Conab coordena estudo inédito sobre perdas na produção

Publicado em 13/10/2010 13:32
257 exibições
Técnicos da Conab, da Embrapa e de outras instituições parceiras estão reunidos esta semana no Centro de Desenvolvimento de Recursos Humanos (CDRH) da Companhia para debater as perdas na pós-colheita de grãos no Brasil. A ação, que é coordenada pela Conab, é inédita no Brasil. Seu objetivo é identificar  estas perdas nas etapas de armazenamento e transporte dos produtos agrícolas. O levantamento leva em consideração, por exemplo, a localização do produto, a diversidade climática e as características do armazém, dentre outros fatores. O encontro segue até sexta-feira (15). Esta é a segunda reunião do grupo. A primeira ocorreu em maio, na sede da Embrapa.
O Estudo das Perdas Quantitativas e Qualitativas na Pós-Colheita de Grãos do Programa de Abastecimento Alimentar é inédito no país. Ele está inserido no Plano Plurianual de Governo 2008/2011 e se constitui, há muito, em uma demanda do agronegócio brasileiro. A identificação e quantificação destas perdas que ocorrem no armazenamento e no transporte de grãos produzirão informações fundamentais para a regulamentação do setor e a implementação de políticas visando a sua minimização. Isso evitará prejuízos aos produtores, às empresas armazenadoras e, principalmente, ao país. O Brasil produz anualmente cerca de 150 milhões de toneladas de grãos. Cada 1% de perda representa um prejuízo superior a R$ 500 milhões de reais.
Esta ação da Conab, além de atender aos anseios dos órgãos de controle tais como o TCU e a CGU, também vai ao encontro dos interesses da comunicade científica e do setor de armazenagem brasileiros. Por isso a Conab propõe a realização deste estudo juntamente com a Embrapae outros parceiros.
De acordo com o setor responsável, na Conab, não há dúvidas de que ocorrem perdas significativas de peso durante o transporte de grãos no país. Esta é uma lacuna que deve ser preenchida com pesquisas e trabalhos técnicos-científicos, levando-se em conta a extensão continental do Brasil e a sua diferenciação de climas nas diversas regiões. Mesmo porque os estudos internacionais que abordaram este tema ocorreram em países de clima frio, havendo, portanto, a necessidade de estudos voltados às condições brasileiras.
Tags:
Fonte: Conab

Nenhum comentário