Soja: Cotações encerram a quarta-feira recuando levemente na Bolsa de Chicago

Publicado em 09/09/2010 07:15
581 exibições
Possivelmente, na sexta-feira o USDA poderá reduzir a sua previsão de estoque final para a safra nova (2010/2011) norte-americana de soja.
Clique aqui para ampliar!

Comentário:

Nesta quarta-feira, oito de setembro de 2010, as cotações futuras de soja relativas aos três primeiros vencimentos fecharam com leves perdas, na Bolsa Mercantil de Chicago (CME), conforme a tabela acima. Estima-se que nesta data os fundos de especulação tenham vendido cerca de 2.000 lotes futuros (272.000 toneladas) de soja, apesar de o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) ter anunciado a venda nesta data de 115.000 toneladas de soja norte-americana para a China.

Entretanto, parece ter amainado um pouco o fluxo de notícias sobre a safra nova (2010/2011) norte-americana de soja em antecedência aos importantes Relatórios de Safras e de Oferta e de Demanda Agrícolas e de Vendas de Exportação da Oleaginosa que o USDA irá divulgar na próxima sexta-feira. O clima nos EUA tem sido favorável à fase final de desenvolvimento da oleaginosa e à colheita das variedades precoces, com exceção das áreas de estiagem excessiva no Sudeste daquele país e em partes da seção leste do Cinturão de Milho e de Soja e também excetuadas as áreas com  intensa umidade nos solos, no estado de Missouri e no sul do estado de Illinois. Esse cenário deverá permanecer até o final da semana em curso.

Conforme a média das opiniões dos analistas de Chicago, é esperada pequena redução para 49,09 sacos de 60 kg líquidos (43,8 bushels por acre) da produtividade média de soja referente à safra nova (2010/2011) da oleaginosa nos EUA, por comparação à previsão do USDA em agosto último da ordem de 49,32 sacos de 60 kg líquidos (44 bushels por acre), com respeito à mesma safra. Com base nessas duas distintas expectativas de produtividade, a magnitude da safra nova norte-americana de soja que em agosto fora estimada pelo USDA a nível em torno de 93,43 milhões de toneladas, passou nesta data a ser estimada pelos analistas norte-americanos na quantidade aproximada de 92,70 milhões de toneladas.

Em contrapartida, os traders do mercado futuro em Chicago contam com a redução do estoque final da safra nova (2010/2011) de soja dos EUA para cerca de 8,2 milhões de toneladas (300.000.000 de bushels), em contrapartida à magnitude desse mesmo estoque final prevista pelo USDA a nível de aproximadamente 9.8 milhões de toneladas (360.000.000 bushels), no relatório de agosto passado.

Tal redução é expressiva e tende a acarretar maior volatilidade (maior variação) das cotações futuras da oleaginosa em Chicago, ao longo do ano-safra 2010/2011, o qual se iniciou em primeiro de setembro corrente. Cumpre ter em mente a previsão para a safra nova (2010/2011) sul-americana da oleaginosa da incidência do fenômeno La Niña, passível de acarretar estiagem no Brasil e/ou na Argentina e/ou nos demais países produtores do Cone Sul.

Em sete de setembro de 2010, o USDA informou que mais uma vez que o levantamento do somatório de lavouras de soja norte-americanas em condições julgadas boas ou excelentes permaneceu o mesmo da semana anterior, ou seja, fixou-se em 64 %. Se este não é um dado negativo, tampouco é positivo. E a esta altura os analistas têm duas perguntas a serem respondidas na sexta-feira. Quais serão os números do USDA no último dia desta semana útil e qual será a reação do mercado a tais números?
Tags:
Fonte: SojaNet

Nenhum comentário