Soja: Clima mais seco no Brasil dá sustentação ao mercado que fecha com forte alta nesta terça-feira na CBOT

Publicado em 06/10/2010 07:23
691 exibições
Forte demanda chinesa, preocupação com a estiagem em Mato Grosso e outros fatores ensejam alta das cotações futuras de soja, em Chicago.
Clique aqui para ampliar!

Comentário:

Nesta terça-feira, cinco de outubro de 2010, as cotações futuras de soja relativas aos três primeiros vencimentos fecharam com ganhos expressivos, na Bolsa Mercantil de Chicago (CME), conforme a tabela acima. O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) anunciou a venda para a China de 225.000 toneladas de soja em grão norte-americana por firma privada.

O avanço das cotações de soja nesta data foi atribuído à fraqueza do Dólar dos EUA perante o Euro e outras moedas fortes, aos notáveis ganhos futuros do ouro e de outros metais preciosos, à valorização acentuada dos preços futuros de petróleo em recentes sessões futuras na Bolsa Mercantil de Nova Iorque (NYMEX) e à firme e continuada demanda chinesa por soja norte-americana.

Há também rumores (e não propriamente relatos) no sentido de que as produtividades médias em algumas regiões norte-americanas produtoras da oleaginosa estariam abaixo do esperado, na medida em que a colheita de soja avança. Por sua vez, notícias relativas à continuidade da estiagem no Mato Grosso e, de forma menos dramática, também no Mato Grosso do Sul, estão motivando traders a adicionar prêmios de risco climático às cotações futuras de soja, em Chicago. E circulam comentários de que na China as produtividades de milho e de soja estariam abaixo do anteriormente previsto. Se confirmados tais comentários, a intensa demanda chinesa por soja poderá tender a aumentar ainda mais.

A situação referente à umidade dos solos nas regiões de sojicultura do Norte do Centro-Oeste do Brasil está sendo acompanhada com grande interesse de parte de traders e de analistas de Chicago. A firma norte-americana de meteorologia - Telvent - informou nesta data que as mencionadas regiões estarão sujeitas a condições de intenso calor e de intensa seca, ao longo dos próximos sete dias.

A Telvent esclareceu ainda que essas condições adversas poderão fazer evaporar a reduzida umidade resultante de esparsas e escassas chuvas recentes. Com respeito às regiões de sojicultura ao sul do Mato Grosso do Sul, a previsão é de que ocorrerão precipitações pluviométricas suficientes para manter em nível adequado o estoque de umidade nos solos das lavouras de soja lá situadas.

Os traders de Chicago aguardam com grande interesse o importante Relatório de Oferta e de Demanda Agrícolas Mundiais (WASDE) - o relatório de outubro - a ser divulgado pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) em oito de outubro corrente, sexta-feira próxima.
Tags:
Fonte: SojaNet

Nenhum comentário