Um índice para o agro, por Amilcar Centeno

Publicado em 14/01/2013 17:28 e atualizado em 15/01/2013 11:58
814 exibições
Amilcar Centeno - Páginas Internas
As modernas técnicas de gestão sugerem que se estabeleçam índices que permitam monitorar constantemente se os negócios estão evoluindo na direção e na velocidade certas. É como dispor de um painel no carro que se dirige. Imagine como seria sem ele!

Na indústria esta é uma prática corrente há muitos anos, principalmente após a introdução das modernas técnicas de gestão. Já na agricultura, normalmente nos restringimos a poucos e limitados indicadores, como a produtividade ou o lucro sobre as despesas correntes. Nenhum destes índices é capaz de identificar com precisão se os negócios vão bem ou se estamos colhendo prejuízos.
Não é difícil imaginar que é possível alcançarmos altos índices de produtividade sem que isto se reflita proporcionalmente nos lucros da atividade. 

Também não é difícil imaginar que se possa ter um mau negócio mesmo cobrindo os custos correntes da lavoura. Afinal um bom negócio exige muito mais do que isto.

Nenhum índice é perfeito e completo, porém hoje os gestores e analistas de negócios desenvolveram uma ampla variedade de indicadores que permitem avaliar e gerenciar odesempenho dos empreendimentos com muito mais clareza e eficiência.
Um dos índices mais utilizados, e que parece se aplicar muito bem à atividade agrícola, é o Retorno Sobre os Ativos (RSA), definido como:

                                          Lucros líquidos
                                                ______________
Retorno Sobre os Ativos = 
                                                       Ativos

O RSA mede a eficiência na alocação dos recursos da empresa. Indica quanto a empresa gera de lucro para cada R$ 100,00 investidos no negócio. Ou, em outras palavras, quanto a empresa aloca de recursos para produzir um determinado lucro.
Uma forma prática de entender este índice é imaginar a seguinte situação: caso hoje eu vendesse todos os investimentos que fiz em meu negócio (ativos) e colocasse este dinheiro numa aplicação financeira a juros correntes, isto me renderia um lucro maior ou menor que o meu negócio atual? Isto certamente já passou pela cabeça de muitos agricultores, principalmente naqueles anos mais difíceis para os negócios.
Caso a resposta para esta pergunta indique que temos um negócio em mão menos interessante do que uma simples aplicação financeira, não precisamos necessariamente vender tudo e ir para a praia. Mas certamente isto indica que precisamos tomar alguma medida para melhorar nosso negócio, seja reduzir ativos pouco produtivos, seja reduzir custos ou melhorar nossa rentabilidade.
Na agricultura o RSA também adquire um segundo significado muito importante, ligado à tão discutida sustentabilidade. Afinal, o quanto utilizamos não só de nossos recursos financeiros, mas também dos recursos naturais do planeta, para produzir os resultados de nossos negócios? Quanto mais eficiente formos ao usar estes recursos, menor será o impacto de nossa atividade sobre o meio ambiente. Isto se torna ainda mais relevante quando se constata que o principal ativo da agricultura é a terra, que pode responder por mais de 50% dos ativos totais de uma propriedade rural.
Talvez o Retorno Sobre os Ativos não seja o índice de sua preferência, mas é fundamental adotar indicadores adequados para orientar nossa gestão e nossas ações. Caso contrário será muito difícil nos convencermos ou convencermos aos outros de que nosso negócio é um bom negócio.

Sem dúvida não podemos menosprezar o fato de que a agricultura não é apenas um negócio, mas também uma arte e um estilo de vida. Poucos agricultores se sentiriam a vontade em vender todo o seu patrimônio e viver de rendimentos financeiros e em férias permanentes!
Por fim, é preciso afinar ao máximo a gestão dos negócios, para que não sejamos forçados a mudar este estilo de vida!

PENSE NISSO!
Tags:
Fonte 100teno Estratégia Planejamento

Nenhum comentário