Scot Consultoria: Mercado do boi gordo resistindo às altas

Publicado em 13/11/2018 18:56 e atualizado em 13/11/2018 20:18
323 exibições

Mesmo com o feriado da próxima quinta-feira (15/11) e o período de primeira quinzena do mês, fatores que normalmente resultam em aumento da demanda, até o momento este movimento tem sido mais tímido.

 Em algumas regiões as indústrias conseguiram alongar as programações de abate com boiadas de confinamento e, com as programações de abate preenchidas, as empresas mantêm as ofertas de compra nos mesmos patamares ou ofertam preços menores pela arroba.

 Já os frigoríficos que estão com escalas de abate mais curtas ofertam preços maiores, porém, de maneira gradativa, alinhando a oferta à demanda vigente, que está patinando. Nestas regiões, a oferta de animais terminados está menor e, mesmo com o lento escoamento, as indústrias têm de ofertar preços maiores.

 No mercado atacadista de carne bovina com osso, o boi casado de animais castrados está cotado, em média, em R$9,96/kg, estabilidade frente ao fechamento de ontem (12/11). (​Felippe Reis, zootecnista, Scot Consultoria).

Abate de bovinos no Brasil sobe 3,6% no 3º tri, com exportação, diz IBGE 

SÃO PAULO (Reuters) - O abate de bovinos no Brasil totalizou 8,28 milhões de cabeças no terceiro trimestre deste ano, uma alta de 3,6 por cento ante igual período de 2017, impulsionado principalemente por um aumento nas exportações, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira.

"Vemos que os preços competitivos no mercado externo impulsionaram o abate de bovinos, quando comparamos com o terceiro trimestre do ano passado", disse Bernardo Viscardi, gerente de pesquisa do IBGE, em comunicado.

O volume também representa um aumento de 7,2 por cento na comparação com o segundo trimestre de 2018, em uma recuperação, segundo o instituto, dos efeitos da greve dos caminhoneiros, que "trouxe complicações à logística da cadeia de abate e exportações."

Já o abate de frangos chegou a 1,42 bilhão de animais durante o último trimestre, um crescimento de 3,4 por cento contra o segundo trimestre, porém um recuo de 4 por cento na comparação anual, disse o IBGE.

O Brasil é o maior exportador mundial de carne bovina e de frango.

O volume de suínos abatidos também subiu para 11,52 milhões de cabeças, alta de 4,4 por cento ante o terceiro trimestre do ano passado e 6,5 por cento contra o trimestre anterior.

“A carne suína também vem tendo aumento considerável nas exportações, porém o volume exportado foi menor que no mesmo trimestre de 2017”, acrescentou Viscardi.

Fonte: Scot Consultoria/Reuters

Nenhum comentário