Glifosato: Tendência altista na China, memória fraca e a oportunidade para a indústria nacional

Publicado em 15/03/2013 15:15
2486 exibições
Por Eduardo Lima Porto, analista do mercado de insumos.
Em dezembro de 2012, emitimos um alerta sobre a perspectiva de alta nos preços do Glifosato para 2013, partindo de uma análise detalhada sobre o comportamento da oferta na China, que é o principal fornecedor mundial dessa molécula.

Na ocasião, algumas indústrias e entidades representativas se manifestaram no sentido oposto e buscaram tranqüilizar o mercado, indicando que a situação no fornecimento de Glifosato era de estabilidade.

A crença de que haveria uma forte valorização nos preços do Glifosato se basearam na oscilação ocorrida em 2012, principalmente nos últimos meses do ano.

O Glifosato Técnico 95% (matéria prima para o produto formulado que é vendido aos agricultores) iniciou o ano de 2012 na China com preços médios de exportação na faixa de US$ 4,05/kg a US$ 4,15/kg, tendo chegado ao pico de US$ 5,97/kg em setembro e se estabilizando ao redor de US$ 5,90/kg no final de dezembro. 

Uma variação nominal no transcurso do ano de 45%.

Importante destacar que os valores acima repercutem diretamente nos custos da indústria formuladora de Glifosato, os quais, naturalmente, são repassados ao consumidor final.

Com essa curva de valorização, considerando que o mercado doméstico de produtos formulados pode levar até 120 dias para refletir os custos internacionais, era possível prever em dezembro/2012 que os preços em 2013 estariam bem mais altos.

Chamamos a atenção para o fato de que essa percepção se tornaria mais acentuada para os produtores do Centro-Oeste que costumam fechar seus pacotes de insumos nos primeiros meses do ano.

Informações recebidas da China indicam que os preços continuam firmes e em trajetória ascendente com uma perspectiva de oferta bastante apertada.

Um dos motivos seria a aplicação de uma política mais rígida de controle ambiental instituída pelo novo governo, a qual estaria focada na fiscalização rigorosa de indústrias químicas localizadas nas Províncias de Jiangsu, Zhejiang e Shandong onde se localizam muitas empresas de agroquímicos.

Existe uma grande possibilidade de que dezenas de fábricas de Glifosato Técnico venham a ser fechadas, principalmente aquelas que utilizam a rota química da Glicina, considerada a mais poluente. Se esse cenário se confirmar, a disponibilidade ficará concentrada em poucos fornecedores, basicamente os de maior porte e que utilizam processos mais modernos.

Fala-se que os preços da Atrazina também aumentarão em função do incremento na procura da Isopropilamina - IPA, um dos produtos químicos intermediários que faz parte das formulações de Glifosato mais recentes.

É possível que essa situação não fique restrita apenas ao Glifosato, já que vários outros Agrotóxicos poderão ser afetados pelas novas regras ambientais.

Os exportadores chineses não estariam aceitando contratos para embarque após a metade de Abril, pois os rumores de que os preços do Glifosato irão disparar são bastante fortes.

Em dezembro/2012, já apontávamos valores prováveis para o Glifosato Formulado (480g/lt) entre R$ 9,50 a R$ 11,00/litro durante os meses de Fevereiro e Março/2013.

Com a possível diminuição da oferta lá na China, é realmente difícil prever o comportamento dos preços do Glifosato para o ano de 2013.

É importante que os agricultores e cooperativas fiquem muito atentos aos fundamentos do mercado de agroquímicos, pois eles impactarão significativamente na lucratividade da safra.

Na mesma esteira, chamamos a atenção das entidades que representam os agricultores para que acompanhem de perto essa questão.

Infelizmente, muita gente tem a memória "fraca" no Brasil e se esquecem com enorme facilidade de situações ocorridas em nossa história recente.

Em 2010, a Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) fixou um preço mínimo de USD 3,60/kg para a entrada do Glifosato Técnico proveniente da China. Houve uma forte pressão da Monsanto e principalmente do então Governador da Bahia - Jacques Wagner do PT, no sentido de proteger os interesses da empresa que possui uma planta industrial em Camaçari.

Falou-se muito dos empregos, do investimento na industria nacional, entre outros argumentos que foram utilizados pelo Lobby para barrar o ingresso do produto chinês a um custo mais baixo.

A Monsanto chegou a declarar que se fossem permitidas às importações no nível de preços que os chineses praticavam na época, haveria um enorme prejuízo e que a sua fábrica seria fechada.

Desde o início do governo Lula que a Monsanto vem obtendo grandes benefícios junto a CAMEX. Por anos vigorou uma tarifa antidumping de 35,8% sobre o Glifosato Chinês, a qual veio a ser reduzida para 2,1% por um breve período que antecedeu a concessão da proteção comercial vigente que estabeleceu um preço mínimo de US$ 3,60/kg.

Durante mais de 10 anos, de maneira muito questionável, os técnicos do Governo entenderam que deviam atender aos pleitos da Monsanto do Brasil em relação ao Glifosato.

Compulsoriamente, os Agricultores Brasileiros tiveram que pagar preços bem mais altos do que os vizinhos do Mercosul.

Num cenário em que os preços internacionais do Glifosato Técnico podem superar os USD 6,00/kg, será uma excelente oportunidade para que a Monsanto do Brasil demonstre o seu compromisso com a Agricultura Brasileira, abastecendo integralmente a demanda nacional e, fundamentalmente, mantendo os preços desse insumo estratégico na faixa de USD 3,60/kg.

Afinal de contas, foi esse o patamar que a empresa exigiu e ganhou do Governo em 2010 para manter a sua fábrica em funcionamento na Bahia, quando os preços chineses situavam-se em USD 2,70/kg.

De lá para cá, as matérias primas que integram a composição do Glifosato não tiveram grandes variações de preço.

Portanto, eventuais alegações que venham a justificar preços mais altos com base no aumento dos custos industriais serão improcedentes e facilmente rebatidas. A desculpa terá que ser outra.
Tags:
Fonte: Eduardo Lima Porto

1 comentário

  • João Biermann Tapera - RS

    É o que podemos esperar, essa safra ainda terá renda, as próximas serão aqueles Deus nos acuda que já vimos antes. Nosso governo é tenebroso.

    0