Dilma abre 24 pontos sobre Serra

Publicado em 28/08/2010 10:00 e atualizado em 29/08/2010 20:59 584 exibições
Crescimento da candidata petista foi de oito pontos porcentuais se comparado ao levantamento anterior feito pelo mesmo instituto


Após dez dias de exposição dos candidatos à Presidência no horário eleitoral, a petista Dilma Rousseff abriu 24 pontos de vantagem sobre o tucano José Serra. Se a eleição fosse hoje, ela venceria no primeiro turno, com 59% dos votos válidos.

Segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo, Dilma chegou a 51% das intenções de voto, um crescimento de oito pontos porcentuais em relação ao levantamento anterior do mesmo instituto, feito às vésperas do início da propaganda eleitoral.

Desde então, Serra passou de 32% para 27%. Marina Silva, do PV, oscilou de 8% para 7%. Somados, os adversários da petista têm 35 pontos, 16 a menos do que ela.

A performance de Dilma já se equipara à de Luiz Inácio Lula da Silva na campanha de 2006. Na época, no primeiro turno, o então candidato petista teve 59% dos votos válidos como teto nas pesquisas.

Geografia do voto. Dilma ultrapassou Serra em São Paulo (42% a 35%) e tem o dobro de votos do adversário (51% a 25%) em Minas Gerais - respectivamente primeiro e segundo maiores colégios eleitorais do País.

No Rio de Janeiro, terceiro Estado com a maior concentração de eleitores, a candidata do PT abriu nada menos do que 41 pontos de vantagem em relação ao tucano (57% a 16%).

Na divisão do eleitorado por regiões, Dilma registra a liderança mais folgada no Nordeste, onde tem mais que o triplo de votos do rival (66% a 20%%). No Sudeste, ela vence por 44% a 30%, e no Norte/Centro-Oeste, por 56% a 24%.

A Região Sul é a única em que há empate técnico: Dilma tem 40% e Serra, 35%. A margem de erro específica para a amostra de eleitores dessa região chega a cinco pontos porcentuais. Mas também entre os sulistas se verifica a tendência de crescimento da petista: ela subiu cinco pontos porcentuais na região, e o tucano caiu nove.

Ricos e pobres. A segmentação do eleitorado por renda mostra que a candidata do PT tem melhor desempenho entre os mais pobres. Dos que têm renda familiar de até um salário mínimo, 58% manifestam a intenção de votar nela, e 22% em Serra.

Na faixa de renda logo acima - de um a dois salários mínimos -, o placar é de 53% a 26%. Há um empate entre a petista (39%) e o tucano (38%) no eleitorado com renda superior a cinco salários.

Também há empate técnico entre ambos no segmento da população que cursou o ensino superior. Nas demais faixas de escolaridade, Dilma vence com 25 a 28 pontos de vantagem.

A taxa de rejeição à candidata petista oscilou dois pontos para baixo, mas se mantem praticamente a mesma desde junho, próxima dos 17%. No caso do candidato tucano, 27% afirmam que não votariam nele em nenhuma hipótese.

A disparada da candidata apoiada pelo presidente Lula disseminou a expectativa de que ela vença a eleição. Para dois terços da população, a ex-ministra tomará posse em janeiro como sucessora do atual presidente. Apenas 19% dos eleitores acham que Serra será o vitorioso.

Mulheres. Com boa parte de sua propaganda direcionada à conquista do eleitorado feminino - dando destaque à possibilidade de uma mulher assumir pela primeira vez a Presidência -, Dilma cresceu mais entre as mulheres (nove pontos) que entre os homens (cinco pontos).

Na simulação de segundo turno, a vantagem de Dilma entre as mulheres é agora praticamente a mesma que entre os homens, um fato inédito na campanha. O próprio Lula sempre teve mais votos entre os homens.

A pesquisa mostra que 57% dos eleitores já assistiram a pelo menos um programa do horário eleitoral.

Segundo o Ibope, 50% dos brasileiros preferem votar em um candidato apoiado pelo presidente, e 9% tendem a optar por um representante da oposição. Do total do eleitorado, 88% sabem que Dilma é a candidata de Lula.

O governo do presidente é considerado ótimo ou bom por 78% dos brasileiros. Outros 4% consideram a gestão Lula ruim ou péssima. 

Não são atributos da petista que seduzem os eleitores

2 em cada 3 votos vêm da transferência de prestígio do presidente; para 54% dos entrevistados, Dilma continuará governo Lula, por José Roberto de Toledo

Por que 51% dos eleitores declara voto em Dilma Rousseff (PT)? Principalmente porque, entre todos os candidatos a presidente, ela é vista como "a que tem mais condições de dar continuidade ao governo Lula". Mas não só por isso.

Segundo a maioria absoluta do eleitorado, Dilma é a melhor presidenciável para manter o poder de compra da população, assegurar o prestígio do Brasil no exterior e cuidar dos mais pobres.

O Ibope testou oito temas junto aos eleitores. Em apenas um deles, "melhorar a qualidade da saúde e dos hospitais do País", José Serra (PSDB) se equiparou à petista como o mais apto a realizar a tarefa. Nos outros sete, a petista foi apontada por mais eleitores como a mais indicada.

Fator Lula. A pesquisa também deixa claro que não é pelos atributos pessoais que Dilma seduz tantos eleitores. Dois em cada três votos vêm explicitamente da transferência de prestígio do presidente.

Nada menos do que 54% dos eleitores de Dilma citam como principal razão desse seu voto a continuidade do governo Lula, e outros 12% falam que votam nela porque é a candidata de Lula.

Apenas 8% creditam seu voto ao fato de ela ter "mais capacidade para governar o País". Outros 5%, por sua história de vida, e 4% por ela ser mulher.

Entre os eleitores de Serra, o motivo mais citado para votar nele (34%) é porque ele tem mais condições de avançar na saúde, segurança e educação. Outros 27% citam sua capacidade para governar o País.

Assim como mais eleitores votam na petista, é esperado que, aos olhos do eleitorado, Dilma supere os adversários também na capacidade de realizar as tarefas listadas. Mas em três dos temas ela se destaca mais do que em outros, pois atinge maioria absoluta.

Para 54% do total do eleitorado e 89% dos seus eleitores, Dilma é a melhor para "manter a nossa economia forte e o crescimento do poder de compra da população". Só 26% apontam Serra, e 4%, Marina Silva (PV).

Surpreendentemente, 53% dos eleitores (e 89% dos dela) dizem que Dilma é a melhor para "manter o prestígio do Brasil no exterior".

Finalmente, 52% do eleitorado (e 87% dos que votam nela) aponta Dilma como a mais indicada para "dar atenção à população mais pobre".

Como era de se esperar, o tema no qual Marina se sai melhor é "melhorar a preservação do meio ambiente", com 19% das citações dos eleitores, contra 22% de Serra e 40% de Dilma. 

Tags:
Fonte:
O Estado de S. Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Está tudo dominado... pela plebe, que mal sabe de onde vem os alimentos e outros produtos. Não fazem idéia, entretanto a maria vai com as outras. Collor saiu da Presidencia com o Governo devendo 62 bilhões. Itamar Franco deixou o Governo devendo 92 bilhões. FHC entregou o Governo ao Lulla lá... devendo 630 bilhões e a coitada da Dilma herdará tudo com uma dívida de R$ 1,8 trilhões. Dá para notar que "todo nosso progresso" no periodo Lullar é ôco? Que foi feito com base em empréstimos? Será que até 2018 a Dilma também triplicará nossa divida novamente? Eita nóis... Quero presenciar o dia que o Governo sentenciar "a partir de hoje os titulos federais serão resgatados somente no vencimento"... Lá por 2025... 2030... Alguma vez você já olhou o Vcto do Titulo no qual V. fez alguma aplicação monetária (financeira)??

    0