Greve dos Caminhoneiros: Caminhoneiros e governo se reúnem nesta quarta-feira em Brasília

Publicado em 25/02/2015 07:32 e atualizado em 25/02/2015 11:33
3732 exibições
VEJA TAMBÉM O BALANÇO DE O GLOBO

Em meio aos protestos e bloqueios de estradas, governo e representantes dos caminhoneiros têm encontro marcado para a tarde desta quarta-feira (25) em Brasília. A reunião para negociar o fim das interdições deve ocorrer às 14h no Ministério dos Transportes.

A assessoria da pasta ainda não tem confirmação de quais outras autoridades, além do titular dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, devem participar da conversa.

Nesta terça (24), o ministro Miguel Rosseto, da Secretaria-Geral da Presidência, havia afirmado que estariam presentes os ministros Luis Inácio Adams (Advocacia-Geral da União) e o secretário-executivo do Ministério da Justiça, Marivaldo de Castro.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 - Economia 

 

O GLOBO: Fiat paralisa produção por falta de peças, e JBS suspende atividades

SÃO PAULO, FLORIANÓPOLIS, PORTO ALEGRE e CUIABÁ (em O GLOBO)- A manifestação dos caminhoneiros insatisfeitos com a alta dos combustíveis começou a afetar as exportações pelos portos de Santos, em São Paulo, e Paranaguá, no Paraná, bem como a atividade de algumas empresas. Nesta terça-feira, os motoristas bloquearam o acesso e a saída do Porto de Santos - o mais movimentado da América Latina, com uma circulação de cerca de nove mil caminhões por dia. Os acessos foram liberados apenas no fim da noite. A chegada ao Porto de Paranaguá, por onde é exportada parte da safra de soja do país, também foi obstruída. E em plena época de colheita. Se ao menos 900 caminhões passam por lá diariamente, nesta terça havia somente 45 veículos no pátio, transportando apenas 10% da soja e do farelo previstos para ser embarcados.

20090916153102673ap.jpgUnidade da JBS em Lins, São Paulo: empresa paralisou produção por causa de greve - DARIO LOPEZ-MILLS / AP

 

Os prejuízos ainda não foram estimados, mas se estendem para bem além das docas. Em Minas Gerais, a fábrica da Fiat de Betim - onde são montados três mil veículos por dia - dispensou os seis mil funcionários do primeiro e segundo turnos por falta de componentes e peças para a montagem dos veículos. O bloqueio da Rodovia Fernão Dias (BR-381), principal ligação entre São Paulo e Minas Gerais, comprometeu a entrega. Na segunda-feira, a montadora já havia dispensado trabalhadores pelo mesmo motivo.

No Sul do país, a JBS foi forçada a suspender as operações em oito unidades, além das do Mato Grosso do Sul - o que representa 75% da capacidade de produção de aves e suínos da empresa. E tudo por causa da falta de matéria-prima e embalagens, que não chegaram ao destino.

Segundo o Sindicato das Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), veículos que transportam leite in natura estão sendo impedidos de levar suas cargas para abastecer as indústrias de processamento. A entidade ingressou na Justiça Federal com um pedido de liminar para desbloquear as rodovias no estado.

- Entendemos o pleito dos caminhoneiros, mas acredito que a cadeia leiteira e outras atividades econômicas não podem ser prejudicadas. No caso do leite, há cargas destinadas ao abastecimento da cesta básica, de creches e hospitais. O protesto está causando prejuízo econômico à indústria e produtores e poderá provocar dano ambiental, devido à eventual necessidade de descarte de leite caso o protesto perdure - advertiu o presidente do órgão, Alexandre Guerra.

O Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística do Estado (Setcergs) também alerta para o risco de desabastecimento de combustível caso o movimento persista por mais um ou dois dias. O presidente Afrânio Kieling disse já ter identificado a possibilidade de uma interrupção total da BR-101, principal ligação do Rio Grande do Sul com o centro do país.- Reconhecemos que o prejuízo dos profissionais é grande, mas não compactuamos com greves - resumiu Kieling.

A Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) estimou que, se o protesto se mantiver por mais dois dias, haverá problemas no abastecimento de carnes e hortigranjeiros. No norte do estado, alguns postos de combustíveis já registraram falta de gasolina nas bombas.

Em Santa Catarina, o efeito do protesto é mais severo. O produtor de leite Heindert Sand, de Campo Erê, por exemplo, jogou fora três mil litros quando foi surpreendido na noite de segunda-feira pela notícia de que a indústria não faria a coleta no dia seguinte.

A Cooperativa Aurora, maior processadora de alimentos do país, informou que poderá interromper totalmente a produção. Em comunicado, a empresa alertou que os estoques de ração têm condições de atender à demanda das granjas associadas somente até amanhã. E o Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados (Sindileite) suspendeu desde a segunda-feira a coleta nos pontos de produção do Oeste catarinense devido às dificuldades de transporte.

A situação começou a se complicar também em Mato Grosso, onde a região norte do estado já registra falta de combustível em vários pontos. Hoje à tarde, enormes filas de carros já se formavam nos postos de Sinop, a maior cidade da região, localizada a 500 quilômetros de Cuiabá. Por volta das 14h, cinco postos visitados pelo GLOBO não tinham mais óleo diesel, e o volume de álcool era suficiente apenas para terminar a o dia.

— A situação é gravíssima. Quando a manifestação terminar, ainda deverá demorar vários dias para o problema de abastecimento ser resolvido - constatou Jonas de Paula, proprietário de um posto e de uma distribuidora de combustível em Sinop, onde não chega nenhum nenhum caminhão desde sábado passado.

No campo, o combustível também se fez sentir. Por falta de óleo diesel, colheitadeiras de soja estão paradas em muitas fazendas. Até o último domingo, o total colhido representava 35% da área plantada de soja - 12 pontos percentuais a menos que o verificado no mesmo período da safra passada. Também há risco de aves e suínos morrerem de fome por falta de ração.

— O problema é muito grave. Se o bloqueio acabar agora, ainda deve demorar ainda uns seis dias para chegarem novos carregamentos de combustível. Até lá muita soja estará com avaria - lamentou o presidente do Sindicato Rural de Sinop, Antônio Galvan.No Pará, cerca de 50% dos caminhoneiros aderiram à paralisação. Mas, segundo o presidente do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens no Estado do Pará (Sindicam-PA), Eurico Tadeu Ribeiro, a ordem é não tumultuar em um estado onde 75% dos produtos hortifruti são importados:

— Nossa orientação sindical é não fazer bloqueio de vias para não prejudicar mais. Basta parar em algum posto com mínima estrutura e conforto e não trabalhar, deixando o governo federal resolver.

*Especial para O GLOBO


Paraná

Caminhoneiros mantêm protestos e estradas continuam fechadas no PR

Categoria é contra aumento no preço do litro do óleo diesel, entre outros.  Protestos refletem na economia do estado e já causam prejuízos

O trânsito nas principais estradas do Paraná continua complicado na manhã desta quarta-feira (25) no Paraná por causa dos protestos de caminhoneiros. Com os veículos parados nas estradas, os protestos começam a refletir em vários setores da economia do estado. Nos postos de combustíveis no sudoeste e no norte, por exemplo, quase não há gasolina. E os que ainda têm alguma quantidade no reservatório cobram preços muito acima do normal. Na terça, os motoristas tiveram que enfrentar filas para abastecer.

Até as 6h30, vinte trechos estavam bloqueados em oito rodovias federais e 24 pontos em 19 estradas estaduais. A maior parte dos trechos dão acesso a cidades grandes do interior do estado. Os protestos ocorrem no Paraná desde o dia 13 de fevereiro. Também há manifestações em mais de 10 estados brasileiros.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 PR

Rio Grande do Sul

Manifestantes cumprem ordem e liberam parte das rodovias do RS

Parte dos manifestantes cumpriu decisão da Justiça e duas rodovias federais próximas a Pelotas, na Região Sul do Rio Grande do Sul, foram liberadas no início da noite desta terça-feira (24). Conforme a Polícia Rodoviária Federal, a BR-116 e BR-392 tiveram o trânsito de caminhões liberados. A BR-293, cuja liberação também havia sido determinada pela Vara Federal de Pelotas, seguia com o tráfego interrompido por volta das 21h30.

A juíza Dulce Helena Brasil, da 3ª Vara Federal da cidade, atendeu pedido da Advocacia-Geral da União (AGU), que protocolou ações na Justiça Federal de oito estados pedindo a liberação de rodovias bloqueadas pelos protestos da categoria.
Segundo as polícias rodoviárias federal e estadual, manifestações de caminhoneiros ocorrem em 55 pontos em 32 rodovias do estado nesta terça-feira.

Em algunas delas, veículos de carga são impedidos de seguir viagem.
O protesto da categoria é contra o aumento do óleo diesel, os elevados custos dos transportes de cargas e as condições ruins das rodovias, entre outros itens. Eles pedem uma solução do governo federal.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 RS

Caminhoneiros fazem protesto na BR-386, em Tabaí

Dezenas de caminhoneiros realizam um protesto na altura do km 385 da BR-386, em Tabaí, desde o início da manhã desta quarta-feira. A manifestação causa lentidão, principalmente para motoristas que trafegam no sentido Interior-Capital. Os protestos de caminhoneiros espalhados por diferentes Estados é contra a alta do diesel, dos pedágios e pelo aumento no valor dos fretes.

Leia a notícia na íntegra no site do Zero Hora

Santa Catarina

Protestos bloqueiam rodovias caminhoneiras pelo oitavo dia

SC - O protesto de caminhoneiros bloqueia rodovias catarinenses pelo oitavo dia. Nesta quarta-feira (25), pelo menos 20 trechos de rodovias federais e 12 trechos de estradas estaduais tinham bloqueios, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícia Militar Rodoviária (PMR).
Os caminhões ficam trancados nos bloqueios e o transporte de cargas em Santa Catarina está afetado. Segundo o Sindicato dos Postos de Chapecó, no Oeste, falta gasolina em 90% dos postos de combustíveis da região. A coleta de leite foi suspensa e algumas indústrias pararam a produção.

Veja mais informações no site do G1

Caminhoneiros fazem protesto na BR-386, em Tabaí

Em protesto, caminhoneiros queimam carro e bonecos de políticos em SC

Em protesto pelo aumento do combustível, um grupo de caminhoneiros do bloqueio de Pouso Redondo, no Vale do Itajaí, comprou e queimou um carro com bonecos simbolizando a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula. O ato ocorreu na segunda-feira (23).

Até 13h30 desta terça (24), 30 pontos em Santa Catarina, entre rodovias federais e estaduais, apresentavam bloqueio de caminhoneiros. Eles reivindicam melhores condições nas rodovias da região e protestam contra o aumento no valor de combustíveis.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 SC

Mato Grosso

Motoristas enfrentam longas filas em postos com falta de combustível

Protestos de caminhoneiros em rodovias têm prejudicado abastecimento. Movimento foi intenso nas estradas e alguns postos estão desabastecidos

Os protestos de caminhoneiros nas rodovias de Mato Grosso já causam reflexos em algumas regiões com a falta de combustíveis em postos. Nesta terça-feira (24), motoristas tiveram que enfrentar longas filas para abastecer os veículos e entrar na “corrida” para encontrar postos que ainda tenham como fornecer álcool, gasolina e óleo diesel.

Na cidade de São José do Rio Claro, por exemplo, que fica a 325 km de Cuiabá, os únicos dois postos já se encontram desabastecidos e os caminhões que transportam os combustíveis estão parados nas barreiras. “Acabou tudo nesta tarde. Não temos como atender mais nenhum motorista e só nos resta esperar a suspensão dos bloqueios”, disse a funcionária de um dos estabelecimentos.

O frentista Luzito Fernandes, que trabalha no outro posto da cidade, contou que há disponível apenas mil litros de óleo diesel para a venda no varejo e a previsão é que sejam consumidos até a noite desta terça.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 MT

Sem combustível, postos em MT são lacrados após bloqueios em rodovias

Acabou o combustível em alguns postos e outros estão com estoque perto do fim, na região Norte de Mato Grosso, após exatamente uma semana de protesto dos caminhoneiros nas principais rodovias federais que cruzam o estado. A exemplo desta terça-feira (24), os manifestantes bloqueiam 10 trechos das BRs 163, 364 e 070, nesta quarta-feira (25).

Em Sinop, a 503 km de Cuiabá, os postos de combustíveis amanheceram lacrados nesta quarta-feira (25). A terça-feira (24) foi de grandes filas nos postos, o que fez com que o estoque se esgotasse com mais rapidez, como informou o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Mato Grosso (Sindipetróleo).

Leia a notícia na íntegra no site G1 - Agrodebate 

Terminal ferroviário em MT deixa de exportar 12,8 mil toneladas por dia

O terminal ferroviário da América Latina Logística (ALL), que fica em Rondonópolis, região Sul de Mato Grosso, diminuiu dois vagões nos embarques feitos diariamente, o que significa uma redução de 25% ou menos 12,8 mil toneladas de grãos embarcados por dia. A redução teve início nesta segunda-feira (23), de acordo com informações da assessoria de imprensa.

Diariamente, o terminal embarcava seis trens com 80 vagões, sendo que cada trem tem capacidade para transportar 6,4 mil toneladas. Em nota, a ALL informou que os protestos impedem a circulação de caminhões nas principais rodovias do país, afetando assim, os principais corredores operados pela concessionária.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 MT

Bloqueios em rodovias podem afetar venda de leite de cooperativa de MT

O laticínio de uma cooperativa em Jaciara já sente os reflexos do bloqueio dos caminhoneiros nas rodovias BR-163 e BR-364 de Mato Grosso e suspendeu a industrialização de 105 mil litros de leite nesta terça-feira (24). A venda de leite em saquinho e de bebida láctea da indústria é feita para Cuiabá, Várzea Grande, Rondonópolis, Minas Gerais e Goiás.

Um dos caminhões com leite industrializado chegou a Cuiabá e Várzea Grande com a carga no domingo (22) e conseguiu passar pelos protestos na BR-364 no km 397 na capital porque estava transportando produtos perecíveis. No entanto, o motorista do caminhão não conseguiu retornar para Jaciara com o veículo, porque este estava vazio e foi parado pelo bloqueio. Segundo o diretor-presidente do laticínio, Sebastião Reis, o caminhão está em uma garagem em Várzea Grande. Juntos, Cuiabá e Várzea Grande consomem 30 mil litros de leite em saquinho por dia.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 MT

Combustível acaba em praticamente todos os municípios do Nortão de Mato Grosso

 Quase todos os postos de combustíveis da região Norte de Mato Grosso estão com os reservatórios secos, devido à grande procura nos últimos dois dias, quando os proprietários de automóveis, motocicletas e caminhões fizeram filas para abastecer seus veículos.

Conforme levantamento feito por Olhar Direto esta manhã, a maioria dos postos não tem mais óleo diesel, gasolina e etanol. Somente alguns estabelecimentos que “racionaram” a venda de combustível ontem, ainda possuem algum produto para atender seus clientes.

O “corre-corre” na frente dos postos de combustíveis na segunda e terça-feira ocorreu devido ao receio de que o bloqueio nas rodovias federais do país seja prolongado por mais alguns dias, evitando assim a chegada dos caminhões tanque aos municípios. “Enchi o tanque, pois não sei se os caminhoneiros vão liberar a rodovia logo”, disse o vendedor Mauro César.

Leia a notícia na íntegra no site Olhar Direto

Goiás

Caminhoneiros retomam protestos nesta quarta-feira (25) 

GO - Caminhoneiros voltaram a bloquear nesta quarta-feira (25) o tráfego nos dois sentidos da BR-153 em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana. Eles usam pneus para parar o trânsito. O ato iniciou por volta das 6h30, no km 515
Motoristas também bloqueiam o tráfego na BR-153 em Itumbiara, no sul goiano. Segundo a PRF, o ato ocorre no km 702 da rodovia.

Veja mais informações no site do G1

Bahia

Via Expressa continua bloqueada pelos caminhoneiros na Bahia

BA - A Via Expressa, pista que liga a BR-324 ao Porto de Salvador, permanece ocupada por caminhoneiros na manhã desta quarta-feira (25), assim como em três trechos da região de Luís Eduardo Magalhães, no oeste do estado.
De acordo com a PRF, os trechos de rodovias federais que estão interditados desde terça-feira são: BR-242, na saída para Barreiras (km-880) e na saída para Tocantins (km-890); e também na BR-020, na saída para Brasília (km-200). Segundo a PRF, agentes foram deslocados para as regiões ocupadas pelos caminhoneiros.

Veja mais informações no site do G1

Ceará

Protesto dos caminhoneiros deixa congestionamento na BR-116

CE - Os bloqueios também chegaram ao Ceará nesta terça-feira, onde cerca de 60 caminhões fecham os dois sentidos da BR-116, em Fortaleza. Apenas veículos pequenos, de emergência e caminhões com carga viva podem passar.
Por volta das 20h, os manifestantes afirmaram que pretendiam permanecer no local durante toda a noite e só deveriam deixar o local após um uma sinalização do governo federal quanto ao atendimento das reivindicações.

Veja mais informações no site do G1

Minas Gerais

Caminhoneiros começam a liberar trechos das BRs 381 e 040, em Minas

Em greve desde o último domingo, caminhoneiros que interditavam cerca de 10 pontos nas rodovias federais que cortam Minas começaram a se dispersar nesta quarta-feira. A movimentação teve início ainda na madrugada. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a BR-381 já foi liberada em Perdões e Oliveira, na Região Centro-Oeste do estado, e em Igarapé, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Os caminhoneiros também começaram a deixar trechos da BR-040, em Nova Lima e Ouro Preto e da BR-262, em Juatuba. Ainda há registro de lentidão nesses locais. 

Na última tarde, a Justiça Federal em Minas Gerais acatou o pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) e determinou a liberação das BRs. Os motoristas protestavam pela alta do óleo diesel e o aumento do valor do frete. Na decisão, divulgada na tarde desta terça-feira, a juíza Anna Cristina Rocha Gonçalves, da 14ª Vara Federal, estipulou multa de R$ 5 mil para os condutores que descumprirem a ordem e R$ 50 mil para as entidades responsáveis.

Agentes da PRF fortemente armados chegaram por volta das 6h30 na BR-381, em Igarapé, e deram três horas para que os caminhoneiros, que estão parados desde a madrugada de domingo, liberassem a rodovia. Os agentes quiseram saber se há alguma liderança entre os manifestantes, mas ninguém se identificou como membro do sindicato. Eles explicaram que estão cumprindo a liminar da juíza Anna Cristina e a liberação começou imediatamente. Eles devem deixar o local até as 9h. 

Confira a notícia na íntegra no site do Estado de Minas

Em Minas, bloqueios seguem na Fernão Dias

MG - Em Minas Gerais, os caminhoneiros interditavam parcialmente, nesta terça-feira, a Rodovia Fernão Dias, em Igarapé, na Grande BH; em Oliveira, no Centro-Oeste; e em Perdões, no Sul; e em Santo Antônio do Amparo. Veja aqui os pontos de bloqueio no estado.

São registrados bloqueios também na BR-262 e na BR-040. Manifestantes fecharam ainda o trecho da MG-050 que liga Divinópolis a Formiga.

Veja mais informações no site do G1

São Paulo

Bloqueio na rodovia Anchieta

SP - Nesta quarta-feira, perto das 7h30, um bloqueio afetava duas faixas da rodovia Anchieta, na altura do km 23, sentido litoral.
O protesto de caminhoneiros bloqueou os acessos ao Porto de Santos durante quase nove horas na terça-feira. A fila de caminhões fez com que a Ecovias, concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), liberasse a circulação de veículos de passeio, que chegam da capital paulista, pelo acostamento da Rodovia Anchieta.

Veja mais informações no site do G1

Tags:
Fonte: G1 + O GLOBO

Nenhum comentário