Colheita no MT e RS

Publicado em 24/05/2010 10:51 299 exibições

A região norte de Mato Grosso deu o pontapé para colheita do milho safrinha 2010. Mesmo com informações de colheitas feitas ainda no final da semana passada, produtores da região dizem que por enquanto os volumes extraídos são considerados inexpressivos e bem pontuais. As lavouras que recebem as colheitadeiras neste momento são aquelas que tiveram o cereal semeado no final de janeiro.<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Como explica o recém-empossado presidente do Sindicato Rural de Sinop (503 quilômetros ao norte de Cuiabá), Ilson José Redivo, a falta de umidade nas lavouras fez com que alguns produtores da região reiniciassem os trabalhos no campo. A colheita, considerada ainda inexpressiva, não oferece subsídios para se avaliar os efeitos da estiagem sobre a safrinha 2010. "Mas, é certo que a produtividade será menor porque a estiagem, severa, comprometeu o desenvolvimento do grão".

Como explica Redivo, o milho que começa a ser colhido na região de Sinop foi cultivado no final de janeiro e a lavoura mais tardia, no final de fevereiro. "O forte da colheita, o pico da região, acontece entre a segunda quinzena de junho e a segunda quinzena de julho. A partir deste período será possível comparar produtividades e analisar resultados.

O presidente licenciado do sindicato, Antônio Galvan, estima que o município de Sinop tenha cultivado neste ciclo cerca de 60 mil hectares de milho safrinha, já a região norte 1 – formada por municípios no eixo da BR 163, acima de Sorriso e Lucas do Rio Verde – com mais de uma dúzia de cidades teria cerca de 500 mil hectares plantados com o grão.

O presidente do Sindicato Rural de Sapezal (município a 480 quilômetros ao noroeste de Cuiabá), Guarino Fernandes, conta que o milho está seco e assim, pronto para ser colhido. "Estive a semana toda fora e não tenho conhecimento de colheita ainda, mas da estrada se vê que o milho está seco e certamente, se a colheita não foi iniciada por ninguém aqui no noroeste, está prestes a começar".

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado (Famato), Rui Prado, explica que nesta reta final de maio é comum o início da colheita em pequenas porções e de forma bem pontual, porém ela observa que o longo período sem chuvas possa de alguma forma ter antecipado a maturação das lavouras e, por isso, o milho esteja pronto para colheita em várias propriedades mato-grossenses. Rui, que é produtor em Campo Novo do Parecis (396 quilômetros ao noroeste de Cuiabá), anunciou que começa a colher milho nesta segunda-feira. "Como não fui um dos primeiros a plantar e já vou colher, acredito que outros produtores estejam colhendo há algum tempinho".

O produtor da região sul-mato-grossense, João Carlos Diel, disse na sexta-feira (21) que não há registros de colheita ainda e que os trabalhos deverão ter início em cerca de 15 dias.

Imea– O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) deverá divulgar na próxima semana nova estimativa de safra ao milho safrinha. Por enquanto, a atual temporada que chegou a ser projetada em mais 9,5 milhões de toneladas, e até em 10 milhões, foi revisada em levantamento do mês passado para baixo, em torno de 8,73 milhões. O volume previsto em abril, apesar de 8,6% abaixo da primeira estimativa, se confirmado, estará 2,7% acima dos 8,50 milhões de toneladas colhidas no ano passado. No mesmo levantamento de abril já havia a projeção de quebra de 14% na produtividade, na comparação o resultado do ano passado, com o rendimento passado de 84 sacas por hectare para 72 sacas.

Conforme dados do Imea, a região médio norte concentra mais de 47% dos hectares cultivados com o milho nesta safra, ou 982,82 milhões de hectares, dos mais de 2 milhões semeados com o grão. Em seguida está a região sudeste, com participação de 24,80%, ou pouco mais de 418 mil hectares.

Aprosoja – De acordo com informações divulgadas na última quinta-feira pela Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado (Aprosoja/MT), Sorriso - maior produtor de soja do país - espelha a situação da região médio norte mato-grossense. Segundo a Somar Meteorologia, em abril choveu apenas 7,3 milímetros (mm), uma brusca redução de 95% em relação à média climatológica ideal prevista de 138,3/mm para o município.

As condições climáticas desfavoráveis também foram registradas em Sapezal, no oeste mato-grossense. No município, as precipitações em abril ficaram 47% abaixo da média esperada de 197,1/mm, com chuvas de 104/mm. A região teve no mês passado o segundo menor volume de chuva registrado dos últimos dez anos, ficando à frente apenas do ano de 2001, quando choveu 93/mm em abril.

Colheita de milho atinge 80% no RS - A colheita de milho no Rio Grande do Sul alcança 80%, aumento de apenas 2% em relação à semana passada. Somente 6% estão em fase final de formação de grãos, que não devem ser afetados pelas recentes condições adversas, de insolação e temperatura, de acordo com boletim da Empresa de Assistência Técnica e Extenção Rural (Emater).

Os rendimentos já obtidos garantem boa safra aos produtores, oferecendo ao estado uma produção além da expectativa, tendo em vista a redução da área em relação à 2009.

Como de costume, a colheita deverá se prolongar até o início de julho, uma vez que o restante do milho a ser colhido se encontra em pequenas propriedades, onde a logística e o armazenamento são deficitários e o grão permanece maduro nas lavouras além do ponto recomendado, perdendo em qualidade.

A semana apresentou pequena elevação de 1,20% no preço médio estadual da saca de 60 quilos, a R$ 15,14.

 
Tags:
Fonte:
Diário de Cuiabá

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário