Em encontro com Dilma, líderes evangélicos cobram 'carta aberta à nação' sobre temas polêmicos

Publicado em 13/10/2010 16:19
524 exibições



Em meio à polêmica sobre a descriminalização do aborto na corrida presidencial, líderes evangélicos cobraram nesta quarta-feira que a candidata do PT, Dilma Rousseff, apresente uma "carta aberta à nação" com compromissos firmes contra temas-tabus para os religiosos.

O apelo é para que Dilma seja mais contundente em relação ao aborto, casamento homossexual, adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo e liberdade religiosa.

Alguns líderes religiosos chegaram a garantir que, se eleita, ela vetará qualquer iniciativa que afronte algumas dessas pautas.

A sugestão foi apresentada hoje durante um encontro da candidata com 51 representantes dos segmentos evangélicos. "Falar mal é fácil. Para falar bem você precisa de argumentação. [...] O problema é que estamos perdendo a guerra por falta de contundência", disse o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que nos últimos dias visitou 12 templos defendendo o voto em Dilma.

No discurso aos aliados, Dilma pediu o empenho das bases à sua campanha e, segundo relatos, teria repetido ser contra o aborto. No início de sua intervenção, a candidata declarou precisar primeiro da ajuda de Deus e dos votos cristãos para ganhar.

A avaliação dos aliados é de que é preciso executar ações de mídia para rebater os boatos que circulam nos segmentos religiosos contra a candidata. Após a reunião, políticos e líderes evangélicos gravaram depoimentos para serem usados na propaganda eleitoral.

"Ela não vai encaminhar nem sancionar qualquer coisa que ofenda os direitos religiosos, que descriminalize o aborto ou que promova o casamento homossexual", afirmou o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ).

Dilma deixou o encontro sem falar com a imprensa.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a candidata à Presidência da República pelo PT, Dilma Rousseff, se reuniram hoje por cerca de uma hora com líderes evangélicos e parlamentares da bancada evangélica. Mais de 60 pessoas participaram do encontro, que foi realizado a portas fechadas em um hotel de Brasília. O objetivo foi confirmar o compromisso de fé da candidata do governo com a liberdade religiosa e garantir que não encaminhará ao Congresso Nacional a proposta de legalização do aborto.

dilmaev.jpg

Dilma segura uma Bíblia durante encontro com líderes evangélicos. Foto: Ed Ferreira

Ao final do encontro foram gravadas algumas mensagens de apoio dos evangélicos à candidata. Lula entrou e saiu pela garagem do prédio, sem falar com a imprensa. Ele e Dilma se encontrarão mais tarde em Teresina (PI), durante comício.

Arcebispo de Brasília faz crítica indireta à candidata do PT em missa para 90 mil pessoas

O casal Joaquim e Weslian Roriz (PSC) e a candidata Dilma Rousseff (PT) foram ontem os alvos principais do arcebispo de Brasília, d. João Braz de Aviz, durante missa para Nossa Senhora Aparecida.

O arcebispo elogiou a Lei da Ficha Limpa, considerando-a vitoriosa por impedir que políticos de ficha suja concorram ou continuem com suas campanhas. D. João Braz ainda criticou candidatos e partidos que, após caírem nas pesquisas, afirmam o contrário do que há pouco afirmavam em torno de questões religiosas e valores decorrentes, como o aborto.

Ao se referir à incoerência política, ele afirmou: Agora, com o perigo de ver seus índices de pesquisa caírem, de repente o assunto religião e seus valores decorrentes, como a defesa da vida, moveu candidatos e partidos a afirmarem o contrário do que há pouco afirmavam, disse o arcebispo durante homilia para cerca de 90 mil pessoas, realizada na Esplanada dos Ministérios.

O arcebispo de Brasília disse esperar que os políticos vencedores das eleições se lembrem de que mais de 90% dos brasileiros são identificados com os valores da fé cristã. É muito bom que os eleitos não esqueçam outro dado que emergiu no debate político: 71% dos brasileiros são contra o aborto, prosseguiu, sob aplausos do público.

A pregação do arcebispo dirigiu-se indiretamente à candidata petista Dilma Rousseff, que não compareceu à missa. A presidenciável disse, em 2007, que era a favor da descriminalização do aborto, mas adotou um discurso menos controverso depois que começou a enfrentar a contestação de lideres religiosos e manifestação de eleitores.

Entre os políticos presentes na missa, estavam Joaquim e Weslian Roriz. Os dois ouviram as considerações de d. João Braz sobre a Lei da Ficha Limpa, apoiada pela Igreja Católica.

A Ficha Limpa é uma lei vitoriosa, ajudou a impedir que políticos corruptos nos governem. Alguns foram barrados em suas candidaturas, outros foram impedidos de continuar suas campanhas, afirmou o arcebispo, para o constrangimento do casal Roriz, que aplaudiu discretamente. Na mesma fileira estava Agnelo Queiroz (PT), que lidera as pesquisas de intenção de voto para o governo do Distrito Federal.

Weslian foi catapultada à disputa ao Palácio do Buriti, após o marido ter a candidatura barrada pela Lei da Ficha Limpa. O marido renunciou ao mandato de senador em 2007 para escapar de um processo de cassação.

Já podemos dizer que o povo começou a realizar a tão esperada reforma política, que poderá tomar uma força bem maior, afirmou o arcebispo.

Tags:
Fonte: Folha de S. Paulo/Estadão

Nenhum comentário