No Porto, milho registra nova alta nesta 4ª feira e chega a R$ 37,50 a sc; tendência é positiva, aponta analista

Publicado em 06/01/2016 17:58
404 exibições

No Porto de Paranaguá, a saca do milho subiu R$ 0,50 e fechou a quarta-feira (6) cotada a R$ 37,50. Em Campo Novo do Parecis (MT), a alta foi de 9,52%, com a saca a R$ 23,00, em Tangará da Serra (MT), o ganho ficou em 6,98% e a saca a R$ 23,00. Em Cascavel (PR), o preço subiu 1,17% e a saca a R$ 26,00 e em São Gabriel do Oeste (MS), a saca ficou em R$ 29,50 e valorização de 1,72%.

Mais uma vez, as cotações do cereal encontraram suporte na valorização cambial. Hoje, a moeda norte-americana fechou o pregão a R$ 4,0214 na venda, com ganho de 0,70%, depois de recuar mais de 1% no dia anterior. Segundo dados da agência Reuters, o dólar foi impulsionado pelas preocupações com a economia da China e o impacto na economia global. Além disso, a informação de que a Coreia do Norte teria realizado com sucesso o primeiro teste com bomba de hidrogênio também contribuiu para a formação do cenário.

Enquanto isso, no mercado os preços continuam sustentadas e a perspectiva é favorável para 2016. No Paraná, os preços giram em torno de R$ 36,00 a R$ 38,00 a saca, mesmos patamares registrados no Rio Grande do Sul. Em São Paulo, as cotações orbitam entre R$ 36,00 a R$ 37,00 a saca, já no interior, na região de Campinas (SP), o valor é mais alto e está próximo de R$ 40,00 a saca. Em Goiás, os preços estão ao redor de R$ 30,00 e no Mato Grosso, entre R$ 22,00 a R$ 26,00 a saca, conforme ressaltou o analista de mercado da Safras & Mercado, Paulo Molinari.

"São preços recordes e que refletem a exuberância na exportação em 2015. No acumulado no ano comercial, temos quase 30 milhões de toneladas de milho embarcadas e para janeiro as nomeações estão próximas de 5,5 milhões de toneladas. Deveremos chegar a 35 milhões ou até 35,5 milhões de toneladas do grão embarcadas na temporada. Com isso, nas regiões mais próximas aos portos a oferta ficou enxuta e agora temos dificuldade no abastecimento interno", explica o analista.

Diante desse quadro, Molinari ainda pondera que os preços podem subir ainda mais. "Enquanto não tivermos entrada de um bom volume de milho novo para atender toda a demanda interna teremos um mercado que pode subir a qualquer nível. E em relação à safra de verão é provável que o mercado só veja a produção no final de abril e maio, isso porque, os produtores acabam priorizando a comercialização da soja", acredita.

Safrinha de 2016

Ainda na visão do analista, apesar dos problemas com a safra de verão, a área cultivada com o milho na segunda safra pode ser recorde em todas as praças do país. "Por enquanto, ainda não vemos nenhum problema inicial para a semeadura do cereal. Até o momento, já temos cerca de 10 milhões de toneladas da safrinha comercializadas para exportação. E sempre que os preços nos portos tiverem um salto é importante que o agricultor negocie", orienta.

BM&F Bovespa

A sessão desta quarta-feira (6) foi positiva aos preços do milho negociados na bolsa brasileira. As principais posições do cereal fecharam o dia com valorizações entre 0,15% e 1,09%. O vencimento janeiro/16 se aproximou no nível de R$ 39,00 a saca, cotado a R$ 38,91 a saca, com ganho de 0,67%. Já o vencimento março/16 era cotado a R$ 39,35 a saca e o maio/16 a R$ 38,42 a saca. A mais recente alta cambial contribuiu para alavancar as cotações do milho na BM&F.

Bolsa de Chicago

Nesta quarta-feira (6), os preços futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) trabalharam com volatilidade. Depois de testar os dois lados da tabela, as principais posições do cereal encerraram a sessão em campo misto. O vencimento março/16 era cotado a US$ 3,53 por bushel, com ganho de 0,25 pontos, mesmo patamar registrado no início do dia. Já o contrato maio/16 era negociado a US$ 3,58 por bushel.

Molinari ainda sinaliza que as cotações trabalham de maneira técnica e o que o mercado ainda não encontrou um fato novo capaz de modificar o cenário. "O mercado ainda precifica a recuperação dos estoques e está focado no quadro norte-americano. As exportações americanas continuam péssimas e a demanda ainda não se concentrou no milho americano, sem contar que os compradores absorveram muito produto brasileiro. Então o mercado tem dificuldade em mudar o padrão de preços, por isso, precisamos de um fato novo. Paralelamente, temos o dólar forte no cenário internacional e com possibilidade de nova alta na taxa de juros no primeiro semestre de 2016, o que afeta o mercado de commodities", completa.

Em meio a esse quadro, já começam as especulações sobre a nova temporada nos Estados Unidos. Conforme informações reportadas pelo site Farm Futures nesta quarta-feira, as primeiras estimativas apontam para uma safra de milho ao redor de 344,7 milhões de toneladas na safra 2016/17. O número previsto está abaixo do colhido na última temporada, ao redor de 346,83 milhões de toneladas, conforme dado do USDA.

"A estimativa de produção de milho está abaixo e traz um pouco de apoio aos preços, porém, não será o suficiente para transformar o mercado. Para que isso aconteça, a demanda deve melhorar", disse Bryce Knorr, analista e editor do portal.

"No dia 31 de março deveremos ter a primeira intenção de plantio no país. Por enquanto, a relação de troca é mais favorável à soja. Até lá, teremos um ponto especulativo, porém, ainda não dá pra dizer que o mercado irá buscar os US$ 4,00 por bushel no curto prazo. Precisaremos de pelo menos dados melhores nas exportações para ver o mercado saindo da faixa que está hoje", acredita o analista.

Por outro lado, Molinari ressalta que os preços nos atuais patamares não cobrem os custos de produção. "O produto americano precisa do vencimento dezembro/16 a pelo menos em torno US$ 4,20 por bushel, para estimular o investimento no plantio do grão", finaliza.

Produção de etanol nos EUA

A produção de etanol totalizou 996 mil barris diários até o dia 1 de janeiro de 2016. O número representa uma alta de 5 mil barris diários em relação ao volume indicado na semana anterior, de 992 mil barris diários.

Do mesmo modo, os estoques de etanol subiram de 20,2 mil barris para 21,1 mil barris, no mesmo intervalo. As informações foram reportadas pela AIE (Administração de Informação de Energia) nesta quarta-feira (6).

Confira como fecharam os preços nesta quarta-feira:

>> MILHO

Tags:
Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário