Com 98% da colheita concluída, Sorriso-MT confirma quebra de 15% na produção, com produtividade média de 49 scs/ha na soja

Publicado em 24/03/2016 10:56 e atualizado em 24/03/2016 12:03
649 exibições
Milho de segunda safra está plantado, mas pelo menos 30% da área foi introduzida fora da janela ideal. Produtividade deve ficar abaixo da registrada no passado

Com 98% da área cultivada com a soja já colhida, o município de Sorriso (MT) vai confirmando uma quebra de 15% na produção, conseqüência da forte estiagem que atingiu o estado no final de 2015 e intensas chuvas no período o colheita.

A seca no ano passado acabou afetando mais de 20% dos produtores da região, com isso, a produtividade média das lavouras ficou em 49 sacas por hectare, com relato de produtores colhendo abaixo de 30 sc/ha.

Em todo o Mato Grosso, a quebra nesta safra pode superar os 1,250 milhão de toneladas, de acordo com dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). De acordo com o presidente do sindicato rural, Laércio Pedro Lenz, a região tem um histórico de rendimento médio de 60 sacas por hectare.

O presidente conta que "muitos produtores precisarão renegociar suas dívidas para os próximos três a quatro anos para conseguir se manter na atividade", destaca. Em função disso, o setor se mobilizou junto a Prefeitura Municipal, ainda no final do ano passado, para que fosse declarado estado de emergência na cidade.

Após pericia que constatou a situação critica de muitas lavouras, nesta semana o Governo do Estado acatou o pedido, declarando oficialmente Sorriso em estado emergencial.

Além da quebra da produção nesta temporada, os produtores do centro-oeste do país já enfrentam dificuldades logísticas que oneram parte da receita obtida no campo. Assim, as 10 sacas por hectare de perda aproximada, trarão grandes prejuízos a uma cadeia que já tem uma parcela do saldo consumido por fretes caros e falta de infraestrutura de escoamento.

"Esse produtividade irá restringir a capacidade de investimento dos produtores, o que significa que nas próximas safras ele continuará a plantar, mas sem ampliar área, buscar novas tecnologias ou adquirir máquinas", pondera Lenz.

O rendimento para a maioria dos produtores ficará abaixo dos custos de produção. De acordo com o Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária) o custo total de um hectare no estado foi de R$ 2.958,37 na safra 2015/16. Em Sorriso, Lenz, afirma que o custo total corresponde de 40 a 45 sacas por hectare.

Na região a saca de 60 kg da soja é comercializada entre R$ 60,00 a R$ 61,00.

Milho safrinha

Com a finalização do plantio, Sorriso consolidou 420 mil hectares cultivados com o milho safrinha. De acordo com o presidente do sindicato rural, 30% dessas lavouras foram cultivadas fora da janela ideal, que se encerrou no dia 20 de fevereiro.

Assim, Lenz considera que os produtores também terão quebra na safra de milho, ficando abaixo do rendimento médio do ano passado que foi de 117 sacas por hectare.

"Esperamos que as chuvas prolonguem até o mês de maio para conseguimos manter uma produtividade razoável", destaca Lenz.

Considerando o período do plantio e a redução na tecnologia implantada, alcançar um rendimento médio de 90 a 100 sacas por hectare já seria positivo para os agricultores que investiram no milho segunda safra, conforme opinião do presidente.

Na região a saca do milho é comercializada a R$ 18 reais nas vendas futuras.

Tags:
Por: Aleksander Horta e Larissa Albuquerque
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário