Mercado de açúcar: 22 CENTAVOS E NADA MENOS?

Publicado em 11/12/2011 19:48 256 exibições
por Arnaldo Luis Correa, da Archer Consulting


O mercado de açúcar em NY fechou a semana praticamente com preço inalterado no vencimento março/2012, cotado a 23,40 centavos de dólar por libra-peso, e entre 13 e 30 pontos nos vencimentos referentes à safra 2012/2013. Muito pouca fixação de preços por parte do Brasil, que está atrasado percentualmente em relação ao ano passado. Ninguém se anima em travar preços nesses níveis. Preferem esperar o tempo passar até que a situação real da cana para o próximo ano fique mais transparente. A estratégia parece acertada. Nas recentes quedas, o que se viu foi interesse de compra nas baixas e quase nenhuma fixação por parte da origem.

Olhando os preços do etanol no mercado interno, a paridade (respeitando-se os 70% do preço da gasolina) com NY está próxima a 22 centavos de dólar por libra-peso o que de certa forma indica que esse deve ser o suporte de longo prazo para o açúcar, pois abaixo dele teríamos uma migração para o etanol. São conjecturas, mas fazem a diferença na hora de se balizar a tomada de decisão. Lembrando que o valor acima foi encontrado baseando-se numa taxa de dólar média 1,8053 nos últimos 30 dias. Se o dólar apreciar, aquele valor cai. Capito?

A desconfiança de que a Europa não conseguirá resolver seus problemas fiscais e que a situação pode piorar deixam os mercados em compasso de espera e fez com que o açúcar em NY despencasse na quarta-feira para uma baixa de dez semanas. O cenário macro acaba ficando com o papel principal, varrendo para baixo do tapete os fundamentos, os quais, diga-se de passagem, pouco mudaram nesses últimos dias.

Para jogar fogo na fogueira, além do exposto acima, comentou-se também que a queda acentuada devia-se ao que parecia ser o desfazimento de posições por parte de uma trading de açúcar que demitira seu principal executivo no dia anterior. “A empresa queria ir para um lado e ele insistia em ir para outro”, disse uma fonte liga à empresa. O mercado mergulhou de cabeça no pregão de quarta-feira, caindo 25 dólares por tonelada, mas recuperando no dia seguinte após as tais posições supostamente terem sido liquidadas. Difícil dizer se a força motriz por trás da queda teria sido essa, mas a vida corporativa costuma ser cruel para o executivo quando ele começa a perder grandes somas de dinheiro. Você é tão bom quanto seu último negócio.

Continua a discussão sobre a extensão de horas de negociação dos contratos futuros de açúcar na bolsa de NY. O comitê consultivo da bolsa, cujas opiniões/recomendações a ICE não tem nenhuma obrigação em seguir, teme que esse alongamento de horas dilua a liquidez do mercado além de propiciar, com pouco volume, oportunidades para que as negociações por computador (os demoníacos algoritmos) movam o mercado para a direção que lhes aprouver enquanto os traders de NY e London ainda estão dormindo. Deixar uma ordem do dia para a noite pode ser uma péssima ideia. O argumento da ICE é que estendendo as horas, NY poderá se sobrepor ao horário de funcionamento da bolsa chinesa de açúcar, permitindo nesse período a arbitragem entre as duas bolsas.

Um executivo de Ribeirão Preto, conhecido pelo apurado senso de humor e irritado com essa possibilidade “ameaça” iniciar um movimento de protesto “Ocupe a ICE”, nos moldes do recente “Ocupe Wall Street”, sugerindo levar cartazes com os dizeres: ”Não para a extensão de horas”; “ICE gananciosa, quando isso vai parar??”, ou ainda “Chega! Já se negocia o bastante!! Eu tenho família”. Olha que pode pegar.

A ANP aprovou a regulamentação (não publicada ainda no momento que escrevo esse relatório) do mercado de etanol anidro tendo como foco evitar grandes oscilações de preço e o risco de desabastecimento. Assim, a partir de 1º de abril de 2013, as distribuidoras serão obrigadas a manter estoque de anidro suficiente para 15 dias, enquanto os produtores terão que assegurar suprimento para cerca de 40 dias. Os dois terão obrigatoriamente que apresentar para a ANP os contratos que envolvam anidro. A ANP acredita que com isso conseguirá “evitar que falte anidro e que o preço chegue ao pico, como aconteceu neste ano". Cada um acredita no que quiser. 

O fato é que o governo obriga as usinas a carregar um estoque sem financiar nem pagar nada por isso. Numa economia de mercado cada um produz aquilo que lhe dá maior retorno e deixa que o mercado ajuste as distorções via preços. A medida inócua da agência é mais um daqueles faz-de-conta com os quais nós brasileiros estamos acostumados. 

Como ninguém quer comprar volatilidade, os prêmios das opções de açúcar em NY despencam despudoradamente.

O custo de produção do anidro e do hidratado, de acordo com o modelo desenvolvido pela Archer Consulting, é de R$ 1,1893 e 1,1417 por litro na usina, respectivamente. Comparando com o fechamento da BM&F Bovespa, o hidratado apresenta uma rentabilidade média de 10,5% sobre o custo de produção para os primeiros 3 meses de vencimento de 2012.

Reserve na sua agenda: o XVII Curso Intensivo de Futuros, Opções e Derivativos da Archer Consulting está confirmado para os dias 27, 28 e 29 de março de 2012, em São Paulo. Mais de 500 profissionais do mercado no Brasil e no Exterior já fizeram o Curso. Para mais informações 

O Fundo administrado pela Archer Consulting, que esperamos disponibilizar para mais investidores brevemente, está rendendo para o investidor de 57,4617% líquidos ao ano, em seus 249 dias de existência. 

Bons negócios e um excelente final de semana para todos.

Arnaldo Luiz Corrêa

Tags:
Fonte:
Archer Consulting

0 comentário