEM COMPLETA
CARLO MELONI | SAO PAULO - SP
E' UMA TRISTEZA COMPARAR COM O BRASIL---TUDO ISSOPORQUE OS COMUNISTAS SULAMERICANOS SE INSPIRAM NOPERFEITO IDIOTA CUBANO.--PRECISAM SER ENVIADOS PARA A CHINA.--

23/07/2013 14:26
LIONES SEVERO | PORTO ALEGRE - RS
Caro Eduardo Porto, excelente matéria. Eles estão com os parceiros certos através da CITIC Chinesa (tipo BNDES brasileiro). A CITIC tem estreita relação com a PWC Brasil (Price WaterHouse Coopers). Já estivemos discutindo alguns projetos no Brasil, como a construção da ferrovia Norte-Sul por troca de soja, mas o assunto não prosperou. Participou de outros projetos de energia no Brasil. Devemos seguir este caminho... Espero você Eduardo para um café. Forte abraço.
23/07/2013 13:02 | VER MENSAGEM COMPLETA
SERGIO NOCERA FILHO | MARINGÁ - PR
Enquanto os chineses estão de olhos abertos , nosso país se preocupando com questões indígenas, copa do mundo , reservas onde não existem mais árvores e por aí vai.Brasil não toma jeito mesmo. Vamos vender tudo aos estrangeiros quem sabe esse país melhora

22/07/2013 18:34

CHICAGO (CBOT - CENTROGRÃOS)

CONTRATO (US$/bu) PREÇO VAR
Soja (Maio/14) 1.477,75 5,75
Soja (Julho/14) 1.476,25 6,25
Soja (Ago/14) 1.414,50 5,00
Soja (Set/14) 1.295,75 5,50
Última atualização: 06:08 (25/04)
Dólar 2,215 -0,40 %
COTAÇÕES EM TEMPO REAL

Commodities

Commodities fornecidas por br.investing.com

Índices

Índices fornecidos por br.investing.com

INDICADORES CEPEA

PRODUTO (R$) PREÇO VAR
Boi Gordo (média SP/@) 124,17 -0,22 %
Última atualização: 18:59 (24/04)

BRASIL (BM&F)

CONTRATO PREÇO VAR
Soja (Mai 14) 31,35 0,80 %
Café (Set 14) 262,50 0,00 %
Boi Gordo (Mai 14) 119,56 1,27 %
Dólar Fut (Mai 14) 2,218 -0,45 %
Última atualização: 18:13 (24/04)

NEW YORK (NYBOT)

CONTRATO PREÇO VAR
Algodão (May 2014) 92,66 -0,24
Açúcar (May 2014) 17,09 -0,03
Suco de Lar (Jul 2014) 165,85 0,35
Café (Jul 2014) 213,05 -1,75
Última atualização: 05:48 (25/04)
Acessar versão completa