Café: Bolsa de NY fecha semana no positivo mesmo com nervosismo e insegurança dos operadores

Publicado em 04/04/2014 18:28 e atualizado em 07/04/2014 10:52 867 exibições

As cotações do café em Nova Iorque fecham mais uma semana com saldo positivo, depois de cinco pregões com fortes e rápidas oscilações na ICE Futures US. 

Refletindo o nervosismo e a insegurança dos operadores, os números sobem e descem com rapidez e as cotações do café passam de alta para baixa e de baixa para alta em fração de segundo. Não é difícil mil pontos separarem a máxima e a mínima do dia. Hoje os contratos de café para entrega em maio próximo fecharam com alta de 1040 pontos!

O volume de café a ser colhido nas safras brasileiras de café 2014 e 2015 depois do longo e anormal período de seca e alta temperatura em nossos cafezais em plena estação das chuvas, continuou dominando todas as conversas e análises de mercado. 

As chuvas chegaram, mais caem de forma irregular e insuficiente para estancar as perdas. Nossos agrônomos, insistentemente assediados por produtores, industriais e operadores de mercado atrás de números e opiniões que permitam se posicionarem com mais segurança, informam que devido à gravidade do fenômeno climático e a falta de parâmetros anteriores, ainda é difícil quantificar as perdas. É unanimidade que só no decorrer da colheita, após o benefício de parte dos cafés colhidos, teremos números próximos da realidade.

Iniciada na noite da última quarta-feira terminou hoje em Poços de Caldas, Minas Gerais, a reunião de cerca de 170 agrônomos e especialistas em produção de café, que estiveram debatendo e trocando opiniões sobre os efeitos desta seca na cafeicultura brasileira. O evento foi organizado pela Syngenta Proteção de Cultivos Ltda. No momento em que fechamos este boletim semanal, ainda são poucas as informações sobre as conclusões desses técnicos, mas elas certamente vão chegar aos analistas e operadores nos próximos dias, influindo nos rumos do mercado.

O tamanho do estoque brasileiro de café no final de junho próximo (estoque de passagem), quando termina o ano safra 2013/2014, vai ser objeto de muito debate nas próximas semanas. Certamente ele estará abaixo do nível ideal para dar alguma tranquilidade aos operadores.

A posição dos fundos na bolsa de Nova Iorque, fortemente comprados, indica que a disputa entre comprados e vendidos continuará dura nas próximas semanas. 

O mercado físico brasileiro não se apresentou muito ativo. As oscilações em Nova Iorque e o novo recuo do dólar frente ao real dificultaram o fechamento de negócios. Muitos cafeicultores recusaram as bases oferecidas pelos compradores, optando por aguardar ofertas mais altas.

Até o dia 3, os embarques de abril estavam em 91.204 sacas de café arábica, mais 4.880 sacas de café conillon somando 96.084 sacas de café verde, mais 7.880 sacas de café solúvel, totalizando 103.964 sacas embarcadas, contra 72.039 sacas no mesmo dia de março. Até o dia 3 os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em abril totalizavam 298.095 sacas, contra 303.331 sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 28, sexta-feira, até o fechamento de hoje, sexta-feira, dia 4, subiu nos contratos para entrega em maio próximo, 440 pontos ou US$ 5.82 (R$ 13,06) por saca. Em reais, as cotações para entrega em maio próximo na ICE fecharam no dia 28 a R$ 540,63 por saca e hoje, dia 4 a R$ 549,15 por saca. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em maio, a bolsa de Nova Iorque fechou com alta de 1040 pontos.

Fonte:
Escritório Carvalhaes

0 comentário