Feijão: Forte valorização segue firme, não dando mostras de mudança de direção

Publicado em 15/09/2010 16:06
1181 exibições

FEIJÃO CARIOCA  7h30 - A  forte valorização segue firme, não dando mostras de mudança de direção. Qualquer variação negativa será temporária. Quem vendeu sabia que poderia haver nova valorização durante esta semana e ela dá mostras de ocorrer ainda hoje, na bolsinha,  com um volume de não mais do que 2.500 sacos sem sobras e mercadoria  9 até 10  vendida  por R$ 200. Os demais feijões têm cotação estimada, pois sem ofertas paga-se preços de 9 para o feijão nota 8. Um feijão nota 7 estima-se hoje em R$130, por exemplo.
 
 
Leilão Conab: Com feijão nota 5,35 - 6,2 aferido pelo colorímetro a maioria dos lotes não pode ser colocado nem na segunda marca das empresas com maior zelo pela aparência do seu feijão. Porém,  são esperadas disputas em lotes de melhor aparência pois não há, no mercado, feijão abaixo de nota 8,5. As cesta básicas e cozinhas indústriais, bem como mercados de periferia, tem nesta mercadoria possibilidade interessante de ganho. Contate a Correpar agora e veja como participar: 041-3259-4433.
 
 
Colorímetro - O equipamento foi totalmente aprovado para avaliação de cor de feijão. A Granotec está autorizada pela Kônica Minolta a distribuir no Brasil. A empresa fez esta semana a entrega do primeiro colorímetro a entrar em uso comercial no país na cidade de Paracatú.  Pólo de produção de alta tecnologia, a região se libertará de avaliações tendenciosas e pouco precisas feitas "a olho" que marcaram a comercialização com prejuízos para produtores nos últimos 40 anos.

FEIJÃO PRETO 7h30 - A procura bastante forte vem embasando os novos
 
preços praticados para importação da Argentina. Na fronteira com a Argentina fala-se em US$ 770 com negócios novos, não confirmados.  Todos já tem bem claro que se o carioca subiu o preto deverá valorizar também.  É verdade que parte do consumo em determinadas regiões deverá ser maior de feijão preto a partir de agora.  
Saiba mais em www.correpar.com.br

 

mercado atacadista

Clique aqui para ampliar!

 

preco ao produtor

Tags:
Fonte: Correpar

Nenhum comentário