Presidente da Embrapa visita unidade de Bagé e conversa com setor produtivo

Publicado em 01/03/2019 10:20
72 exibições

O Presidente da Embrapa, Sebastião Barbosa, esteve em Bagé (RS) para conhecer a Embrapa Pecuária Sul, uma das unidades mais ao sul do Brasil, entre as 42 existentes. Recém-empossado no cargo, em outubro de 2018, Sebastião Barbosa fez também questão de realizar um encontro com representantes de diversos setores agropecuários da Região da Campanha. O objetivo do Presidente da Embrapa foi ver de perto as principais características da pecuária subtropical brasileira, que difere principalmente pelos sistemas de alimentação e raças de bovinos e ovinos dos demais estados e Unidades que trabalham com pecuária. O encontro ocorreu na semana passada.

Durante a visita à Embrapa de Bagé, Sebastião Barbosa participou de reuniões com a equipe de empregados, nas quais obteve um panorama sobre a pecuária dos Campos Sul-brasileiros e conheceu a estrutura e as atividades da Unidade. O Chefe-geral da Embrapa Pecuária Sul, Alexandre Varella, apresentou o contexto histórico no qual o centro de pesquisa está inserido, bem como as mudanças e transformações mais recentes no uso da terra. Ao final, Varella mencionou algumas das principais prioridades para a pecuária de corte no Sul do país, apontadas em uma recente pesquisa realizada junto ao setor produtivo e os desafios para o desenvolvimento da atividade pecuária, frente à recente presença de outras culturas na região, como vitivinicultura, olivicultura, silvicultura e principalmente a soja.

Foco

Umas das questões abordadas pelo Presidente foi a necessidade de ajuste de foco para a Embrapa como um todo, principalmente diante das atuais demandas do setor produtivo. “É fundamental ter um foco mais acentuado. Precisamos é fazer a diferença, senão vamos tratar tudo, e pulverizar os recursos muito limitados da Embrapa para tentar uma agenda muito ampla, e no final não causar impacto em nenhuma das áreas”, apontou Barbosa.

Resultados da Pesquisa

Durante a visita ao Centro de Pesquisa de Bagé, o Presidente conheceu os principais destaques de trabalho da Unidade realizados nos últimos anos, apresentados em pequenas estações de campo. Em cada local foi mostrada a dinâmica de trabalho da equipe e os resultados obtidos até o presente momento nos seguintes temas: produção e qualidades de sementes, cultivares forrageiras de clima temperado futuros lançamentos; trabalhos com foco em ovinocultura (aproveitamento integral da carne ovina, genes de prolificidade, organização da cadeia produtiva); método integrado para recuperação de pastagens e o aplicador seletivo Campo Limpo para o controle do capim-annoni e outras invasoras; trabalhos com foco em bovinocultura de corte (seleção genômica para resistência ao carrapato, provas de avaliação a campo, linhagem Brangus-Ibagé); e, ao final foram abordadas transformações recentes no território, missão da Unidade e perspectivas futuras.

O encontro finalizou com uma importante conversa com os empregados, para responder perguntas sobre os mais distintos temas, além de mostrar o atual posicionamento da Embrapa, que é buscar estar mais próximo do setor produtivo, visando atender às necessidades prementes da agropecuária brasileira. Para tanto, as Unidades deverão realizar uma revisão das prioridades da pesquisa, bem como novas formas de financiamento, tendo em vista o cenário de fortes restrições orçamentárias que dificultam a renovação do quadro de empregados e cientistas da Empresa.

Setor Produtivo

Durante a noite, Sebastião Barbosa esteve reunido com diversos representantes e agentes das diferentes cadeias produtivas e com as quais a Unidade atua. Dessa forma, foi possível ao Presidente da Embrapa conhecer as demandas do setor produtivo, além de ouvir sobre o papel e os desafios da Embrapa diretamente dos interlocutores da cadeia de bovinos e ovinos e dos principais parceiros e agentes que se relacionam com a Embrapa Pecuária Sul. Entre os principais assuntos e demandas abordados estavam o carrapato e a tristeza parasitária bovina; a importância da agricultura como um elemento dentro da Integração Lavoura Pecuária, a diferenciação da carne e o controle do capim-annoni. De acordo com a visão do Presidente, todos estes temas já vêm sendo trabalhados pela Pesquisa, mas é fundamental que fatos novos sejam gerados.

“O Sistema Embrapa precisa gerar fatos novos sobre os desafios graves de cada região daqui pra adiante. Precisamos sair do discurso do que foi feito para o que vamos fazer. Isso demanda arriscar, com pesquisas fora da curva”, aponta Sebastião Barbosa. Além desses temas, outro aspecto apontado pelos parceiros é que a Empresa precisa rever suas estratégias de interlocução com seus variados públicos, buscando uma maior proximidade junto às realidades dos produtores, na busca por resultados mais efetivos.

Perfil

Sebastião é engenheiro agrônomo, especialista em Entomologia (estudo dos insetos de importância agronômica) e foi contratado pela Embrapa em 1976 para atuar em programas de controle e erradicação de pragas. Por 17 anos trabalhou na Organização das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura (FAO), no Serviço de Proteção de Plantas, em Roma, Itália; e no escritório para a América Latina e o Caribe, em Santiago, Chile - nesse período manteve-se licenciado sem receber rendimentos da Empresa. Também foi coordenador de cooperação internacional da Embrapa e Chefe-Geral da Embrapa Algodão, centro de pesquisa localizado em Campina Grande, na Paraíba, além de outras atividades exercidas na estatal.

Filho de agricultor sem terra do interior de Minas Gerais, o novo presidente da Embrapa terá pela frente a missão de conduzir uma das mais reconhecidas empresas públicas de pesquisa da faixa tropical do mundo em um período de fortes restrições orçamentárias e financeiras e a possíveis mudanças no Governo Federal, com a posse de um novo presidente da República.

Tags:
Fonte: Embrapa

Nenhum comentário