Greve continua: Governo promete sancionar leis para caminhoneiros

Publicado em 25/02/2015 11:34 e atualizado em 25/02/2015 15:08
1543 exibições

Por Cristiana Lôbo

Para encerrar o protesto dos caminhoneiros, o governo se compromete a sancionar sem veto a Lei dos Caminhoneiros, aprovada pela Câmara no último dia 11 e que estabelece regras para o exercício da profissão de motorista. O projeto aprovado assegura isenção de pedágio para quem estiver com o caminhão vazio. Assim, os veículos vazios não pagarão pedágio pelos eixos que estiverem suspensos.

Além disso, o governo admite a prorrogação dos empréstimos do Programa Pró-Caminhoneiro por um ano. Em 2013 e 2014, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) emprestou R$1 bilhão.

O governo não atendeu ao pedido de reduzir preço do diesel nem de interferir na negociação do preco do frete. Nesta quarta, na Bahia, a presidente Dilma Rousseff afirmou que não há condições de reduzir o preço do diesel, a exemplo do que já havia antecipado o ministro Miguel Rossetto no dia anterior.

Confira a notícia na íntegra no site do G1

Rodovias federais têm 97 bloqueios em 10 Estados; acesso a porto de Santos liberado

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - Caminhoneiros liberaram nesta quarta-feira o acesso ao porto de Santos, o principal do país, mas os protestos se ampliaram nesta manhã para quase cem interdições, em dez Estados, prejudicando o transporte de combustíveis, alimentos e matéria-primas.

A concessionária de rodovias Ecovias, do grupo EcoRodovias, disse em sua conta no Twitter que todas as pistas da rodovia Anchieta foram liberadas e o tráfego foi normalizado, embora a lentidão permanecesse como reflexo. O acesso ao porto estava interrompido desde a tarde de terça-feira.

Os protestos de caminhoneiros entraram nesta quarta-feira no seu oitavo dia. Os manifestantes protestam contra baixos preços de frete e custos elevados com combustíveis.

Até as 7h desta manhã, havia um total de 97 interdições em rodovias nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Bahia, Espírito Santo, Ceará, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, segundo relatório publicado pela Polícia Rodoviária Federal, na internet.

Alguns setores estão sentindo fortermente os protestos, como a agropecuária.

A colheita de soja em diversas fazendas do norte de Mato Grosso, maior produtor de grãos do Brasil, foi paralisada, em um momento que seria de trabalhos intensos, devido à falta de diesel para abastecer o maquinário, em uma das consequências mais visíveis dos bloqueios nas estradas do Estado.

A BR-163, um dos alvos dos protestos, responde por 70 por cento do escoamento da produção agrícola de Mato Grosso. A rodovia também é a única rota de abastecimento de diesel e outros insumos para os municípios da região.

Seis pontos da BR-163 no trecho sob concessão da Rota do Oeste permanecem bloqueados nesta manhã em Mato Grosso, informou a companhia em nota nesta manhã.

Atualmente está proibido o tráfego de veículos de carga em Rondonópolis, Cuiabá, Nova Mutum, Lucas do Rio Verde, Sorriso e Sinop. Veículos de passeio e ônibus circulam normalmente.

(Por Asher Levine, Priscila Jordão e Marta Nogueira)

Caminhoneiros e governo se reúnem nesta quarta-feira em Brasília

Em meio aos protestos e bloqueios de estradas, governo e representantes dos caminhoneiros têm encontro marcado para a tarde desta quarta-feira (25) em Brasília. A reunião para negociar o fim das interdições deve ocorrer às 14h no Ministério dos Transportes.

A assessoria da pasta ainda não tem confirmação de quais outras autoridades, além do titular dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, devem participar da conversa.

Nesta terça (24), o ministro Miguel Rosseto, da Secretaria-Geral da Presidência, havia afirmado que estariam presentes os ministros Luis Inácio Adams (Advocacia-Geral da União) e o secretário-executivo do Ministério da Justiça, Marivaldo de Castro.

Em pelo menos 13 estados do país caminhoneiros fazem paralisação e bloqueio de rodovias. A categoria reivindica, entre outros itens, diminuição no preço do litro do óleo diesel e aumento no valor dos fretes. Também querem que o governo prorrogue o prazo de carência das dívidas contraídas por meio do programa Pró-caminhoneiro, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Ao comentar os pleitos dos caminhoneiros, Rosseto disse ainda que não está na pauta do governo a alteração no preço do diesel e defendeu diálogo entre caminhoneiros, empresários e poder público.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 - Economia 

Minas Gerais 

Caminhoneiros mantêm bloqueio na MG-050 e queimam pneus na BR-494

Caminhoneiros continuam a protestar em diferentes pontos de Minas Gerais na tarde desta quarta-feira. No fim da manhã, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que não havia mais pontos de interdição nas rodovias federais da Grande BH e na Região Centro-Oeste de Minas, mas a manifestação continua em uma BR de responsabilidade da Polícia Militar Rodoviária (PMRv) e em uma estrada estadual.

No início da tarde, 400 caminhoneiros ainda estavam parados na BR-494, na entrada de Divinópolis. Os motoristas que estão no local queimaram pneus para impedir a passagem dos veículos de carga. 

Segundo Marcelo Júnior, um dos organizadores do movimento, a Polícia Militar Rodoviária (PMRv) esteve no local, mas os policias não determinaram o fim do movimento. O diesel já está em falta no posto de combustível da rodovia. Motoristas que estão no local dizem que também há postos desabastecidos em Pará de Minas.

Veja a notícia na íntegra no site do Estado de Minas

Tags:
Fonte: Reuters + G1

1 comentário

  • Arilson Ramos Feliz Natal - MT

    A Dilma esta dizendo que não vai baixar os preços dos combustíveis, já que esta de greve eh hora de mostrar para os Ptralhas a força que o povo tem quando se une, não podemos deixar eles pensarem que faz o que bem entendem sempre. Ainda acho que as reivindicações são poucas, tem que pedir a redução dos impostos em geral.

    0