Fala Produtor

  • Waldir Sversutti Maringá - PR 23/02/2007 23:00

    O conteúdo da matéria “ Clima: La Niña pode acelerar alta dos preços de grãos” da (Dow Jones) está equivocado. Penso que tem que ser questionado para não provocar confusão de interpretação e prejuízos.<br />

    <br />

    Diz mais a reportagem: “ A perspectiva de ocorrência do La Niña no verão norte-americano poderá puxar ainda mais os preços dos grãos nos próximos meses. O evento climático deverá resultar em clima mais seco, a partir de junho” (2007 ?) <br />

    <br />

    Está errado. O jornalista que escreveu essa matéria, da Dow Jones, está pirado.<br />

    <br />

    Quem provoca clima seco no verão dos Estados Unidos, desfavorável ao plantio de grãos é o El Niño, que ocorre realmente a partir de Junho, mas o ano dele voltar é 2.008 e não em 2.007. Neste ano, mesmo que ocorra o La Niña, como diz a reportagem, ela não provocará clima seco e sim um ano muito chuvoso, logo, muito produtivo. Se houver migração maior para o plantio de milho, mesmo com produção elevada, ai sim, a soja deles poderá ser menor, na colheita deste setembro/outubro próximo, e puxar ainda mais os preços nos EE.UU.<br />

    <br />

    Outra possibilidade do preço da soja subir mais ainda este ano, e permanecer com preços sustentados, até a seca de 2008 chegar, é a possibilidade de que os americanos já tenham se tocados, com o que acontece com a produção de soja deles nos anos em que o EL NIÑO se repete (plantio de 2008 – junho em diante ) e começarem a prevenir-se no mercado, pois o preço do bushel neste 2.008, provavelmente ultrapassará os US$ 12,00, contra o máximo de US$ 10,55 atingido apenas 3 vezes, nos últimos 33 anos, o último em 2.003, ano em que muita gente deixou de vender a R$ 54,00 a saca para vendê-la depois a R$ 27,00.<br />

    <br />

    Waldir Sversutti - [email protected] <br />

    Maringá – Pr<br />

    0
  • Ivo Kovalski Zaluski Três de Maio - RS 21/02/2007 23:00

    Amigos do Noticias Agricolas<br />

    <br />

    Inicia-se uma super safra e o sistema monetário usurpa a renda do agricultor. O valor do dolar é irreal. Só para se ter uma idéia de quanto usurpam o produtor através da politica monetária, citamos o exemplo da variação do dolar durante o periodo do Plano Real. Em julho/94 o Dolar estava cotado em R$ 0,93 (centavos de real) Aplicado o IGP-M sobre esse valor, hoje o dolar estaria em R$ 3,39 (três reais e trinta e nove centavos). Isso nos dá uma ideia de quanto somos espoliados! Mas tem mais, aqui na região do alto urugui RS, estamos nos últimos 2 anos, recebendo preços pelo soja em valores abaixo de mercado. Hoje, por exemplo, 22/02/07, o preço é de R$ 27,40 por saca. Outras regiões do país, os valores são maiores. Aqui sempre valeu mais que no centro oeste do país. PORQUE, HOJE, AQUI, PAGAM PREÇO MENOR? Se alguem puder me responder, estou no aguardo. Mas parece que nao é só governo que tira do produtor! Um abraço!

    0
  • Guilherme Frederico Lamb Assis - SP 20/02/2007 23:00

    Novamente o sensacionalismo afeta o setor agropecu&aacute;rio, mal o setor esbo&ccedil;a uma rea&ccedil;&atilde;o a grave crise vivida &agrave; anos por custos altos desproporcionais a realidade do contexto, pol&iacute;ticas econ&ocirc;micas e agr&aacute;rias absurdas, falta de infra-estrutura e outros fatores que tem afetado todo setor produtivo nacional, novamente a ind&uacute;strias de insumos vendo o mercado apontar um panorama positivo, imediatamente come&ccedil;ou a elevar os pre&ccedil;os de insumos como fertilizantes que subiram 15% nos &uacute;ltimos dias. N&atilde;o s&oacute; fertilizantes, sementes e agro qu&iacute;micos j&aacute; est&atilde;o sofrendo reajuste desproporcional. As ind&uacute;strias alegam oferta e demanda, uma alega&ccedil;&atilde;o um tanto estranha para o fim de safra e inicio de safrinha em algumas regi&otilde;es, levando em conta que a safrinha &eacute; sempre de alt&iacute;ssimo risco para o produtor independente de cota&ccedil;&atilde;o dos commodities. Com a pol&iacute;tica cambia vigente, desvalorizando o d&oacute;lar frente ao real, n&atilde;o poderiam elevar pre&ccedil;os de insumos por esse motivo, alegar fatores mercadol&oacute;gicos de oferta e demanda, tamb&eacute;m n&atilde;o &eacute; uma desculpa plaus&iacute;vel, pois a safrinha n&atilde;o requer tantos insumos como a safra de ver&atilde;o. O que seria ent&atilde;o? &Eacute; s&oacute; os produtores &quot;amea&ccedil;arem&quot; se recuperar que os fornecedores de insumos agem implacavelmente ajustando pre&ccedil;os de forma desproporcional a realidade prejudicando novamente a recupera&ccedil;&atilde;o do setor que esta cambaleante?! Um absurdo, quando o d&oacute;lar sobe, eles reajustam pre&ccedil;os alegando alta dos pre&ccedil;os de mat&eacute;ria prima que &eacute; importada, mas quando o d&oacute;lar cai, esse reajuste quando acontece n&atilde;o segue as propor&ccedil;&otilde;es da queda da moeda americana. Tudo atenta contra o setor no Brasil... O que ser&aacute; de n&oacute;s?

    0
  • Ronaldo Zambianco Wenceslau Braz - PR 20/02/2007 23:00

    Bom dia caro amigo JO&Atilde;O BATISTA gostaria de saber ou ter uma posi&ccedil;&atilde;o sobre a comercializa&ccedil;&atilde;o do milho safra 2006/2007, pois s&atilde;o tantas as noticias que o agricultor fica meio perdido na hora de tomaram uma decis&atilde;o, na mesma hora que as noticias dizem que o Estados Unidos v&atilde;o alimentar a demanda pelo produto por isso o pre&ccedil;o tem a se manter aquecido e com grandes possibilidades de alta, vem uma nova noticia dizendo que o Brasil vai ter safra recorde e o pre&ccedil;o come&ccedil;a a cair desenfreadamente.

    0
  • Luis Vitório da Silva Gaucha do Norte - MT 20/02/2007 23:00

    Prezado Senhor Jo&atilde;o Batista Primeiro lugar quero parabenizar o Senhor, o Sr. Miguel e a Sra. Ana Am&eacute;lia, pelo excelente programa que vem fazendo e pelas oportunidades que est&atilde;o dando a todos da classe produtora para expor os seus desejos, tais como os meus, que s&atilde;o de que a Sra. Ana Am&eacute;lia contrate uma boa equipe de m&eacute;dicos e consulte o Sr. presidente Luis In&aacute;cio Lula da Silva para diagnosticar se ele tem problemas de vis&atilde;o ou de ouvido, que n&atilde;o enxerga e nem escuta esta equipe econ&ocirc;mica, com este miser&aacute;vel D&Oacute;LAR est&aacute; falindo com o setor produtivo, ou, se &eacute; por vontade de acabar com o Agroneg&oacute;cio... Ent&atilde;o nos avise, pois em depress&atilde;o j&aacute; estamos com faixa preta a tr&ecirc;s anos, e se n&atilde;o for nenhuma destas coisas, e for por incompet&ecirc;ncia mesmo, que pe&ccedil;a demiss&atilde;o logo, ou nos avise que iremos para a Argentina, pois l&aacute; tem presidente... Jo&atilde;o Batista, eu planto 600 ha de soja em terras pr&oacute;prias no ano de 2004 comprei um trator financiado pelo finame o qual na &eacute;poca custou R$140.000,00 + uns implementos no valor de R$50.000,00 e a soja aqui em nosso munic&iacute;pio se vendia a R$47,00 nesta data. Em 2005 vendemos a R$23,00 e em 2006 a R$14,00 e hoje a maior parte da soja fizemos contrato de U$ 9 a 10 d&oacute;lares, como vamos pagar parcelas de R$80.000,00 por cinco anos com um d&oacute;lar que na &eacute;poca do neg&oacute;cio estava a R$3,30 e hoje esta R$2,08? Como vamos manter nossos filhos na escola? E pagar as contas? Queremos a troca da equipe econ&ocirc;mica imediatamente antes de n&oacute;s falirmos junto com o PA&Iacute;S. Jo&atilde;o Batista voc&ecirc; sabe como se chama inferno do Agroneg&oacute;cio? Chama-se PT. Sr. Jo&atilde;o Batista &eacute; assim que o PAC deve ser chamado de MAT mate todos os agricultores que ainda sobrevivem Aqui em Ga&uacute;cha do Norte n&oacute;s colhemos bem, em 2006 com a m&eacute;dia de 63,8 saca por ha, e em 2007 se conseguimos colher da mais ainda. Mas de que adianta isto? De nada, nada, nada,...

    0
  • Mario Eduardo A. Binote Rio Brilhante - MS 20/02/2007 23:00

    Ola Jo&atilde;o Batista, o rep&oacute;rter rural mais bem informado do Brasil, como voc&ecirc;s est&atilde;o? Tudo bem? Fazia um bom tempo que eu n&atilde;o falava com voc&ecirc;, &eacute; que voc&ecirc;s vinham sempre esclarecendo as minhas d&uacute;vidas, bem at&eacute; hoje pelo menos quando eu li uma reportagem que fala mais ou menos o seguinte: Que al&eacute;m do problema dos juros (falado em menor import&acirc;ncia na reportagem), o Brasil estaria sendo v&iacute;tima da valoriza&ccedil;&atilde;o das commodities agr&iacute;colas e minerais, o que geraria excesso de saldo positivo da Balan&ccedil;a Comercial e aumento da oferta interna de d&oacute;lares. Isso acaba desvalorizando o d&oacute;lar, a reportagem tamb&eacute;m falava que o Balan&ccedil;o de pagamentos dos &uacute;ltimos 2 anos,entrou mais d&oacute;lares do que saiu, e empresas e os governos que vinham quitando suas d&iacute;vidas no exterior , voltaram a tomar novos empr&eacute;stimos , a mat&eacute;ria ainda fala que uma das medidas seria o governo desestimular o crescimento da d&iacute;vida privada externa , alem da redu&ccedil;&atilde;o do juro. Fonte: Alcides Domingues Leite Junior, DCI - Com&eacute;rcio, Ind&uacute;stria e Servi&ccedil;os. (eu li essa reportagem no site da UDOP.COM.BR no dia 16/02). E agora Jo&atilde;o? Por Favor, pergunte ao nosso amigo Dr Economista Super Bem Informado Miguel Daoud, para esclarecer melhor minhas d&uacute;vidas, ser&aacute; que al&eacute;m dos juros aqui nos ter&iacute;amos mais todos esses problemas? Se for..., os produtores rurais est&atilde;o ainda mais #@&amp;*!&amp;()&amp;*... . Fiquem todos voc&ecirc;s com Deus e que o Esp&iacute;rito Santo possa sempre iluminar a todos voc&ecirc;s para sempre trazerem informa&ccedil;&otilde;es para ajudar a classe mais sofrida e pisada desse pa&iacute;s ou uma das mais com certeza, os produtores rurais. (Que responsabilidade a de voc&ecirc;s, mas a nossa n&atilde;o &eacute; menor) Um Grande Abra&ccedil;o.

    0
  • Silvio Rafaeli Tapes - RS 15/02/2007 23:00

    Caro amigo Jo&atilde;o Batista, A lei 10.925 (isen&ccedil;&atilde;o PIS/COFINS) para produtos importados que foi criada para desonerar os insumos agr&iacute;colas, gra&ccedil;as a deus come&ccedil;ou a ser debatida. A lei &eacute; de fato boa para que pud&eacute;ssemos competir com igualdade de condi&ccedil;&otilde;es dentro do MERCOSUL, mas um determinado par&aacute;grafo nos deixou abertos tamb&eacute;m para que entrassem derivados do arroz sem a devida tributa&ccedil;&atilde;o. Assim, os grandes conglomerados do varejo mandam seus pacotinhos para os nossos mui amigos argentinos e uruguaios que lotam suas g&ocirc;ndolas com arroz na marca pr&oacute;pria fazendo grandes promo&ccedil;&otilde;es. N&atilde;o sabem eles que agindo assim est&atilde;o: terminando primeiramente com os produtores, depois com a pequena ind&uacute;stria, depois com a media, e finalmente chega a vez de grandes empresas. Aconteceu algo semelhante com o M&eacute;xico. Eram 26.000 produtores de arroz e hoje s&atilde;o por volta de 5.000. O mais grave no caso da semelhan&ccedil;a &eacute; que quem exporta hoje para o M&eacute;xico s&atilde;o os Estados Unidos. Os programas de incentivo para aumento de produ&ccedil;&atilde;o e aumento de consumo s&atilde;o muito parecidos e isso d&aacute; um medo muito grande. A noticia boa &eacute; que a lei vai ser debatida na abertura da colheita em S&atilde;o Gabriel/RS por gente que questiona com &ecirc;nfase e n&uacute;meros para provar o quanto essa lei ou determinado par&aacute;grafo tirou de empregos e renda do nosso sofrido povo riograndense e muito, mas muito brasileiro. Jo&atilde;o, espero que estejas presente, voc&ecirc; a Ana Am&eacute;lia e o Daoud, pois assim teremos porta vozes fi&eacute;is ao nosso trabalho. Que &eacute; colocar o arroz na mesa do brasileiro com cada vez mais qualidade. Grande abra&ccedil;o e desde j&aacute; muito obrigado.

    0
  • Virgilio Andrade Moreira Guaira - PR 15/02/2007 23:00

    N&atilde;o adianta asfaltar BR 163, nem subsidiar o &oacute;leo Diesel, nem fazer cambio diferenciado. A solu&ccedil;&atilde;o &eacute; o seguinte partir com uma ferrovia de Posto Gil/Diamantino at&eacute; o Porto de Porto Velho no Rio Madeira passando por Campo Novo dos Parecis Sapezal Comodoro Vilhena e etc. Tamb&eacute;m de Diamantino/Posto Gil segue outra ferrovia passando por Novo Mutum, Sorriso e indo at&eacute; Porto de Santar&eacute;m no Rio Tapajos/Amazonas. Dai outra ferrovia Parte tamb&eacute;m de Posto Gil/Diamantino e vai por baixo do Parque do Xingu e passa por Canarana, Quer&ecirc;ncia e vai paralelamente ao Rio Araguaia/Tocantins at&eacute; se ligar com a ferrovia Caraj&aacute;s j&aacute; no Par&aacute;. Para finalizar &eacute; s&oacute; interligar Diamantino/Posto Gil com a Ferroeste que est&aacute; vindo de Alto Taquari e talvez interligar a Ferrovia que passaria por Canarana com a Norte Sul que est&aacute; sendo constru&iacute;da. Parece complicado mas n&atilde;o &eacute; . &Eacute; a solu&ccedil;&atilde;o, pois vai dar maior pre&ccedil;o a todos os produtos agr&iacute;colas e madeiras sem exce&ccedil;&atilde;o e vai baixar o pre&ccedil;o do &Oacute;leo diesel, calc&aacute;rio, adubo e tudo mais. Sabe n&eacute;, quem paga o frete at&eacute; ao porto &eacute; o agricultor. &Eacute; s&oacute; ver quanto vale uma saca de soja em Ponta Grossa ou Ipiranga do Norte. Sauda&ccedil;&otilde;es Jo&atilde;o Olivi, Miguel Daoud e Ana Am&eacute;lia Lemos continuem assim, que vamos chegar l&aacute;.

    0
  • Miguel Barbeiro Junior Votuporanga - SP 14/02/2007 23:00

    Jo&atilde;o Batista, acompanho seu programa diariamente, portanto sei do seu interesse pelo desenvolvimento do Pa&iacute;s. Gostaria de ver veiculado em seu programa mat&eacute;ria relacionada ao abuso que ocorre nos frigor&iacute;ficos quanto ao peso de nosso rebanho. O pecuarista est&aacute; sendo roubado descaradamente, e ningu&eacute;m toma provid&ecirc;ncia. Antigamente se &quot;roubava&quot; de 10 a 12 kg por cabe&ccedil;a e n&oacute;s j&aacute; est&aacute;vamos acostumados. Agora o &quot;desfrute&quot; ficou maior, chegando a 20% do animal. Por favor acione sua equipe para providenciar tal mat&eacute;ria. Abra&ccedil;os Miguel Barbeiro Jr.

    0
  • Antonio Aparecido Morelatto Marilia - SP 14/02/2007 23:00

    Caro Jo&atilde;o Batista, antes de mais nada o meu reconhecimento quanto a sua pessoa e a seu programa que talvez seja o &uacute;nico que se prop&otilde;e a falar da situa&ccedil;&atilde;o dos agricultores deste pa&iacute;s com tamanha clareza e retid&atilde;o de pensamento que busca a defesa da agropecu&aacute;ria brasileira. Apesar de ser m&eacute;dico, de fam&iacute;lia tradicionalmente de cafeicultores aqui na regi&atilde;o do Oeste paulista (Gar&ccedil;a-SP), e do norte do Paran&aacute; em tempos passados sou declaradamente um apaixonado pela cultura, mas isso &eacute; s&oacute; para que voc&ecirc; tenha um pouco do meu perfil, pois o que quero dizer &eacute; da emo&ccedil;&atilde;o que voc&ecirc; passou para n&oacute;s ao entrar em defesa da classe pecuarista quando o governo em mais uma atitude (ou melhor, falta dela) deixa o produtor ser afetado de maneira significativa tanto na produ&ccedil;&atilde;o quanto no seu mercado devido a falta de vontade pol&iacute;tica de defender a classe produtora, Parab&eacute;ns Jo&atilde;o continue com esse prop&oacute;sito, assim como n&atilde;o podemos nos esquecer do Miguel Daoud que tamb&eacute;m tanto tem defendido de maneira geral quem trabalha nesse pa&iacute;s, sem mais, obrigado.

    0
  • Renato Ferreira Dourados - MS 14/02/2007 23:00

    A velha novela do C&Acirc;MBIO!!!! Caro colega M&aacute;rcio Giondo!!! &Eacute; sempre assim: plantamos com confian&ccedil;a, colocamos nosso patrim&ocirc;nio exposto ao sol, vento, chuva, politicas err&ocirc;neas, insensibilidade de irrespons&aacute;veis gestores de trag&eacute;dias cambiais, exporta&ccedil;&otilde;es, enfim etc.<br />Mas para nossa tristeza n&atilde;o &eacute; s&oacute;, na minna regi&atilde;o temos uma boa colheita, eu disse colheita, quanto ao escoamento a&iacute; &eacute; outro problema, (estradas p&eacute;ssimas).<br />Te pergunto: Ser&aacute; que vale a pena sofrer tanto, para vender barato, fazendo assim a pol&iacute;tica DELE que &eacute; nos escravisar para comprar voto com cestas b&aacute;sicas baratas!!!!

    0
  • Renato Ferreira Dourados - MS 14/02/2007 23:00

    BURRO DE CARGA!!!! À quem recorrer..!!!!<br />

    Ja faz 1 mês que estou indo semanalmente ao orgão que se possa dizer RESPONSÁVEL em arrumar as estradas de nossa região de Dourados MS, e para minha surpreza, me disseram que as maquinas eram poucas, e que faltam recursos (peças, salários de operadores de máquinas, etc) sendo que era necessário a ajuda financeira dos produtores rurais.<br />

    Estou cansado de ser burro de carga(FUNDERSUL:imposto criado para manter estradas trafegáveis) e de ser desmoralizado, mal tratado,(como contribuinte), O que faço, tenho soja para ser colhida, e honrar meus compromissos, como faço!!!!!

    0
  • Márcio Giondo Dianópolis - MS 14/02/2007 23:00

    Pelo terceiro ano consecutivo estamos vendo o c&acirc;mbio levar o lucro do produtor rural. Hoje estamos perdendo cerca de 5 a 10 por cento em rela&ccedil;&atilde;o ao valor do dolar -- da epoca da compra dos insumos comparado ao valor de hoje, na hora de comercializar a nossa produ&ccedil;&atilde;o.<br />S&oacute; posso acreditar que a nossa aritm&eacute;tica seja diferente da do lula e do guido mantega... ou ser&aacute; que quando eles foram para a escola (?!), a matematica que eles aprenderam era diferente da nossa??? Ou ser&aacute; que eles fugiram da aula no momento em que a professora estava explicando a materia?<br />Ou a ideia deles &eacute; acabar mesmo com o setor produtivo?

    0
  • César Bulhões Martins Aquidauana - SP 14/02/2007 23:00

    Ubatuba, 14 de fevereiro 2007. Jo&atilde;o Batista ocorreu um fato muito interessante comigo. Trabalhava numa fazenda chamada &ldquo;Brazil&rdquo; que era uma coisa de louco; pensa numa terra boa, de primeira qualidade, pH pr&oacute;ximo a 7.0, uma satura&ccedil;&atilde;o de base de 92%, terra roxa, enfim, uma barbaridade de bom. Eu era subordinado, fazia de tudo e tinha como meus superiores o capataz L. In&aacute;cio, o &ldquo;Barbudinho&rdquo;; o gerente da fazenda: Guido, que era chamado de&ldquo;Manteguinha&rdquo;; e o patr&atilde;o &ldquo;Jorge Bucha&rdquo;. Sempre pagavam no dia certo, mas toda vez descontava aproximadamente 45% do meu sal&aacute;rio. Um dia cheguei at&eacute; a perguntar ao Barbudinho, mas ele n&atilde;o sabia o porqu&ecirc;, e dizia que era o Manteguinha que mandava e sempre a mando do Jorge Bucha. Bom, mas deixa pra l&aacute;, isso n&atilde;o vem ao caso agora. Um certo dia eu tive uma extraordin&aacute;ria id&eacute;ia, agregar valor &agrave; fazenda do patr&atilde;o. Fui expor meus planos ao Barbudinho, mas ele disse que n&atilde;o sabia o que era &ldquo;agregar valor&rdquo; e mandou eu falar com Manteguinha; este por sua vez consultou o Jorge Bucha e juntos disseram para eu por em a&ccedil;&atilde;o minha grande id&eacute;ia. Consistia no seguinte: tirar da carceragem tr&ecirc;s presidi&aacute;rios e levar para fazenda; era uma medida s&oacute;cioeducativa e eu acreditava que teria grande &ecirc;xito. Pois bem, n&atilde;o estava errado, consegui trazer os tr&ecirc;s e entre eles trouxe tamb&eacute;m o Pedrinho, que era um menino que estava h&aacute; dois meses na Febem. Constru&iacute; um quarto para cada um, grandes e confort&aacute;veis, colch&otilde;es ortop&eacute;dicos e mantinha os len&ccedil;&oacute;is sempre bem limpinhos. Eles trabalhavam oito horas/ dia, produziam tranq&uuml;ilamente 68 sc/ h&aacute; de soja da melhor qualidade, nem ferrugem aparecia; al&eacute;m de porcos, aves, ovos, enfim, muita fartura e se alimentavam muito bem. Durante a semana uma professora da cidade pr&oacute;xima vinha no per&iacute;odo noturno ensin&aacute;-los, dessa forma aprenderam a ler e escrever. Um belo dia a &ldquo;casa caiu&rdquo; Jo&atilde;o Batista, chegou na fazenda o Conselho Tutelar; como Manteguinha nunca estava e o Bucha s&oacute; tinha aparecido por l&aacute; uma &uacute;nica vez, a turma do Conselho foi direto no Barbudinho, este como n&atilde;o era bobo, disse que n&atilde;o sabia de nada e jogou toda a culpa em cima de mim. O problema era que o Pedrinho tinha 15 anos e eu acabei sendo preso em flagrante por incentivo ao trabalho do menor. N&atilde;o precisa dizer mais nada, n&eacute;? Fiquei preso e todo meu trabalho jogado fora, sendo que nada aconteceu aos meus superiores. Fiquei sabendo ap&oacute;s alguns dias que Pedrinho estava fazendo barb&aacute;ries pelas ruas, tinha voltado ao crime e dessa vez bem pior, pois agora ele era letrado e extorquia novos &ldquo;Pedrinhos&rdquo;. Num certo domingo, eu recebi uma &uacute;nica visita em minha sela, entrou pelo corredor escuro e foi se aproximando de mim, quando chegou bem pertinho consegui identific&aacute;-lo...Era Pedrinho...Meus Deus do C&eacute;u!!! Sem compaix&atilde;o nenhuma puxou do bolso uma pistola e descarregou em mim. Gritei desesperadamente! Me matou?...?...? Que nada!!! O danado deu risada e me molhou todo. Tamb&eacute;m o que ele poderia fazer? &Eacute; s&oacute; uma criancinha de 15 anos brincando com uma pistola d&rsquo; &aacute;gua. Afinal, est&aacute; no estatuto: toda crian&ccedil;a tem direito de brincar! Por sorte acordei deste pesadelo todo suado e assustado em minha cama. Tudo na vida &eacute; um aprendizado. A&iacute; eu pergunto: ser&aacute; que daria certo levar a s&eacute;rio essa minha id&eacute;ia do sonho? Mas por favor, heim?! Sem crian&ccedil;as!!! Grande Abra&ccedil;o! C&eacute;sar Bulh&otilde;es Martins

    0
  • Jose Vilmar Costa sinop - MT 14/02/2007 23:00

    A situaçao na regiao de Ipiranga do Norte - Sorriso e Sinop, esta tao preocupante que ate as maquinas estao submergidas na agua - veja na imagem uma maquinas retro que se afundou na estrada em ipiranga do norte.<br />

    <br />

    http://www.oceleirodonorte.com.br/index.php?pg=noticias_ver&cod=7615

    0