Após onda de calor, frente fria deve derrubar temperatura em São Paulo

Publicado em 19/10/2014 19:47 e atualizado em 20/10/2014 21:14 129 exibições
na Folha de S. Paulo

Dois dias após passar pela maior temperatura já registrada em sua história, São Paulo voltou a apresentar calor intenso, com pico de 35,8°C às 16h deste domingo (19), que deve marcar o fim da atual onda de calor. Essa foi a 12ª marca mais acentuada já cravada pela estação meteorológica do mirante de Santana, que tem 71 anos.

O clima deve começar a se atenuar nesta segunda-feira (20), porém, com uma queda de temperatura estimada em 10 graus, segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). Uma área de chuva forte já está no sul e no sudoeste do Estado e deve atingir a cidade no fim da tarde para a noite.

"O que aconteceu no domingo ainda foi resultado dessa intensa área de alta pressão atmosférica que foi se intensificando ao longo dos dias aqui", explica o meteorologista Marcelo Schneider, do Inmet. "É um bloqueio que impede a chegada de frentes frias e a do ar úmido na Amazônia."

A dispersão da bolha de calor deve começar até o fim do dia, e no início da noite é provável que São Paulo já tenha chuva. As chuvas devem seguir depois para o norte, diz Schneider, e na quarta-feira a formação atmosférica que causa chuva aqui já deverá estar no sul de Minas. Não deverá ocorrer chuva em quantidade suficiente para melhorar a situação dos reservatórios do Sistema Cantareira, que está em 3,6% de sua capacidade, diz o Inmet.

Chuva com vendaval derruba árvores e provoca estragos em Curitiba

A Defesa Civil municipal de Curitiba (PR) registrou 12 quedas de árvores e três destelhamentos provocados por um temporal na tarde deste domingo (19).

A chuva começou por volta das 14h e continuou durante toda a tarde. Não há registro de feridos nem desabrigados.

Segundo informações da prefeitura, semáforos pararam de funcionar nos bairros Rebouças, Água Verde e no centro. Na rua João Bley Filgo, na Linha Verde, um poste caiu e interditou a pista.

A ventania chegou a atingir 60 km/h. Até o início da noite, choveu 24 milímetros na cidade.

Na sexta-feira (17), um temporal provocou estragos em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba.

Segundo a Defesa Civil Estadual, 3.600 casas foram danificadas e 110 mil pessoas foram afetadas. Desse total, 45 ficaram desabrigadas e 100 desalojadas na sexta-feira, mas, já no fim de semana, conseguiram abrigo na casa de parentes, amigos ou puderam voltar para suas casas.

O caso mais grave ocorreu na antiga sede do Hospital Nossa Senhora do Rocio, onde 400 pacientes tiveram de ser transferidos com urgência para a nova sede, que foi inaugurada recentemente.

A chuva de 20 minutos, acompanhada de granizo, estragou a cobertura do local, permitindo que a água entrasse no edifício.

Outras sete unidades de saúde foram danificadas pelo temporal.

O prefeito Affonso Portugal Guimarães (PT) prepara o decreto de situação de emergência. O documento deve ser assinado no início da semana. 

Tags:
Fonte:
Folha de S. Paulo

0 comentário