No ESTADÃO (exclusivo): PF apreende documentos do sítio de Atibaia no apartamento de Lula

Publicado em 13/03/2016 21:03
629 exibições
POR RICARDO BRANDT, ENVIADO ESPECIAL A CURITIBA, e JULIA AFFONSO (repórteres especiais de O Estado de S. Paulo)

Operação Lava Jato

PF apreendeu em apartamento de Lula documentos de sítio em Atibaia

POR RICARDO BRANDT, ENVIADO ESPECIAL A CURITIBA, JULIA AFFONSO

Lista de itens recolhidos em buscas na casa do ex-presidente, em São Bernardo, durante a Operação Aletheia - 24ª da Lava Jato - elencam ainda celulares e carta de Emílio Odebrecht

Edifício Hill , em São Bernardo do Campo, onde a Polícia Federal fez buscas em dois apartamentos ocupados pelo ex-presidente Lula

Edifício Hill House, em São Bernardo do Campo, onde a Polícia Federal fez buscas em dois apartamentos ocupados pelo ex-presidente Lula

Na cobertura do Edificio Hill House, em São Bernardo do Campo, onde mora o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua mulher, Maria Letícia, a Polícia Federal recolheu documentos de imóvel rural em Atibaia, 9 aparelhos de telefones celular e uma carta com nome impresso Emílio Odebrecht. São alguns dos itens apreendidos na Operação Aletheia – 24ª fase da Lava Jato, deflagrada no dia 4 -, que teve Lula como alvo principal. Ele foi levado coercitivamente para depor, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e o material recolhido em sua casa enviado para Curitiba.

O material está descrito no auto circunstanciado de busca e apreensão da Polícia Federal. No documento consta que no apartamento 121, ocupado pelo ex-presidente Lula, um dos itens recolhidos são de “documentos diversos relacionados a imóvel rural na cidade de Atibaia/SP”.

SITIO DOC NO APE

Lula é investigado pela compra do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia, em nome de “laranjas” e que recebeu reformas e equipamentos bancados por empreiteiras do cartel acusado de corrupção na Petrobrás – OAS e Odebrecht – e pelo pecuarista José Carlos Bumlai, preso desde novembro pela Lava Jato.

Publicamente e na Justiça, o ex-presidente afirmou que o sítio foi comprado pelo amigo Jacó Bittar (PT), ex-prefeito de Campinas, e registrado em nome do filho Fernando Bittar e de seu sócio Jonas Suassuna – ambos também sócios de um dos filhos de Lula. O objetivo seria propiciar as duas famílias, amigas desde a década de 1970, a conviverem após ele deixar a Presidência.

No material apreendido pela PF há também um “pedaço de papelão, extraído de caixa de papelão, com folha colada em sua superfície com os dizeres: ‘CX62, “destino: Sítio”.

O apartamento 121 onde estavam os documentos apreendidos com referência ao sítio de Atibaia é o imóvel que pertence ao primo de Bumlai. Oficialmente Lula é dono do 122, onde também foram recolhidos itens.

odebre

Outro item arrecadado nas buscas é um envelope com etiqueta “Presidente Lula”. Dentro dele “carta com assinatura e data, além do nome impresso ‘Emílio Odebrecht’”.

Telefones. Os agentes da Polícia Federal recolheram ainda na casa do ex-presidente nove telefones celulares. Um dos itens que chamou atenção dos agentes foi um dos aparelhos, modelo STI, com o seguinte registro: “Presidente LULA 000001”.

celular

O ex-presidente afirma publicamente não tem aparelhos de telefone celular. As perícias da PF estão concentradas em Curitiba e a previsão é que os primeiros relatórios comecem a ficar prontos nesta semana.

COM A PALAVRA, A DEFESA DO EX-PRESIDENTE LULA

No final de fevereiro, a defesa de Lula encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) documento em que ele afirmava que o imóvel em Atibaia foi comprado pelo amigo e ex-prefeito de Campinas Jacó Bittar (PT), em 2010, para que as duas famílias pudessem “conviver” e para que ele pudesse “acomodar objetos” recebidos do “povo brasileiro” durante seus dois mandatos. “O ‘Sítio Santa Bárbara’ foi prospectado pelo Sr. Jacó Bittar (amigo do Autor e de sua família mais de 40 anos) no ano de 2010, quando ele tinha o interesse de adquirir um local que pudesse servir para que sua família pudesse conviver com a família do Autor — após este deixar a Presidência dar República – além de outros amigos”, informa a ação cível ordinária, protocolada dia 26 de fevereiro, no STF.

“Havia, ainda, a preocupação de Jacó Bittar de oferecer à família do Autor um local onde pudesse acomodar objetos que o Autor havia recebido o povo brasileiro durante os dois mandatos de Presidente da República.”
A peça é assinada pelos advogados dos escritórios Teixeira, Martins & Advogados – do compadre de Lula Roberto Teixeira – e Nilo Batista e Advogados Associados, defensores do ex-presidente.

“A compra das propriedades imobiliárias em questão envolve apenas particulares. Da mesma forma, eventuais reformas que tenham sido realizadas nessa propriedades também envolveram apenas particulares.”

No documento encaminhado ontem ao STF, a defesa de Lula admite que Bumlai realizou as obras, mas negou participação das empreiteiras e relação com a Petrobrás.

“Jacó Bittar, em virtude de doença, transferiu ao filho Fernando Bittar os recursos de suas aplicações pessoais para adquirir a propriedade. Como o valor não era suficiente para a compra integral do sítio (duas matrículas), Fernando celebrou um contrato particular de compra e venda com o antigo proprietário e tentou, no interregno até a escritura definitiva, vender uma outra propriedade, no município de Manduri (SP).”

Segundo a defesa, como a venda não foi realizada, “Fernando convidou o seu sócio, Jonas Suassuna, a participar da compra, o que foi aceito por este último.”

“O Autor somente soube que Fernando Bittar e Suassuna haviam adquirido o “Sítio Santa Bárbara” em 13 de janeiro de 2011, após ter deixado o cargo de presidente da República”, informa a defesa de Lula.

O ex-presidente, que admitiu frequentar o local, disse que a primeira vez que esteve no local foi no dia 15 de janeiro de 2011.

“Todos os recursos utilizados na compra da propriedade são da titularidade da família Bittar e de Jonas Suassuna e foram pagos em cheques administrativos.

Conta a defesa que quando foi adquirido por Fernando Bittar e Jonas Suassuna, o sítio tinha apenas dois quartos e instalações com alguma precariedade. “Foram realizadas reformas com o objetivo de permitir que os proprietários e a família do Autor pudessem conviver no local e, ainda, que fosse possível acomodar, como já dito, os objetos que o Autor ganhou do povo brasileiro durante a Presidência da República.”

Lula informou à Justiça que “tomou conhecimento de que a reforma foi oferecida pelo Sr. José Carlos Bumlai, amigo da família, enquanto Fernando Bittar comentava sobre a necessidade de algumas adaptações no local”. “Depois, diante de algumas dificuldades técnicas, a obra foi concluída por uma empresa cerca de 50 km do “Sítio Santa Bárbara”.”

Para a defesa, como se vê, não há qualquer ato ilícito”.

 

Perda total - por Dora Kramer

 Neste domingo o País não deixou dúvida: a paciência dos brasileiros se esgotou. Se Luiz Inácio da Silva e o PT ainda achavam que o problema deles era a presidente Dilma Rousseff, viram e ouviram que as barbas devem ser postas de molho e os cavalos retirados da chuva, antes de acreditar que críticas à figura dela, denúncias de golpe e queixas de perseguição política possam sensibilizar a opinião pública.

Pela primeira vez os protestos tiveram foco bem definido e incluíram de maneira contundente Lula e o PT. Os manifestantes pediram o afastamento da presidente, mas gritaram "fora PT" em uníssono Brasil afora e pediram a prisão do ex-presidente. As principais palavras de ordem, entre as quais se incluíram apoio ao juiz Sérgio Moro e às investigações da Lava Jato.

 

Manifestações deram a dimensão da

rejeição do governo

POR MERVAL PEREIRA

em O GLOBO

O tamanho das manifestações não pode ter surpreendido o governo. Todos os acontecimentos políticos dos últimos dias foram favoráveis a uma manifestação deste tamanho. É uma coisa impressionante, a maior já acontecida no Brasil e dá a dimensão da rejeição do governo - que já estava paralisado e agora começou a acabar.

Fonte: O Estado de S. Paulo / O GLOBO

Nenhum comentário