Produtor paulista recebe 5% mais

Publicado em 22/10/2010 08:30
221 exibições
A conjugação de demanda externa e interna por alimentos dá sustentação aos preços das commodities agrícolas neste segundo semestre.

Com isso, houve alta de 5,2% nos preços recebidos pelos produtores paulistas na segunda quadrissemana deste mês -acumulado das últimas quatro semanas.

Sem a cana-de-açúcar, principal produto da agropecuária paulista e, portanto, com grande peso no índice, a alta dos preços recebidos pelos produtores de São Paulo é de 8,4% no período.

Os dados são do IEA (Instituto de Economia Agrícola), órgão da secretaria paulista da Agricultura, que acompanha os valores dos produtos vegetais e animais.

A maior alta ocorreu entre os vegetais, que subiram 5,5% nas últimas quatro semanas. Os produtos animais tiveram elevação de 4,5%.

O maior destaque entre os produtos vegetais vem do feijão. Os produtores conseguiram comercializar a leguminosa com aumento de 70% no período.

O cenário atual para o produto, no entanto, é outro. Os preços começaram a cair fortemente nesta semana, tendência que deverá ser mostrada pela pesquisa do IEA nas próximas semanas.

A laranja "in natura" acumula alta de 20%, devido à disputa pelo produto tanto de indústrias como de supermercados, segundo o IEA. Houve quebra de safra.

Entre os produtos de origem animal, o frango teve o maior reajuste, acumulando 14% em quatro semanas.

Assim como ocorre com o feijão, o preço do frango recebido pelos produtores começou a cair. Após ter atingido R$ 2 por quilo de ave viva no final de setembro, recuou para R$ 1,80 na quarta-feira.

A arroba de boi gordo vai em sentido contrário. As próximas pesquisas do IEA deverão registrar evolução média nos preços, já que a arroba atingiu R$ 102 ontem no mercado físico.

Ainda em alta, a arroba de boi gordo foi negociada a R$ 102 ontem no noroeste do Estado de São Paulo, conforme acompanhamento de preços da AgraFNP. Ao atingir esse valor no mercado físico, o boi registra alta de 31% em relação a outubro de 2009.
Tags:
Fonte: Folha de São Paulo

Nenhum comentário