Brasil e Rússia negociam manual para certificação de produtos

Publicado em 18/02/2013 19:05
286 exibições
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está negociando com técnicos e autoridades da Rússia a elaboração de um manual de procedimentos para certificação dos produtos exportados para o país europeu. De acordo com o secretário de Defesa Agropecuária do ministério, Ênio Pereira, a ideia é evitar impasses com o mercado russo.

No final do ano passado, os russos retiraram o embargo à carne de três estados brasileiros. O país deixou de comprar o produto brasileiro por divergências entre as regras sanitárias.

Segundo Pereira, as pendências com a Rússia decorrem de diferenças conceituais e climáticas. Ele citou que algumas práticas proibidas na Rússia são livres no Brasil, por exemplo a cobertura de currais. "Eles [currais] são abertos aqui por causa do clima quente, então temos que mostrar que são diferenças que justificam práticas diferentes. O Brasil, por exemplo, usa cloro na água, enquanto lá [na Rússia] é proibido", explicou.

"Nós tentamos durante algum tempo mostrar a eles, com dificuldade, a equivalência de procedimentos que mantemos em relação ao que eles praticam, para dizer que estamos na prática cumprindo as exigências, com base no nosso clima, e portanto, dentro do que eles esperam", acrescentou.

O secretário informou ainda que será solicitado aos ministros das áreas sanitárias dos países que adotem procedimentos capazes de resolver os equívocos.

A comitiva russa participa da 2ª Reunião do Comitê Agrário Brasil-Rússia, que vai discutir até amanhã (19) questões como a elaboração e o uso de vacinas. No encontro, iniciado na manhã de hoje (18), foi debatido acordo sobre regras fitossanitárias que vai permitir a importação de trigo da Rússia e a cooperação para a exportação de farelo de soja para aquele país. Segundo o ministério, o documento final será assinado pelo ministro Mendes Ribeiro Filho e pelo ministro da Agricultura da Rússia, Nikolay Fedorov, na próxima quarta-feira (20).
Tags:
Fonte: Agência Brasil

Nenhum comentário