Mercado de açúcar: O GATO SUBIU NO TELHADO

Publicado em 11/07/2011 05:53 e atualizado em 13/07/2011 15:47 708 exibições
por Arnaldo Luiz Corrêa


O mercado fechou a semana com uma alta extraordinária de 211 pontos no vencimento de outubro/2011, ou US$ 46,52 por tonelada. Todos os meses de vencimento atingiram suas máximas na semana e o mundo parece sorrir para os produtores de açúcar. Outubro/2011 encerrou a 29,36 centavos de dólar por libra-peso. O spread março/maio fechou a 145 pontos, o mesmo spread que dissemos aqui há dois meses que estava muito barato a 10 pontos. Se você usou esse relatório para algo útil além de apenas forrar a gaiola do seu papagaio, parabéns – você ganhou quase 30 dólares por tonelada. 

Por que será que muitas usinas que tem informações valiosas dentro de casa sobre a sua própria produção, que sabem in loco o que está acontecendo no campo, não transformam essas informações em dinheiro? Operar com spread custa 50% menos em termos de garantias (US$ 950 por contrato), não há necessidade de apostar na direção do mercado, o risco de margem é muito menor e agrega valiosos dólares por tonelada na conta do acionista. O que será que emperra a utilização de ferramentas tão básicas?

A fila de navios agora em Santos e Paranaguá soma 2,56 milhões de toneladas. Já vimos esse filme antes. Os fundos também entraram com novas compras aproveitando o início de um novo trimestre fiscal. Afinal, no acumulado do ano, o açúcar ainda mostra um resultado negativo de quase 10% (dia 31/12 o mercado fechou a 32,12 centavos de dólar por libra-peso). Na visão dos fundos, ainda há espaço para os altistas. O físico e a fila podem deixar os nervos do mercado à flor da pele.

Um trader aponta que o volume de fixação de 82,5% da safra 2011/2012 parece alto demais (outro já disse que bate com o dele). O fato é que muita gente está fixada mesmo e isso pode potencializar um eventual estresse do mercado, pois subidas repentinas não deverão encontrar resistência, pois quem tinha o que fixar já o fez.

A safra de cana continua em ritmo lento, com números bem abaixo das expectativas. Tudo parecia caminhar para a decisão governamental de diminuir a mistura de anidro na gasolina para 18% dos atuais 25%. Mesmo porque, as refinarias já trabalham com máxima capacidade e não teriam outra saída senão a de importar combustível. A redução do anidro na mistura agora, no entanto, paradoxalmente, poderia trazer um problema ainda maior, pois as usinas iriam se enquadrar para o novo nível de produção, diminuindo a oferta total de etanol. Um executivo do mercado acha que “a redução virá, mas não agora”.

Dissemos aqui na semana passada que o outubro tinha todos os ingredientes para repetir a trajetória de preço do julho. Só não esperávamos que fosse acontecer com espaço de tempo tão exíguo. Não adianta mais tapar o sol com a peneira. Dificilmente vamos ver uma moagem acima de 535 milhões de toneladas. Isso parece ter virado consenso. Um respeitado trader do setor acredita que, baseado no que está ocorrendo na sua empresa, vamos moer apenas e tão somente 515 milhões de toneladas. O fato é que alguém precisa avisar ao governo que o gato subiu no telhado. Então, homeopaticamente, vamos reduzindo de 565 para 550, depois para 545, depois para 535 e assim vai. 

O jargão que usamos na manchete, caso alguém não saiba, é derivado de uma antiga piada que dizia que um casal numa longa viagem de férias, deixou seu bichano de estimação aos cuidados da empregada. Após alguns dias de viagem, a patroa ligou para casa e perguntou sobre o gato. A empregada, de chofre, respondeu: “Seu gato morreu!”. A mulher ficou desesperada e entrou em pânico. O marido, transtornado com a situação, repreendeu a empregada, dizendo que ela deveria ter sido mais cuidadosa ao dar a trágica notícia. Disse ele: “Você poderia começar dizendo que o gato subiu no telhado, depois, que ele se desequilibrou, e em seguida, que caiu do telhado e não resistiu à queda, assim você prepara a pessoa”. Semanas depois, estando ainda de férias, a mulher ligou novamente para a empregada e perguntou-lhe se estava tudo bem. A empregada, cuidadosamente, respondeu-lhe: “sim, as coisas estão indo muito bem, única coisa é que sua mãe subiu no telhado".

Um fornecedor de cana que lê os comentários semanais da Archer Consulting por meio de um site que os reproduz, comenta que “a produtividade este ano está péssima, converso com muitos produtores e a quebra é grande, toda previsão para menos de 530 milhões me parece mais de acordo com o que estamos colhendo”.

No Fundo Fictício da Archer Consulting fechamos com prejuízo na semana em US$ 342,905.29 em decorrência da explosão da volatilidade. Nosso acumulado nos 918 dias de existência para caiu para US$ 7,389,456.10 com retorno médio anualizado de 133,10%, Nosso delta este em 75 lotes equivalentes vendidos.

Tenham uma boa semana

Arnaldo Luiz Corrêa

Fonte:
Archer Consulting

0 comentário