Beto Albuquerque, vice de Marina, mantém as posições do agronegócio

Publicado em 23/09/2014 21:58 e atualizado em 24/09/2014 21:21 1337 exibições
Código Florestal, desmatamento, índice de produtividade - questões polêmicas nas quais Marina se compromete a seguir as posições do agronegócio brasileiro.

Representantes do agronegócio e de outros setores da economia paranaense participaram de um café da manhã, em Curitiba, na manhã desta terça-feira (23/9), com o deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), candidato à vice-presidente na chapa de Marina Silva (PSB). 

Líder de seu partido na Câmara e com fácil trânsito no meio empresarial, Beto Albuquerque vem buscando contatos com lideranças econômicas nos Estado esclarecendo as principais questões do programa da candidata do PSB. Ele não poupou a presidente Dilma Rousseff.

“A Marina não é candidata a gerente do Brasil. A última escolha de uma gerente pro Brasil não deu certo. Ela (Dilma) tem sido gerente à moda antiga,  toma decisões monocráticas, não reúne setor nenhum, manda fazer, reúne os ministérios coletivamente para que ouçam suas ordem e não contribuem com as discussões”.

Segundo ele, o Brasil vive um momento de paralisia econômica. “Hoje a crise econômica mundial está recebendo a culpa, em 2008 a crise era uma marolinha.  Aonde aconteceu a marolinha,  o mundo já voltou a crescer a índices superiores a 4% e aqui aonde a marolinha não fazia nem cócegas, como dizia o governo de plantão, hoje estamos crescendo a metade dos países da América Latina”.

O presidente da FAEP, Ágide Meneguette, enumerou pontos do programa que preocupam o agronegócio. “Levando em conta o debate nacional destas eleições, entendemos que nossas indagações servirão para eliminar dúvidas dos nossos produtores”, disse Ágide.

As questões - 

- Índice de Produtividade: 

“Em vez de se falar em índices de produtividade, Ágide defendeu que o ideal seria o governo dar assistência aos assentados, com vocação para o cultivo da terra”. Ágide Meneguette

Beto Albuquerque – “Esses índices foram estabelecidos em 1980 visando obter áreas rurais para a reforma agrária e não existe razão para continuar existindo. Estamos dialogando com a agricultura.  Precisamos acompanhar a produtividade para premiar a agricultura. O Brasil está à frente na produção mundial. O Sul iniciou a cultura do plantio direto como pioneirismo de sustentabilidade. Devemos premiar a produtividade com crédito, com financiamento, acesso a inovação. Somos um pais que no curto prazo tornou-se um player de produção e fornecimento de alimentos do mundo . Hoje a reforma agrária é mais barata se adquirir a área. Os conflitos de demarcações só existe porque o governo Dilma foi omisso. Ao governo cabe cumprir a lei e gasta tempo demais para cumprir acordos”.

 

- Terceirização de atividades fins 

“Uma decisão do Tribunal Superior do Trabalho considerou ilegal a contratação de terceirizados (mão de obra ou empresas) para atividades fins. Na agricultura, tal proibição é absurda”. Ágide

Beto Albuquerque – “Quem mais terceiriza é o governo. A Atividade meio pode ser terceirizada. Precisamos debater bem esse assunto, com segurança jurídica para o trabalhador. O que não podemos é ter medo de debater o assunto”.

 

Código Florestal:

Para nós, essa questão do Código Florestal está resolvida,  razão pela qual esperamos que, se eleita, a candidato Marina Silva também o considere como tal e não haja tentativa de mudá-lo”. Ágide

Beto Albuquerque: “A Marina é uma líder de opinião, mas sendo vencida, aceita o que foi decidido. Não vamos mexer no Código Florestal. Vamos olhar para a frente, o que o Congresso decidiu, está decidido. O desmatamento que temos que nos preocupar  é o ilegal”.

 

Infraestrutura: 

“Dentro da porteira a produção agrícola bate recordes em todas as safras. O problema ocorre fora da porteira: faltam armazéns, as rodovias já não comportam o tráfego, a construção e a modernização de ferrovias está atrasada. Os portos estão sucateados.” Ágide

 Beto Albuquerque - Os três estados do sul passam por dificuldades, mas não podemos esperar o governo federal, como ocorreu com a ferrovia Norte-Sul que até hoje não saiu do papel. Para garantir infraestrutura e logística vamos buscar concessões e PPPs com financiamentos não só com o BNJDES, mas devemos buscar também no exterior.

 

MAPA

“Há a necessidade de fortalecer o Ministério da Agricultura, ao invés de manter quatro ministérios cuidando da mesma coisa”. Ágide

Beto Albuquerque – “Vamos fortalecer os dois ministérios (Agricultura e do Desenvolvimento Agrário) porque hoje quem manda são três meninos da Casa Civil.  Vamos fortalecer o MAPA colocando na Agricultura Familiar e no Agronegócio quem conhece do riscado. Colocar amador não é receita para definir a politica com a sociedade. Creio e ouso afirmar que não houve uma reunião sequer entre a presidente da republica e o ministro da agricultura em separado para discutir politicas publicas, avanços ou melhorias nesse setor”.

Tags:
Fonte:
FAEP

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário