Deputados culpam Dilma por conflito em área indígena

Publicado em 26/12/2012 12:01 752 exibições
A sessão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso foi marcada por discursos inflamados contra a desintrusão do distrito Estrela do Araguaia para a consolidação da terra indígena Marãiwatsédé, do povo Xavante. Os parlamentares voltaram às baterias contra a presidenta da República Dilma Rousseff (PT) após a leitura da carta escrita pela pastora Irene Maria da Rocha (PSD), que é vice-prefeita eleita do município de Alto Boa Vista. O deputado estadual Wagner Ramos (PR) chegou ao ponto de ir às lagrimas enquanto discursava em defesa dos moradores.

   A carta da pastora Irene, fazendo um apelo à Dilma, foi lida pelo deputado estadual Sebastião Rezende (PR). No texto, a autora pede a intervenção do Governo Federal para cessar a retirada das famílias antes do Natal.

   Em seguida, Wagner Ramos utilizou a palavra para criticar o que classifica de “insensibilidade” de Dilma. Chorando, o republicano disse que a presidenta precisa se colocar no lugar das famílias que estão sendo despejadas. “Fiquei sabendo que parte das famílias está chegando em Cuiabá. Estão vindo para onde? Para a beira da estrada?”, questionou.

   O presidente da Assembleia José Riva (PSD) também atacou a postura do Governo Federal, que não cessa a desintrusão da área. O parlamentar também lembrou que a ministra-chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann (PT) veio a Cuiabá tratar do assunto, mas não cedeu às reivindicações dos deputados estaduais. “Confesso que tenho vergonha de voltar ao local onde as famílias estão sendo despejadas. Tentamos encontrar uma solução para o problema. Aprovamos uma lei autorizando a permuta da área. O Governo Federal permanece irredutível”, lamentou.

   O deputado estadual Antônio Azambuja (PP) disparou contra a Funai. Segundo o progressista, o órgão não passa de “cabide de empregos” usado por setores interessados em incitar os índios contra a ordem pública. “Somos tão brasileiros quanto os índios, mas nossos direitos não são respeitados. O Governo Federal só atende aos interesses dos indígenas atacou.

   Decisão judicial

   O jurista Eduardo Mahon explica que a presidenta Dilma não pode interferir na ordem jurídica, impedindo o cumprimento da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou a desintrusão da área. Entretanto, afirma que o Governo Federal pode mediar uma solução para reduzir os danos às famílias por meio da permuta das áreas, indenizações, financiamentos e assentamentos dos despejados.

   Mahon também questiona alguns pontos que, na sua avaliação, precisam ser esclarecidos pelo Governo Federal. “Afinal de contas, quantos Xavantes ocuparão a área de 165 mil hectares? O que será feito com os investimentos públicos e particulares feitos nas terras que serão entregues aos índios? A sociedade cobra esclarecimentos”, concluiu.

Tags:
Fonte:
Agência da Notícia

2 comentários

  • Gilmar Jair Cremonese Pimenta Bueno - RO

    ESSA FAZENDA ERA DE QUEM? QUANDO EU MORAVA EM BARRA DO GARÇAS, NOS ANOS DE 1970/1980, O QUE SABI-SE É QUE ESSA FAZENDA ERA DO VATICANO, TEM PROCEDENCIA ESSA INFORMAÇÃO?ALGUÉM SABERIA DIZER?

    0
  • ANTONIO DE LA BANDEIRA Campo Novo do Parecis - MT

    Tanto tempo, oportunidade e obrigação de fazerem algo pela causa e vêm agora os deputados estaduais de MT, com lágrimas de crocodilo e demagogia, pura hipocrisia - espírito natalino falso - . Lógico que a Dilma e seu governo medíocre, que os mesmos deputados tanto enalteceram em outras ocasiões é culpada pela absurda situação.

    Deputados, "façam-me uma garapa", como diria Tia Dindinha lá na roça, nos meus tempos de criança.

    0