Quebra da safrinha e conflito com índios marcam ano no agro em MS

Publicado em 23/12/2016 06:51
38 exibições

A quebra de aproximadamente 34% na segunda safra de milho em Mato Grosso do Sul em 2016, com uma projeção de produção de 9,1 milhões de toneladas se transformando em uma colheita de 6 milhões de toneladas, em razão de variações climáticas como excesso de chuva, estiagem e geadas, foi um dos fatos mais marcantes para o setor no ano.

Afetou desde os produtores, alguns com perdas superiores a 70%, que se endividaram e se descapitalizaram, até outras atividades do segmento, como os criadores de bovinos, suínos e aves, que utilizam o grão na ração dos rebanhos. Com o problema no cultivo do milho, a soja se tornou a principal cultura em volume de produção no estado.

Mesmo enfrentando atrasos no ciclo, provocados também pelo clima, que afetou até mesmo a sanidade das lavouras, os agricultores sul-mato-grossenses registraram uma safra recorde. No entanto, Chapadão do Sul, chegou a ser o município do país com maior número de casos de ferrugem asiática na temporada. Já na pecuária, a restrição na ofertas de animais terminados para o abate ajudou a manter as boas cotações, apesar da queda no consumo no mercado interno, pressionar os preços e provocar alguns oscilações ao longo do ano.

Leia a notícia na íntegra no site G1 - MS.

Tags:
Fonte: G1 - MS

0 comentário