"Aplicação de agrotóxico mais elevada no PR é natural"

Publicado em 31/05/2010 08:09 643 exibições
Segundo diretor da Andef, uso de defensivos está ligado às culturas e ao volume produzido na região; indústria capacita produtores para utilização regular dos produtos.
O volume de defensivos agrícolas aplicado nas lavouras do Paraná superior à média nacional é natural. A afirmação é do diretor executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), que reúne as principais indústrias do setor, Eduardo Daher, que explica que a quantidade está diretamente ligado às culturas e ao volume produzido na região e o Estado é um dos principais produtores de grãos do País. Na quinta-feira, dados de uma pesquisa realizada pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), apontou que em 2008 o Paraná consumiu em média 12 quilos de agrotóxico por hectare ao ano, sendo que a média nacional era de 4 quilos. O Estado ficou em terceiro no ranking nacional, perdendo apenas para São Paulo e Minas Gerais.

Daher observa que o uso de defensivos no País também está relacionado ao fato de ser uma região de clima tropical, com alta capacidade produtiva e com possibilidade de duas safras ao ano. Em 2008, para se ter uma ideia, conforme informações da própria Andef, o Brasil foi o maior consumidor de agrotóxicos do mundo.

""Mas é maior porque o clima é tropical e há incidência maior de pragas, doenças e ervas daninhas"", pontua Daher, que ressalta ainda que a área de plantio direto - que exige aplicação de defensivos - desenvolvida no País também é a maior do mundo. A aplicação, e o crescimento, desses produtos também é natural na medida em que o País tem potencial para ser o maior produtor de alimento do mundo até 2020, acrescenta o diretor da Andef.

A aplicação descontrolada de agrotóxico, contudo, preocupa a Andef, que tem incentivado o manejo integrado de culturas, estimulando o uso correto de defensivos e de materiais mais eficientes. Segundo Daher, existem materiais modernos, de pós-emergência, bastante interessantes para serem aplicados onde e quando surgem as doenças. ""São produtos mais eficientes e exigem aplicação de doses menores"", ressaltou.

Daher ainda destacou que a aplicação de defensivos não pode ser avaliada do ponto de vista pacional, por nenhuma das partes, mas de forma mais racional. Se há um uso desmedido de defensivos, acrescenta ele, é preciso que a situação seja analisada. ""Mas será que não há um exagero nessas considerações. Há um custo para se aplicar esses materiais, será que produtor joga dinheiro fora?"", questiona.

O diretor da Andef acrescenta que a entidade tem trabalhado sob três pilares: ciência, educação e sustentabilidade. Inúmeras pesquisas têm sido desenvolvidas para gerar produtos mais racionais e eficientes. Produção que priorize a preservação do meio ambiente e educação, buscando a qualificação de quem aplica o produto. Nesse sentido, alguns resultados são positivos, como o dado de que em 2009 o Brasil recolheu 94% das embalagens de agrotóxicos utilizadas no País e o de que entre 1990 e 2000 o número de toxicidade nas moléculas desenvolvidas foi 100 vezes menor. O segmento, segundo ele, investe cerca de US$ 250 milhões em pesquisas anualmente, sendo que 60% vai para estudos toxicológicos e ambientais.

Tags:
Fonte:
Folha de Londrina

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário