Estiagem afeta 460 mil pessoas no Rio Grande do Sul, informa Defesa Civil

Publicado em 08/01/2012 16:41 691 exibições


Boletim da Defesa Civil do Rio Grande do Sul mostra que subiu de 102 para 106 o número de municípios do Estado que decretaram situação de emergência ou calamidade em decorrência da estiagem que atinge a região. O governo estima que 460 mil pessoas já foram afetadas pelos efeitos da seca.

Além do Rio Grande do Sul, a estiagem atinge também Santa Catarina e o Paraná. A escassez de chuvas já preocupa os governos estaduais e deverá afetar a produção agrícola local. Até o momento, 63 municípios catarinenses decretaram situação de emergência, e a Defesa Civil estima que 407 mil pessoas tenham sido afetadas pelo problema.

No Paraná, nenhuma cidade está oficialmente em estado de emergência, mas a Defesa Civil do Estado contabiliza nove municípios com problemas pela falta de chuvas: Barracão, Bom Jesus do Sul, Capanema, Capitão Leônidas Marques, Nova Esperança do Sudoeste, Pinhal de São Bento, Pranchita, Rio Bonito do Iguaçu e Santo Antônio do Sudoeste. Estima-se que 76 mil moradores desses locais tenham sido afetados pela estiagem.

Barreiras interrompem acesso entre Campos e Cardoso Moreira (RJ)

O deslizamento de duas barreiras em duas estradas, durante a madrugada deste domingo, interrompeu o trânsito e a ligação entre os municípios de Campos dos Goytacazes e Cardoso Moreira, no norte do Rio.

De acordo com o secretário de Defesa Civil de Cardoso Moreira, Juarez de Rocha, a previsão é que a estrada fosse liberada no final da tarde de hoje.

"Todas as nossas máquinas estão trabalhando lá", disse Rocha.

Por causa dos deslizamentos, nas localidades de Baú e Valão do Pires, os motoristas têm que percorrer mais 200 quilômetros para fazer o trajeto entre os dois municípios, distantes 60 quilômetros. O desvio está sendo feito pelo município de Bom Jesus de Itabapoana.

Desde o rompimento da BR-326, na última quinta-feira, as duas vias eram as principais ligações entre os municípios.

Rafael Andrade-6.jan.12/Folhapress
Bairro Três Vendas, em Campos (RJ), foi inundado devido a rompimento de dique
Bairro Três Vendas, em Campos (RJ), foi inundado devido a rompimento de dique

ALERTA

Os municípios de Cardoso Moreira, Laje do Muriaé, Itaperuna e Italva, no norte e noroeste fluminense, entraram em estado de alerta máximo neste domingo. A indicação é do Instituto Estadual do Ambiente (Inea).
A região é cortada pelo Rio Muriaé, que voltou a encher com a chuva desta madrugada. O volume de água chegou a 100 milímetros.

Laje do Muriaé, Itaperuna e Italva, entraram também em estado de alerta máximo para deslizamentos, além de cheias.

O volume de água também voltou a subir nos rios Paraíba do Sul, Carangola, Pomba e Itabapoana.

Em Campos de Goytacazes, no norte do estado, também choveu na madrugada, mas não há indicação de alerta máximo. A chuva causou alagamentos em alguns bairros do centro, mas a água já escoou ", afirma major Joaquim Silva, assessor técnico da Defesa Civil do município.

O nível da água da localidade de Três Vendas, baixou 20 centímetros de sexta-feira para sábado. Segundo o major, não houve alteração neste domingo. A área continua alagada e agentes da Defesa Civil fazem nesta manhã o trabalho de entrega de alimentos e água para os desalojados e desabrigados.

Três Vendas ficou completamente alagada depois que um trecho da rodovia BR-356, que servia como barragem para conter as águas do rio Muriaé, se rompeu, criando uma cratera de 20 metros.

As vítimas estão para abrigos, escolas e igrejas do distrito de Travessão.

Em todo o estado, são 7.707 pessoas desalojadas e 2.510 desabrigadas por causa das enchentes. A maioria em Campos (4 mil). Duas pessoas morreram, em Miguel Pereira e Laje de Muriaé.

Quatro municípios do Rio estão em estado de alerta máximo


Os municípios de Cardoso Moreira, Laje do Muriaé, Itaperuna e Italva, no norte e noroeste fluminense, entraram em estado de alerta máximo neste domingo. A indicação é do Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

As chuvas que ocorreram na madrugada de hoje nestas cidades levaram o Inea a fazer a mudança de estágio, o que ocorreu por volta das 6h. Até o momento a situação permanece a mesma.

A região é cortada pelo Rio Muriaé, que voltou a encher com a chuva desta madrugada. O volume de água chegou a 100 milímetros.

Laje do Muriaé, Itaperuna e Italva, entraram também em estado de alerta máximo para deslizamentos, além de cheias.

O volume de água também voltou a subir nos rios Paraíba do Sul, Carangola, Pomba e Itabapoana.

Em Campos de Goytacazes, no norte do estado, também choveu na madrugada, mas não há indicação de alerta máximo. A chuva causou alagamentos em alguns bairros do centro, mas a água já escoou ", afirma major Joaquim Silva, assessor técnico da Defesa Civil do município.

O nível da água da localidade de Três Vendas, baixou 20 centímetros de sexta-feira para sábado. Segundo o major, não houve alteração neste domingo. A área continua alagada e agentes da Defesa Civil fazem nesta manhã o trabalho de entrega de alimentos e água para os desalojados e desabrigados.

Três Vendas ficou completamente alagada depois que um trecho da rodovia BR-356, que servia como barragem para conter as águas do rio Muriaé, se rompeu, criando uma cratera de 20 metros.

As vítimas estão para abrigos, escolas e igrejas do distrito de Travessão.

Em todo o estado, são 7.707 pessoas desalojadas e 2.510 desabrigadas por causa das enchentes. A maioria em Campos (4 mil). Duas pessoas morreram, em Miguel Pereira e Laje de Muriaé.

Segundo o Climatempo, a previsão para esta segunda-feira é de chuva com temporais, devido à chegada de uma frente fria.

Tags:
Fonte:
Ag. Brasil/ Folha online

0 comentário