Café: NY interrompe sequência de seis altas seguidas nesta 6ª, mas tem leve valorização acumulada na semana

Publicado em 29/01/2016 17:57
245 exibições

A semana foi de leve alta para os futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), mesmo com a queda de quase 300 pontos nesta sexta-feira (29) – que acabou devolvendo parte dos ganhos das últimas seis sessões –. No vencimento março/16, mais negociado, a valorização foi de 0,30%, saindo de 116,00 cents/lb para 116,35 cents/lb. Durante a semana, os preços foram sustentados pelo recuo do dólar, recompras de fundos e fatores técnicos, o que fez com que o março/16 chegasse a testar o patamar de US$ 1,20 por libra-peso.

No aspecto fundamental, de acordo com agências internacionais, também começa a repercutir entre os operadores – mesmo que em menor intensidade – um possível desequilíbrio entre oferta e demanda no mercado. Os estoques de café do Brasil devem chegar a março no menor volume da história. O banco ABN Amro, por exemplo, estima que o consumo da commodity possa exceder a oferta em mais de 4% neste ano.

Apesar das cotações fecharam com leve alta nesta semana, no comparativo mensal, o mercado registrou queda. Nos contratos com entrega para março/16, a baixa foi de 8,17%, saindo de 126,70 cents/lb no fechamento do mês anterior para 116,35 cents/lb hoje. O café acompanhou neste mês a queda de outras commodities e a aversão ao risco dos mercados globais.

Após estender os ganhos das últimas seis sessões durante a maior parte da sessão, as cotações na ICE acabaram recuando em ajustes. O vencimento março/16 registrou 116,35 cents/lb e o maio/16 teve 118,50 cents/lb, ambos com queda de 280 pontos. Já o contrato julho/16 anotou 120,25 cents/lb com 275 pontos de desvalorização, enquanto o setembro/16 fechou a 121,90 cents/lb com avanço de 35 pontos.

"Após as boas oscilações da semana com importantes suportes mantidos, os investidores tiraram o dia para realizar lucros à espera do relatório dos traders. Mas não vejo motivos para grandes apreensões", afirma o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães.

O dólar, que influenciou bastante os negócios na semana, teve mais um dia de queda. Em meio a um quadro global favorável, a moeda recuou 1,37%, cotada a R$ 4,0243 na venda. O dólar menos valorizado ante a moeda brasileira acaba desencorajando as exportações da commodity.

» Dólar cai 1,37% frente ao real na sessão, mas marca terceira alta mensal seguida

Outra informação que também repercutiu bastante durante a semana foi a queda nos estoques de café, principalmente do Brasil. Com isso, os operadores passaram a repercutir sinais de oferta apertada. Em entrevista exclusiva ao Notícias Agrícolas na sexta-feira passada, o presidente do CNC (Conselho Nacional do Café), Silas Brasileiro informou que estoques de passagem brasileiros devem chegar em março deste ano no menor volume da história, entre 4 e 5 milhões de sacas de 60 kg.

» Brasil deve iniciar 2016 com o menor estoque de passagem de café da história

No cinturão produtivo do Brasil, os relatos são de que as chuvas continuam beneficiando o desenvolvimento das lavouras da safra 2016/17. No entanto, o tempo deve ficar mais firme na próxima semana e com temperaturas elevadas nas áreas produtoras de São Paulo e Minas Gerais, segundo mapas climáticos da Somar Meteorologia.

Mercado interno

Com os estoques brasileiros apertados, os negócios no mercado físico brasileiro deram sinais de melhora nesta semana com os produtores mais ativos por conta dos preços firmes, segundo o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP). A variedade robusta, inclusive, bateu novo recorde de preço. No comparativo semanal, a maioria das praças de comercialização de arábica registraram queda.

O tipo cereja descascado teve maior valor de negociação hoje na cidade de Varginha (MG) com saca cotada a R$ 550,00 - estável. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Poços de Caldas (MG) com queda de 3,09% e saca cotada a R$ 534,00.

Da sexta-feira passada para hoje, a cidade que registrou maior variação para o tipo foi Poços de Caldas (MG) com queda de R$ 13,00 (-2,38%), saindo de R$ 547,00 para R$ 534,00 a saca.

O tipo 4/5 teve maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com R$ 548,00 a saca e queda de 2,66%. Foi a maior oscilação no dia dentre as praças.

Para o tipo, conforme o gráfico, a maior oscilação na semana foi registrada em Poços de Caldas (MG) que tinha saca cotada a R$ 521,00, mas caiu R$ 24,00 (-4,61%) e agora vale R$ 497,00.

O tipo 6 duro teve maior valor de negociação na cidade de Araguari (MG) com R$ 540,00 a saca - estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Poços de Caldas (MG) com recuo de 4,59% e saca cotada a R$ 478,00.

A variação mais expressiva de preço na semana para o tipo 6 foi registrada em Poços de Caldas (MG), por lá a saca estava cotada a R$ 498,00 na sexta passada, mas teve desvalorização de R$ 20,00 (4,02%), e agora está em R$ 478,00.

Na quinta-feira (28), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 500,75 com alta de 0,50%.

Bolsa de Londres

As cotações do café robusta na Bolsa de Londres (ICE Futures Europe), antiga Liffe, fecharam em baixa nesta sexta-feira pela segunda sessão consecutiva. O contrato março/16 registrou hoje US$ 1386,00 por tonelada e o maio/16 teve US$ 1416,00 por tonelada, ambos com recuo de 16 pontos. Já o vencimento julho/16 anotou US$ 1445,00 por tonelada com desvalorização de US$ 15.

Na quinta-feira (28), o Indicador CEPEA/ESALQ do café conillon tipo 6, peneira 13 acima, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 397,48 com queda de 0,18%.

» Clique e veja as cotações completas de café

 

Veja abaixo algumas notícias que movimentaram o mercado do café nesta semana:

» Café: Rabobank reduz em mais de 7% estimativa de preço do arábica em NY

» Café: Indicador do arábica avança 5%; robusta é recorde

» ABN Amro tem perspectivas otimistas para preços do café e açúcar

» Café: Exportação do Brasil em janeiro continua abaixo do volume registrado no mês passado

» Conab realiza na próxima quarta-feira (3) leilão de venda de 3,98 mil sacas de café

Tags:
Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário