Resultado da soja pressionado, mas ainda positivo, por Agroanalysis/FGV

Publicado em 20/08/2019 11:19
812 exibições
Uma análise aponta que, na média, para os produtores de Mato Grosso e do Paraná, o resultado da sojicultura tem diminuído ano a ano, mas será positivo na safra 2019/20.

logo agroanalysis final 2

Artigos veiculados na mídia nas últimas semanas indicam que o cenário para o produtor de soja foi muito ruim na safra passada (2018/19) e será pior na atual. Há relatos de produtores que tiveram prejuízo na safra que acabou e, diante do panorama desfavorável, estão reduzindo a compra de insumos para o novo plantio. Em casos extremos, investidores estão sendo obrigados a vender a terra para pagar dívidas. Essas notícias não têm fundamento real, e causa até estranheza sua publicação. Nenhum dos dados de venda de terras, nem do grande aumento da inadimplência dos sojicultores, pode ser confirmado por nós.

Em resposta a isso, este artigo busca, por meio de uma análise estruturada, estimar os resultados obtidos pela média dos sojicultores a fim de apresentar uma opinião conclusiva sobre o assunto. Os resultados mostram que, em Mato Grosso e no Paraná, o resultado da atividade tem diminuído ano a ano, mas ainda é positivo. Ou seja, a lucratividade tem piorado, e, mais do que nunca, uma gestão eficaz é necessária. Na safra 2019/20, a previsão é de que o sojicultor lucre R$ 306,61 por hectare (-0,1% em relação a 2018/19) no Paraná e R$ 249,56 por hectare (-29,5%) em Mato Grosso.

Pode ser que alguns produtores despre- venidos tenham feito maus negócios de soja verde com algumas tradings, sem se atentar para eventuais juros exorbitantes, ou que tenham tido prejuízo devido à quebra de safra (por razão climática). Mas, se isso aconteceu, foi exceção, e jamais a regra para o setor. Ou seja, não procede a notícia de que os sojicultores estão vendendo suas terras para pagar dívidas.

tabela 1 agroanalysis agosto 3

Apesar da expectativa de redução na produção norte-americana em 2019/20, os preços da soja estão pressionados no mercado brasileiro, em função dos recuos do dólar frente ao real e da demanda mais fraca para a exportação. Segundo um levantamento da Scot Consultoria, houve, em média, queda de 6,9% no preço da saca em Paranaguá-PR, em 2019, na comparação anual. Com relação às exportações brasileiras, a média diária caiu 19,4% nas primeiras semanas de julho em comparação a junho deste ano e foi 17,1% inferior ao volume embarcado em julho de 2018.

tabela 2 agroanalysis agosto 3

RESULTADO DA ATIVIDADE

A queda no preço do grão e o aumento dos custos de produção na temporada 2018/19 refletiram-se em resultados econômicos menos favoráveis.

No Paraná, por exemplo, os custos subiram, em média, 6,1% frente aos da safra anterior, segundo informações do Departamento de Economia Rural da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (DERAL/SEAB).

Outro agravante foi a produtividade média das lavouras, que diminuiu 15,5% nessa temporada em relação a 2017/18, em função da falta de chuva. Com isso, o lucro médio no estado ficou em R$ 306,84 por hectare na safra 2018/19, 80,4% menor do que no ciclo anterior. Já em Mato Grosso, o produtor de soja lucrou, em média, R$ 354,10 por hectare, valor 64,3% inferior ao da safra anterior.

As estimativas foram feitas com os preços médios de venda nos anos em questão, ou seja, o resultado pode ter sido pior ou melhor dependendo da estratégia de comercialização.

Considerando-se os preços de venda nos melhores momentos (maiores preços registrados), o lucro da safra 2018/19 seria de R$ 629,25 por hectare para o produtor do Paraná e de R$ 921,41 para o produtor de Mato Grosso, muito melhor do que a situação média. Ou seja, reforça-se a necessidade de uma gestão eficaz.

Desta forma, não surpreendem as últimas informações de que a área de soja vai aumentar no Brasil nessa próxima safra. E fica a questão: de onde teria saído a notícia de que produtores estão tendo de vender suas terras para pagar dívidas trazidas pela soja?

Para acompanhar todas as informações disponibilizadas pela revista Agroanalysis, clique aqui.

Fonte: Agroanalysis/FGV

0 comentário