Publicidade

Dinheiro de estradas no MT foi para Copa

Publicado em 24/02/2013 04:07 845 exibições
Em quatro anos, mais de R$ 500 milhões do Fethab foram usados em obras do Mundial; Secopa diz que aplicou só um terço deste valor (por RODRIGO VARGAS, Do DIÁRIO DE CUIABÁ)

Dinheiro de estradas foi para Copa

 


 

Nos últimos quatro anos, mais de meio bilhão de reais em recursos destinados à abertura e manutenção de rodovias estaduais foram reservados no orçamento para custear projetos e ações relacionados à Copa de 2014. A Secopa, porém, diz que gastou menos de um terço do total.

O montante está registrado nos orçamentos realizados da Secopa (e antiga Agecopa) desde 2009, quando foi instituído um fundo contábil para a organização do evento – composto, entre outras fontes, por 30% dos recursos do Fethab (Fundo Estadual e Transportes e Habitação).

Até 2012, segundo dados obtidos pelo Diário em levantamento no Fiplan (o sistema integrado de planejamento, contabilidade e finanças do governo estadual), a fatia do fundo reservada aos preparativos de Cuiabá e Várzea Grande somou R$ 529,8 milhões.

Publicidade

No período, a arrecadação do fundo cresceu 40% (de R$ 486 milhões para R$ 687 milhões), mas a parcela destinada à infraestrutura rodoviária seguiu ritmo bem distinto.

De acordo com o Fiplan, o orçamento anual realizado do Fethab para a Secretaria Estadual de Transportes (e antiga Sinfra) cresceu, em valores nominais, 3,4% em 2012 em relação ao total de 2009. Já em relação à Secopa, a parcela reservada cresceu 18%.

Criado em 2000 para financiar obras na malha viária estadual e a construção de casas populares em todo o território mato-grossense, o Fethab é arrecado sobre operações internas envolvendo soja, gado em pé, algodão, madeira e óleo diesel.

No ano passado, produtores rurais liderados pela Famato (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso) ameaçaram entrar na Justiça contra a “falta de transparência” na aplicação dos recursos do Fundo.

“O Fethab vem sendo usado para o pagamento de funcionários, na Secopa e na Secretaria de Cidades”, disse, à ocasião, o presidente da entidade, Rui Prado.

Procurado pela reportagem, o secretário Maurício Guimarães (Secopa) disse que o fundo criado para a Copa é “virtual”. “Este não é um dinheiro que cai diretamente no caixa da secretaria”, disse.

Segundo ele, do total reservado para custear o evento, foram efetivamente gastos R$ 156 milhões vindos do Fethab.

“Usamos principalmente como contrapartida estadual na construção da Arena Pantanal, mas também para custeio da secretaria e outras obras menores.”

Para este ano, disse Guimarães, a Secopa conta com uma previsão de R$ 131 milhões de recursos do fundo. “Isso não significa que iremos gastar este valor”, disse.

O destino de eventuais “sobras” do Fethab tende a ficar mais claro a partir deste ano: publicada em 27 de dezembro de 2012, a lei nº9.859 regulamentou a possibilidade do uso de verbas do fundo para “pagamento de pessoal, encargos sociais e demais despesas de custeio”.

Tags:
Fonte:
Diario de Cuiaba

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

2 comentários

  • Renato Scariote Sapezal - MT

    Olha, a gente fica aqui pensando no que escrever, como criticar, ontem vim de Primavera do Leste a Sapezal, 730 Km, a vontade que dá é de xingar, chamar todo mundo de ladrão, de vagabundo, dá nojo, sensação de impotência perante o estado, é um buraco em cima do outro, não bastasse isso, agora o Governo do Estado começou a privatizar rodovias, mas como assim, aumenta nossos impostos e ainda privatiza rodovia??? Sou totalmente a Favor das privatizações, mas para isso, é necessário retirar alguns impostos, principalmente os que são para esse fim, no caso o FETHAB. Caso não privatize, também sou a favor do FETHAB, e nem discuto o preço, discuto o fim que está sendo dado ao nosso dinheiro, como o Dalzir citou abaixo, é vergonhoso termos diferenças de mais de 15,00 a 20,00 no preço do milho comparado com o do Sul e Nordeste. E se o preço do nosso grão cai aqui, vocês imaginam a que preço chega nossos insumos? Sempre a Agricultura pagando o pato, nesse caso, o Tuiuiú.

    0
  • Renato Scariote Sapezal - MT

    Então estamos acertados, em 2015 será criado um imposto para todos os cuiabanos a fim de ressarcir o interior do Estado, afinal de contas, quem vai ficar com a Cidade dita modelo? Quem vai ter um transito exemplar? Quem vai usufruir das obras todos que estão sendo feitas na Capital? A mas isso eu duvido que o povo cuiabano ia aceitar, cabe a nós, produtores bancar todas essas obras. Arena Pantanal? Essa sim deveria se chamar "ARENA PRODUTOR RURAL".

    0