Fundação Pró-Sementes lança campanha para fomentar uso de semente certificada

Publicado em 14/08/2014 09:48 179 exibições

Com o objetivo de difundir informações sobre a semente certificada e incentivar o seu uso, a Fundação Pró-Sementes lança a campanha “Semente Certificada, eu curto”. Visando mobilizar produtores de sementes e agricultores, a campanha conta com uma página no Facebook (https://www.facebook.com/sementecertificada), distribuição de adesivos e ações em eventos do setor.

“Queremos mostrar aos agricultores o valor das sementes melhoradas e de qualidade, e também a importância do seu consumo”, explica o coordenador da unidade de certificação da Fundação Pró-Sementes, Alexandre Levien.

Entre as vantagens do uso de semente certificada destacam-se o controle de gerações, padrão de qualidade garantido pelo produtor de sementes e por laboratórios credenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e a segurança de estar utilizando um insumo registrado. Além disso, é através da semente certificada que são introduzidos no campo os mais recentes avanços do melhoramento genético vegetal.

Sobre a certificação de sementes
A certificação é um sistema criado internacionalmente para assegurar a autenticidade da semente comercializada, garantindo que o insumo possui as características declaradas pelo produtor na etiqueta da embalagem. 

O processo é controlado por um órgão competente que garante que a semente foi produzida de forma que se possa conhecer sua origem genética e de acordo com as normas fisiológicas, sanitárias e físicas previamente estabelecidas.

O sistema verifica os campos de produção e as instalações onde a semente é produzida e armazenada, tendo como base padrões mínimos de pureza varietal e física, germinação e sanidade.

A certificação é um componente muito importante da cadeia de sementes, já que atua em todas as suas etapas, acompanhando a produção, o beneficiamento e a comercialização. “Em um mercado aberto, este é o único método capaz de manter a identidade varietal da semente”, avalia Alexandre Levien.

Tags:
Fonte:
Fundação Pró-Sementes

0 comentário