Manifestantes invadem confederação em ato contra Kátia Abreu

Publicado em 15/12/2014 14:57 e atualizado em 15/12/2014 21:20 936 exibições
Lideranças do ato dizem que ao menos 250 agricultores familiares e sem terra participam do protesto.

Integrantes de movimentos sociais invadiram a sede da Confederação Nacional de Agricultura (CNA) no final da manhã de hoje (15). Eles protestam contra a possível indicação da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) para assumir o Ministério da Agricultura.

Segundo a assessoria da CNA, cerca de 70 pessoas chegaram à sede da entidade por volta das 11 horas, derrubaram a grade de proteção e ocuparam o hall de entrada, chegando, em alguns momentos, à garagem do edifício. Em razão do tumulto, parte dos funcionários foi liberada mais cedo.

Como os manifestantes não apresentaram pauta de reivindicações e ameaçam permanecer no local por tempo indeterminado, a diretoria da confederação deve recorrer à Justiça para obter a reintegração de posse.

As lideranças do ato dizem que ao menos 250 agricultores familiares e sem terra participam do protesto. Eles integram o Movimento Brasileiro dos Sem Terra (MBST), a Frente Nacional de Luta no Campo e Cidade (FNL) e da Confederação Nacional dos Agricultores (Conafer). Segundo Rainer Ribeiro, do MBST, a intenção do grupo é permanecer no local por tempo indeterminado.

Leia a reportagem na íntegra no site Terra

Tags:
Fonte:
Terra

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • Maurício Carvalho de Oliveira Brasília - DF

    As manifestações populares ordeiras engrandecem a democracia. Invasão de propriedade alheia e quebra-quebra precisão ser reprimidas com o rigor da lei. Ademais, sem terra, sem rumo, sem brio, isso é que são esses movimentos que pretensamente lutam, porque mesmo. Creio que por uma viagem a Brasília e muita algazarra. É o que se vê! Disso estamos enojados.

    0
  • Alex Baum Montevidiu - GO

    Ditadura é assim, não tem nem pauta, é chegar e fazer o que quer. Isto é o diálogo deles.

    Até quando teremos estes absurdos?

    0