Monitoramento Rural: Produtores se dizem menos vulneráveis

Publicado em 14/09/2010 08:10
733 exibições
Depois de ter a sua propriedade invadida por integrantes do Movimento Sem Terra (MST), o produtor rural Anton Schmidt, de Reserva do Iguaçu, decidiu investir no monitoramento rural. Não me arrependo. Acredito que o projeto ainda pode melhorar, mas é uma maneira de inibir crimes, opina. Ele mantém o serviço há cinco anos.

Eduardo Josef Reinhofer, outro produtor rural que contratou o monitoramento logo que foi implantado, se diz satisfeito. É claro que ele precisa ser aprimorado, porque tem falhas, mas não pode parar. Ele relata que continua enfrentando problemas como o furto de milho no campo. Nesse caso, aciona a empresa contratada e diz que o resultado é bastante positivo.

O número de produtores que buscam o sistema é crescente. O roubo de um trator e uma caminhonete, além de gado, fez com que o produtor rural Aldo Bona, de Reserva do Iguaçu, procurasse o serviço há seis meses. Não aguentava mais os furtos e também a entrada de caçadores na fazenda. Agora estou mais tranquilo. ssÉ melhor prevenir. Viver com insegurança no campo é muito ruim. Espero não ter mais problemas, desabafa.

Caça e pesca foi o motivo que levou o produtor rural de Guarapuava Gabriel Gerster a contratar o serviço. Uma vez me roubaram uma lona. O problema não foi a lona, mas o prejuízo que tive por causa do milho que molhou. Após a implantação do sistema, não tive mais problemas, relata.
Tags:
Fonte: Gazeta do Povo

Nenhum comentário