Na Folha: Capital da soja sofre 'tempestade perfeita'

Publicado em 30/12/2015 08:11 e atualizado em 30/12/2015 08:59
2087 exibições
Por Mauro Zafalon, colunista Vaivém das Commodities

O maior produtor mundial de soja, o município de Sorriso (MT), está com sérios problemas. Os produtores da região, que sempre tiveram o clima como um grande aliado, são vítimas de uma intensa seca, o que vem comprometendo a produtividade.

Esse efeito climático ocorre em um momento delicado para o setor, que já vive os efeitos negativos dos problemas políticos e econômicos do país, da queda dos preços internacionais, da alta do dólar e, consequentemente, do aumento no valor dos insumos utilizados na produção.

Até os ares novos da vizinha Argentina, que reduziu impostos e favoreceu o aumento de vendas de soja, preocupam os brasileiros.

A soma de todos esses problemas, mais a intensa crise hídrica, traz uma "tempestade perfeita" sobre o setor. Uma tempestade sem chuva.

O produtor Elso Vicente Pozzobon, vice-presidente da Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso), diz que "tudo está atrapalhado. Com tanta incerteza sobre o clima, não há como nem pensar em um planejamento".

Ildo José Damiani, produtor em uma das áreas mais afetadas de Sorriso, caminha desolado pela produção.

Com um sistema produtivo de alta tecnologia, ele se preparou para colher de 60 a 70 sacas por hectare, a média para a região em anos recentes.

Após 80 dias na terra, a soja semeada não cresceu e tem menos de 30 cm ­ deveria estar com 80 cm a 100 cm. A planta tem de 10 a 12 vagens, quando deveria ter de 40 a 60. Os grãos não desenvolveram.

O resultado é que a produção, se ele optar pela colheita, deverá ficar bem abaixo do previsto: próxima de 11 sacas por hectare. Só para colher, os gastos equivalem a três sacas por hectare.

Diante desse baixo potencial de produção, ele se pergunta: O que fazer? Eliminar essa planta e semear outra? Plantar algodão, milho? Terei crédito para isso? Provavelmente não, porque parte da sua plantação já está financiada.

Leia a notícia na íntegra no site Folha de S.Paulo.

Tags:
Fonte: Folha de S.Paulo

Nenhum comentário