Previsão do Tempo: Chuvas fortes e irregulares marcam esta semana

Publicado em 09/01/2017 14:57 e atualizado em 09/01/2017 19:26
9564 exibições

* A passagem de um sistema de baixa pressão sobre a região Sul irá manter o tempo bastante instável sobre a região, onde desde a madrugada dessa segunda-feira já provoca chuvas sobre grande parte do Rio Grande do Sul e esse sistema também irá provocar chuvas sobre Santa Catarina e Paraná ao longo do dia. E essas chuvas já começam a atrapalhar o pleno andamento das atividades de campo, bem como o desenvolvimento das lavouras, já que os vários dias consecutivos com chuvas e consequentemente tempo nublado afeta o crescimento das plantas, além do enchimento dos grãos. E esse tempo fechado e chuvoso deverá se manter inalterado ao longo de toda a semana. Agravando ainda mais as condições de desenvolvimento das lavouras, ocasionando condições ideais a proliferação de doenças.

 * Há previsão de chuvas também sobre as regiões produtoras de Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e partes de Goiás para essa segunda-feira, contudo, como já vem ocorrendo costumeiramente, essas chuvas virão na forma de pancadas irregulares. Bom para aqueles produtores que estão em plena atividade de colheita da soja e plantio do algodão e milho safrinha. Mas preocupante para aqueles produtores que estão com suas lavouras em fase de desenvolvimento. E ao longo da semana novas pancadas de chuvas continuarão a ser observada sobre todo o Centro-oeste. E como continuará sendo na forma de pancadas irregulares não haverá transtornos à colheita, mas para as áreas em fase de desenvolvimento, esse padrão meteorológico poderá trazer alguns prejuízos. Até porque as temperaturas continuarão bastante elevadas ao longo da semana, mantendo elevada as taxas de evapotranspiração.

  * Na região do Matopiba, a semana começará com tempo aberto, sem previsões para chuvas generalizadas e muito calor. Somente no final da semana é que as chuvas deverão retornar à região de forma mais generalizadas e até mesmo em bons volumes. Porém, em áreas produtoras do Pará, norte do Tocantins e do Maranhão há a possibilidade de que eventuais pancadas de chuvas venham a ocorrer nesse início de semana. E esse padrão meteorológico poderá trazer alguns prejuízos muito pontuais aos índices de produtividade das plantas, uma vez que há lavouras que estão a mais de 17 dias sem receber uma só gota de chuva. E como só volta a chover bem no final dessa semana, novas perdas pontuais poderão vir a ocorrer. O mesmo está sendo observada em áreas de Goiás e de Minas Gerais.

Leia também:

>> Cadê a chuva do verão?, por Josélia Pegorim

 * No Sudeste, a semana será marcada novamente, pelas pancadas de chuvas. Todos os dias há previsão de chuvas sobre as regiões produtoras de São Paulo e da metade sul de Minas Gerais, porém, continuarão sendo somente na forma de pancadas irregulares, como vem ocorrendo nessa manhã de segunda-feira, onde há registros de chuvas sobre a região de Franca e de Dracena. E a associação de calor com áreas de instabilidade irá manter o tempo instável e com possibilidade de pancadas de chuvas típicas de verão ao longo de toda a semana. Tais condições meteorológicas beneficiarão lavouras em toda essas regiões, mas poderá trazer certos transtornos, uma vez que muitas dessas pancadas poderão vir na forma de tempestades.   

Figura 3

Figura 4

Análise das condições do tempo na última semana: Chuva irregular no Brasil

* A primeira semana do ano foi novamente marcada pelas chuvas irregulares em, praticamente todo o Brasil. Voltou a chover em várias regiões produtoras que até então vinham apresentando longos períodos de estiagem. Esse retorno das chuvas possibilitou a retomada das boas condições ao desenvolvimento das lavouras. Porém, algumas áreas apresentam reduções nos potenciais produtivos das lavouras, por conta da estiagem prolongada que associada ao forte calor do período, acelerou a redução dos níveis de água no solo, levando as plantas ao estresse hídrico.

* E mesmo com a ocorrência de chuvas irregulares, as condições se mantiveram favoráveis a proliferação de doenças, que mantém o produtor em alerta a essa questão. Apesar da ocorrência dessas chuvas, os trabalhos de colheita e tratos culturais não foram prejudicados.  

Figura 1

Figura 2

Chuva atrapalha desenvolvimento das lavouras no Sul

Nesta segunda-feira (9), a passagem de um sistema de baixa pressão sobre a região Sul irá manter o tempo bastante instável sobre a região. Este sistema também irá provocar chuvas sobre Santa Catarina e Paraná ao longo do dia e começa a atrapalhar o pleno andamento das atividades de campo, bem como o desenvolvimento das lavouras. Dias consecutivos de chuva e céu nublado afetam o crescimento das plantas, além do enchimento dos grãos.
 
Os produtores devem estar atentos, pois a tendência é que o tempo mais fechado continue ao longo da semana agravando as condições de desenvolvimento das lavouras, ocasionando condições ideais a proliferação de doenças.
 
Os modelos indicam chuva irregular em forma de pancadas também sobre as regiões produtoras de Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e parte de Goiás o que beneficia a atividade de colheita da soja, plantio do algodão e milho safrinha. Por outro lado, as lavouras em fase de desenvolvimento preocupam os produtores. Ao longo da semana ocorrem pancadas de chuva sempre de forma irregular sobre o Centro-Oeste sem causar transtornos a colheita, analisa o agrometeorologista da Climatempo, Marco Antônio Santos.

Na região do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, a semana começará com tempo aberto, sem previsões para chuvas generalizadas e muito calor. Somente no final da semana é que as chuvas deverão retornar à região de forma mais generalizadas e até mesmo em bons volumes. Porém, em áreas produtoras do Pará, norte do Tocantins e do Maranhão, há a possibilidade de que eventuais pancadas de chuvas venham a ocorrer nesse início de semana.
Eete padrão meteorológico poderá trazer alguns prejuízos muito pontuais aos índices de produtividade das plantas, uma vez que há lavouras que estão a mais de 17 dias sem receber uma só gota de chuva. E como só volta a chover bem no final dessa semana, novas perdas pontuais poderão vir a ocorrer. O mesmo está sendo observada em áreas de Goiás e de Minas Gerais, alerta Santos.
 
No Sudeste, a semana será marcada novamente, pelas pancadas de chuvas. Todos os dias há previsão de chuvas sobre as regiões produtoras de São Paulo e da metade sul de Minas Gerais, porém, continuarão sendo somente na forma de pancadas irregulares. Calor e áreas de instabilidade vão manter o tempo instável e com possibilidade de pancadas de chuvas típicas de verão ao longo de toda a semana o que vai ajudar as lavouras, mas poderá trazer certos transtornos, uma vez que muitas dessas pancadas poderão vir na forma de tempestades.   

No Estadão: Nordeste enfrenta maior seca em 100 anos

Valdecir João da Silva, de 53 anos, conta os cadáveres do seu pequeno rebanho que não resistiu à fome, à falta de água e às doenças causadas pela desnutrição. Em uma área afastada da pequena casa onde vive com a família, ele juntou 12 animais mortos ao longo dos últimos meses. De alguns, restam os ossos. De outros, mais recentes, os corpos inchados. “Morreram de fome”, resume ele, que prefere deixá-los aos urubus a enterrá-los. Ele tenta salvar os 20 animais que restam com mandacaru, a planta símbolo do Nordeste. “Ração não dá para comprar, pois está muito cara. O saco de milho que custava R$ 18 há dois anos hoje sai por R$ 65.”

No sertão de Petrolina, quinta maior cidade de Pernambuco, não choveu por 11 meses. Em meados de dezembro, caiu uma chuva forte, mas logo parou. O receio dos sertanejos do semiárido é de que se repita o ocorrido em janeiro passado, quando a chuva veio forte, “sangrou” açudes, mas durou só duas semanas.

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão.

Tags:
Fonte: Climatempo

0 comentário