Dilma recebe apoio informal do PP e defende plano de Marina para a Amazônia

Publicado em 14/10/2010 18:18 e atualizado em 14/10/2010 21:47
286 exibições



Em um evento que recebeu mais uma vez o apoio informal do PP, a quem chamou de "Partido Popular", a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, saiu em defesa do PAS (Plano Amazônia Sustentável, principal legado da senadora Marina Silva (PV) no Ministério do Meio Ambiente.

A petista não quis comentar pesquisa divulgada hoje que pela primeira vez aponta empate técnico com o tucano José Serra.

Dilma comentou reportagem da Folha de hoje que mostra que o governo pretende rever o PAS, incluindo na nova versão projetos de mineração, defesa e grandes hidrelétricas.

Segundo a candidata, ir contra o PAS assinado por Marina, terceira colocada na disputa presidencial e cobiça pelos dois candidatos, seria se contradizer.

"Não sei bem quais são as medidas até porque a matéria não fala, mas eu participei junto com a Marina. Eu concordo com o plano. Acho que [o programa] combina duas ações importantíssimas. [...] As bases do plano de desenvolvimento do Amazônia sustentável eu acho que estão absolutamente corretas. Seria uma contradição comigo mesma. Eu ajudei a colaborar, coordenei uma parte", disse.

Numa tentativa de demonstrar proximidade com Marina, Dilma disse que seu programa para a área de meio ambiente vai ser pautado pela políticas desenvolvidas ao longo do governo Lula.

"Eu tenho uma coisa a declarar: o meu programa de meio ambiente é o desenvolvido pelo governo nos últimos anos, com aquela base, mas vamos ter que avançar mais", afirmou.

Dilma negou que tenha tido "divergências" com Marina no governo. "Em relação a questão de divergências é melhor perguntar para a ministra Marina. Eu acredito que nessa área da Amazônia não houve divergência pelo menos não que eu conheça."

A candidata almoçou com líderes do PP e recebeu o apoio do partido para o segundo turno. Segundo o presidente do PP, senador Francisco Dornelles (RJ), a aliança é para "referendar" decisão antiga do partido. No primeiro turno, 22 dos 27 diretórios decidiram pelo apoio a petista. "Nós estamos referendando a posição da maioria", disse.

Dornelles afirmou que não vai ter enquadramento dos diretórios que optarem por ficar neutros ou integrarem a campanha de Serra.

O presidente do PP disse que o partido levou a Dilma quatro pontos para serem acolhidos como plataforma de governo: redução na carga tributária para micro, pequenas e médias empresas, o compromisso de desoneração de investimentos, uma política de agilização do sistema de defesa comercial com geração de empregos e uma proposta de desburocratização das empresas.

Dornelles disse que não discutiu essas questões com Serra.

Em relação a pesquisa CNT/Sensus, Dilma disse que não comentaria. "Nos últimos quatro meses, tenho uma resposta e reitero ela. Eu não comento pesquisa. Segundo turno é segundo turno."

Na pesquisa, Dilma tem 46,8% das intenções de voto, contra 42,7% de Serra.

Comentário de Reinaldo Azevedo:

Dilma recebe apoio informal do PP, erra nome do partido e defende plano de Marina, que o governo aposentou...

O governo que deu cavalo-de-pau no programa de Marina é aquele liderado por Dilma até o começo do ano. Não obstante, ela diz que vai cumpri-lo à risca. Também nesse caso, pode pensar uma coisa e o seu contrário.

Quanto ao mais, dizer o quê? O nome do PP é Partido Progressista, não Partido Popular

Por Reinaldo Azevedo

Tags:
Fonte: Folha de S. Paulo

Nenhum comentário