Análise de mercado do feijão

Publicado em 26/05/2010 16:02 664 exibições

FEIJÃO CARIOCA –  O feijão carioca segue firme nas fontes,   pouco tem  importado os preços CIF indicados pelo mercado paulista. O Paraná já alcança mais de 75% da área colhida. Nestes preços alguém guarda feijão para ver se sobe? Lógico que não, raramente. Assim o percentual comercializado deve estar muito próximo do volume colhido. Ontem no Paraná as referências ficaram em   R$ 115 para feijão nota 7,  R$ 130, para 8,  R$ 135/140 para 8,5 e   R$ 145/150 para feijão nota 9. Em Goiás e Minas os melhores lotes podem alcançar até R$ 160, o mesmo valor alcançado no interior de São Paulo. No geral essa semana a procura está mais calma. Muitos esperam que haja uma queda nos preços, para refazer os estoques. No atacado paulista nessa madrugada a entrada registra, entre amostras no balcão e cargas efetivamente carregadas,  um total de 20 mil sacas,  com venda de cerca de 5 mil sacas. O preço para o feijão nota 9 teve com referência R$ 155. A Conab  consegue ser lenta até quando vive uma emergência. Prometeram  preços mais baixos para abertura do leilão de amanhã, mas voltaram com o mesmo valor, pois não houve tempo hábil (uma semana) para concluir o óbvio: R$90 por feijão nota 6/7 é muito caro.

FEIJÃO PRETO  -  A inabilidade do governo faz com que supermercados esperem queda no preço do feijão e se retraiam cada dia mais,  aguardando a safra prometida pelo governo e também os leilões. Não há safra com qualidade nem os leilões serão suficientes para baixar o mercado.  Dessa maneira os empacotadores ficam parados. Já é difícil encontrar oferta de feijão tipo 1 no mercado interno. Os argentinos  não cedem no preço e  a alta do dólar torna o produto pouco atraente.  Hoje,  para se importar o saco de 60 kg chega ao custo próximo de R$ 95 / 100. Nestes níveis ainda é possível encontrar alguns lotes que foram importados antes da alta do dólar sendo vendidos agora em reais. 

mercdo atacadista

 

Preço da Saca de 60 Kg

Clique aqui para ampliar!

 

preco pago ao produtor

Tags:
Fonte:
Correpar

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário