Presidente da Famato fala sobre metas

Publicado em 21/06/2010 07:44 138 exibições
O produtor rural e médico veterinário, Rui Ottoni Prado, tomou posse, recém empossado para como presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), fala sobre algumas de suas metas à frente da entidade que congrega produtores rurais de todo o Estado.

A Gazeta - Qual a principal meta de sua gestão, principalmente se comparado com o trabalho realizado na gestão anterior?

Rui Ottoni Prado - A meta da atual é a busca da sustentabilidade ampla do produtor rural, ou seja uma produção economicamente viável, ecologicamente correta e socialmente justa. Mas muitos projetos iniciados na gestão anterior serão mantidos e reforçados, como fomentar a infra-estrutura e logística do Estado de Mato Grosso e equacionar ativos e passivos ambientais.

A Gazeta - E quanto aos desafios, há setores específicos a serem trabalhados?

Prado - Além da solução dos problemas de logística e ambientais, citados anteriormente, o principal desafio da atual gestão está na melhoria da renda do produtor rural.

A Gazeta - Hoje pode-se dizer que os produtores rurais de Mato Grosso estão unidos?

Prado - Sim, e ainda há muito o que melhorar, mas olhando para trás podemos dizer que estamos unidos e, o que é mais importante, é que olhando para a frente vemos um futuro melhor do que o presente. A atual gestão descentralizou a administração com a criação de cinco vice-presidências regionais. Elas foram criadas para que cada região discuta e decida sobre o que é melhor para os produtores que ali vivem e trabalham, e que tem as suas peculiaridades. Estimulando maior participação dos sindicatos na administração e solução dos seus problemas específicos, a Famato também espera que novas lideranças se formem.

A Gazeta - Há segmentos que necessitam de uma integração maior junto à Famato?

Prado - A pecuária é um dos carros-chefe da federação e continuará sendo assim no futuro. Entendemos que o processo produtivo exige trabalho integrado e vamos continuar apostando na integração da lavoura com a pecuária. É importante destacar que quando falamos em pecuária normalmente pensamos em gado de corte, já que temos o maior rebanho bovino do país, com mais de 27 milhões de cabeças, mas há outros segmentos da pecuária que estão se desenvolvendo rapidamente, como a suinocultura, avicultura, ovinocultura e psicultura e que no futuro próximo devem ganhar representatividade.

Tags:
Fonte:
Gazeta Digital

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário