EUA 2013: Direto do meio-oeste, por Amilcar Centeno

Publicado em 04/09/2013 09:27 e atualizado em 04/09/2013 15:53
3144 exibições

Amilcar Centeno Novo - Páginas InternasNa última semana estivemos em Decatur, Illinois, no centro do Meio-Oeste dos Estados Unidos. Viemos até aqui para participarmos do Farm Progress Show 2013. Apesar das muitas novidades apresentadas na feira, o melhor (ou o prior) da viagem está sendo a oportunidade de observar de perto o que se passa neste momento crítico para a safra norte-americana.

A feira acontece na semana seguinte ao tradicional Midwest Crop Tour, quando cerca de 2.600 lavouras foram visitadas ao longo de 4 dias por mais de 100 inspetores, entre agricultores, técnicos e reporteres especializados, de modo que este é um excelente momento para colher as opiniões e análises sobre os resultados do tour, publicados na última sexta-feira.

O relatório do Crop Tour apresentou uma estmativa para safra ainda menor do que a última previsão do USDA, publicada em 12 de agosto e no qual a safra de soja, pela terceira vez consecutiva este ano, havia sido reduzida da previsão inicial de 106 milhões de toneladas para 88,6 milhões de toneladas, uma redução de 16,5%. De acordo com as avaliações do Crop Tour, esta previsão deverá ser novamente reduzida no próximo relatório do USDA, a ser publicado em 12 de setembro, colocando a safra norte-americana de soja entre85 e 86 milhões de toneladas.

Por outro lado, quando se observa as lavouras aqui do Meio Oeste, ou quando se conversa com os produtores locais, geralmente as expectativas são ainda mais pessimistas, e muitos criticam os números do USDA e do próprio Crop Tour como sendo exageradamente otimistas.
Após um grande atraso no plantio, causado por um outono frio e chuvoso, um mês de julho muito frio (20º mais frio da história) e agora uma onda de calor e pouca chuva, as condições das lavouras são extremamente variadas e, por consequência, são também muito variadas as opiniões dos produtores e analistas.

É possível encontrar produtores que ainda estão otimistas com o milho, enquanto outros já estão consultando seus corretores de seguro. Porém, quando se referem à soja, a grande maioria está bastante pessimista.

Veja alguns dos comentários de produtores ao longo deste ultimos dia:

- O milho está granando e parece em boas condições, porém a soja está muito pior do que o milho, e não vão ter aquela camada superior de vagens. A produtividade será sem dúvida muito menor.

- Fui ao campo para ver como o calor estava impactando minha minha soja e os resultados não foram nada bons. Cada planta tinha apenas de 3 a 10 vagens, e cada vagem tinha apenas 1 ou 2 grãos. Acho que vai ser a pior soja que eu já colhi!

- A soja plantada no final de junho tem poucas vagens, e muitas destas vagens estão chatas, sem grãos, Acho que vamos precisar de um novo Crop Tour em poucas semanas, pois a produtividade estará muito abaixo do que eles previram. Estas plantas não podem sofrer este calor por mais duas semanas sem que percam quase toda a sua produtividade.
 

- Acho que minha soja está com sérios problemas. Caso chova esta semana na minha lavoura ainda vamos ter uma florada, mas existe poucas chances destas flores produzirem vagens. As vagens que já foram produzidas estão achatadas e têm de 2 a 3 grãos, e são menos do que 800 vagens por metro. Esta é uma condição muito parecida com aquela do ano passado, quando produzi em média 22 sacos por hectare.

- Quer cozinhar um milho? Vá até o meio de sua lavoura! Não precisa nem levar água quente, pois já vai estar mais de 35 graus por lá!

- Na minha região já não chove há semanas. Há vários dias as temperaturas estão na faixa de 35ºC a 38ºC e as previsões são de que a falta de chuvas e o calor ainda vão perdurar até a quarta semana de setembro. Vais ser pior que o ano passado, pois as lavouras plantadas mais tarde estão pouco desenvovidas e muito mais vulneráveis.

- Pode craver o garfo! Jé estamos todos mortos!

Uma observação muito importante do Midwest Crop Tour é de que a soja está bastante atrasada no seu desenvolvimento. No estado de Iowa, o maior produtor de milho e soja, os técnicos estimaram que o desenvolvimento das plantas de soja está cerca de 9% atrasado em comparação com a média dos últimos tres anos. Outras fontes informam atrasos de até 6 semanas em relação a média dos útlimos ano.

Para se ter uma idéia do tamanho deste atraso, os técnicos do Crop Tour mencionaram que no ano passado alguns agricultores já estavam colhendo quando visitaram as lavouras nesta mesma semana do ano. Este ano não foi possível observar uma única colheitadeira no campo.Além disso, as tradicionais demonstrações de campo das colheitadeira no Farm Progress Show foram suspensas, por absoluta falta do que colher.

Este atraso está causando grandes preocupações, e as consequentes especulações, em relação ao risco das lavouras serem afetadas por uma geada precoce, o que às vezes ocorre no final de setembro ou início de outubro. Meteorologistas comentam que o clima deste ano, com um outono frio e umido, seguido por um verão frio (como foi o mês de julho), segue o mesmo padrão de outros anos em que ocorreram estas geadas precoces, com grandes perdas na produtividade das lavouras.

Tudo indica que a soja norte-americana esté perdendo o jogo para o clima, mas o placar só vai ser decidido no último minuto do segundo tempo!

PENSE NISSO!

Tags:
Fonte: Centeno Consultoria Empresarial

4 comentários

  • salvador reis neto Santa Tereza do Oeste - PR

    digo: se não temos soja para vender

    0
  • salvador reis neto Santa Tereza do Oeste - PR

    so nos resta termos mais sorte com o clima do que os qringos!!! não adianta termos preços se temos produto para vender.

    0
  • WOLMAR FRIES Antônio Prado - RS

    É, Thomas Malthus tinha mesmo razão. A população mundial está crescendo mais do que a produção de alimentos. Conclusão, haverá mais fome.

    0
  • carlo meloni sao paulo - SP

    QUERO DEIXAR UM ---MUITO OBRIGADO---AO CETENO

    SOLDADO DA NOSSA TROPA.

    0