EUA podem permitir pagamento de auxílio a agricultor por terras sem condição de plantio

Publicado em 11/06/2019 09:24
97 exibições

LOGO REUTERS

CHICAGO (Reuters) - O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) está buscando meios de permitir que produtores rurais que não puderam plantar devido a chuvas e campos alagados possam ser qualificados para pagamentos de um programa de ajuda agrícola, disse o secretário de Agricultura, Sonny Perdue, na segunda-feira.

A agência do governo está explorando opções que permitiriam a produtores que entrem com pedidos de seguro dentro da política de "plantio impedido" a continuarem elegíveis a um pagamento parcial dentro de um pacote de ajuda de 16 bilhões de dólares, disse Perdue em um comunicado.

Mas os agricultores precisarão plantar uma cultura de cobertura, uma prática tipicamente destinada a evitar a erosão do solo, acrescentou Perdue.

"O USDA não está legalmente autorizado a fazer pagamentos do Programa de Facilitação do Mercado aos produtores por áreas que não foram plantadas. No entanto, estamos explorando flexibilidades legais para fornecer um pagamento mínimo por acre", disse Perdue.

O USDA anunciou seu pacote de ajuda em 23 de maio para compensar parcialmente as perdas de agricultores em meio à atual disputa comercial EUA-China.

O USDA ofereceu poucos detalhes além da estrutura de pagamento por hectare e da lista de culturas que os agricultores devem plantar para serem aptos ao auxílio.

A agência não divulgou se os agricultores que apresentaram pedidos por terras sem condições de plantio se qualificariam para receber ajuda e muitos agricultores tomaram decisões de plantio presumindo que só poderiam se qualificar para um dos benefícios.

O plantio de milho e soja nos EUA está em ritmo bem abaixo do normal, e os prazos finais regionais de plantio especificados nas chamadas políticas de plantio impedido já passaram em muitas áreas.

Mais detalhes do programa de ajuda serão anunciados nas próximas semanas, disse o USDA.

(Por Karl Plume)

Tags:
Fonte: Reuters

0 comentário