Cientista afirma que aquecimento global é natural e pode favorecer a agricultura

Publicado em 17/05/2010 07:22 e atualizado em 09/03/2020 19:18 1280 exibições
Afirmação polêmica é do cientista Gustavo Baptista. Segundo ele, alterações fazem parte de um ciclo e vai favorecer lavouras de MT.
Contrariando diversos estudos que traçam perspectivas sombrias para a agricultura brasileira caso se confirme a previsão de elevação da temperatura do planeta nos próximos anos, o cientista e professor da Universidade de Brasília (UnB), Gustavo Macedo de Mello Baptista, afirmou em Cuiabá que o tão propalado aquecimento global não terá impacto negativo no campo. "Pelo contrário, vemos vantagens para os agricultores, pois muitas culturas – como a soja e o algodão, das quais Mato Grosso tem tradição e lidera em volume de produção – precisam de sol e luminosidade. Não há motivos para alardes e tudo está sob controle", tranqüilizou o cientista.

Doutor em Geologia pelo Instituto de Geociências da UnB, Gustavo Baptista esteve recentemente em Cuiabá para ministrar palestra no 6º Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária (Enipec), promovido pela Federação da Agricultura e Pecuária (Famato) no Centro de Eventos do Pantanal, no início deste mês. Após sua palestra "Clima e sustentabilidade – O desafio da agropecuária no século XXI", ele falou ao Diário sobre os reflexos da elevação da temperatura no planeta, com ênfase para a agricultura.

"Na verdade, existe uma corrente ambientalista da ciência que associa o aquecimento global à falta de sustentabilidade do planeta em aturar um possível aumento de temperatura. Este setor aponta inclusive atividades de desmatamento como uma das grandes causadoras do aquecimento, o que é uma inverdade. Estão fazendo um grande alarde sobre um evento – aquecimento global – que é natural e que já está começando a ocorrer. No entanto, não vemos sinais de catástrofes, pelo contrário, a agricultura vem reagindo bem ao aumento das temperaturas e a produtividade tende a ser cada vez mais alta mesmo neste cenário de calor intenso", sustenta Baptista.

Na opinião do cientista, Mato Grosso apresenta vantagens climáticas em relação a outras regiões, lembrando que o Estado é um dos mais afastados dos efeitos marítimos, ou seja, está mais longe do mar. "Associado a isso, Mato Grosso sofre um período de estiagem marcado pela massa tropical continental. Porém, desde 2005 as séries históricas de temperatura obtidas por satélites e divulgadas pela Universidade do Alabama Huntsville (UAH) têm mostrado uma tendência de redução e a partir de 2007/2008, começamos uma nova fase fria do oceano Pacífico, o que significa mais eventos do tipo La Niña, que tendem a intensificar as condições climáticas". Concluindo, ele diz que, associado a um novo ciclo solar com menos intensidade, "devemos ter as próximas décadas apresentando uma tendência ao resfriamento e não ao aquecimento global. Pelo menos é assim que a temperatura global vem se comportando nas últimas décadas".

Baseado em estudos sobre Climatologia, o cientista cria polêmica no livro "Aquecimento Global: Ciência ou Religião?", ao revelar que o clima planetário segue uma dinâmica natural, com alternância de ciclos de resfriamento e aquecimento e que, portanto, o homem não é tão culpado assim. Ele chama atenção para a "falsa catástrofe" criada em torno do assunto.

O livro esclarece como as oscilações naturais da atividade solar, dos oceanos, dos vulcões e de outros elementos interferem no comportamento da temperatura global, além de questionar o que existe de subjetivo no tema aquecimento global.

Para o autor, existe uma diferença entre convencer as pessoas a reduzirem as emissões de gases atmosféricos para evitarmos a poluição, e criar uma pseudo-catástrofe que leva as pessoas ao desespero. "Eu acho cruel anunciar que os níveis oceânicos vão aumentar e as pessoas terão de sair de casa de canoa", disse.

Gustavo Baptista, que é professor adjunto da UnB e atua no curso de Gestão Ambiental de Planaltina (FUP) e no Programa de Pós-Graduação em Geociências Aplicadas no IG/UnB, tem se dedicado ultimamente aos estudos de recursos naturais, bem como os impactos ambientais decorrentes da atividade humana, por meio das geotecnologias.

Tags:
Fonte:
Diário de Cuiabá

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • L. Adriano Goiânia - GO

    Acredito que repórteres deveriam ter um mais conhecimento geral.

    Qualquer pessoa que tenha estudado Ciências com carinho no segundo grau.

    Deveria se lembrar de ter aprendido que o CO2 é ALTAMENTE benéfico para TODOS os vegetais.

    Em alguns períodos geológicos anteriores, havia muito, mas muito mais CO2 que atualmente, e nestes períodos os vegetais tomavam conta da Terra e eram enormes.

    Então noticiar, que a afirmação, que mais CO2 é melhor para a agricultura, é uma afirmação polêmica, é estarrecedor !

    0
  • Climaco Cézar de Souza Taguatinga - DF

    O Dr. Gustavo Baptista tem toda a razão e muito me surpreende que um jornal do porte do Diário de Cuiabá não tenha jornalistas que conheçam bem tal assunto, ou que não leram tudo o escrevemos aqui neste site, pois, assim, não fariam uma reportagem tão jocosa.

    QUANTO MAIOR O SOL, CALOR E NIVEL DE CO2 MAIORES OS CRESCIMENTOS, AS PRODUTIVIDADES E O RENDIMENTO INDUSTRIAL DOS CULTIVOS E DA PECUÁRIA. ALIÁS O CO2, INCRIVELMENTE, EH CONHECIDO ENTRE OS CIENTISTAS SÉRIOS COMO O GÁS DA VIDA COLETIVA E O OXIGENIO COMO O GÁS INDIVIDUAL. O CO2 GERA ALIMENTOS PARA TODOS (as plantas, inclusive, pastagens respiram CO2 e com ele crescem e frutificam, produzindo oxigenio para humanos e animais), SEM OS QUAIS É IMPOSSÍVEL VIVER. JÁ O OXIGENIO, EMBORA FUNDAMENTAL PARA NOSSA RESPIRAÇÃO, SO BENEFICIA OS HUMANOS E ANIMAIS E QUE SÃO UM MINORIA, DIANTE DE UM PLANETA QUASE QUE TOTALMENTE VEGETAL, INCLUINDO OS PLACTONS.

    0