Teotônio Vilela, do PSDB, é eleito governador de Alagoas

Publicado em 31/10/2010 21:34
265 exibições

Com 96,56% das urnas apuradas, Teotônio Vilela (PSDB) foi eleito governador de Alagoas com 52,80% dos votos, contra 47,20% de seu adversário, Ronaldo Lessa (PDT). Nascido na cidade de Viçosa, Alagoas, no dia 28 de maio de 1917, frequentou duas faculdades, de Engenharia e Direito, no Recife e no Rio de Janeiro, mas não concluiu nenhum curso superior. Foi um dos fundadores do partido União Democrática Nacional (UDN) em Alagoas. Elegeu-se deputado estadual nas eleições de 1954. Em 1960, foi eleito vice-governador em Alagoas. Em 1966, foi eleito senador e nas eleições parlamentares de 1974 foi reeleito para o Senado como representante de Alagoas.

Durante a campanha, o governador Teotônio Vilela e o ex-governador Ronaldo Lessa (PDT) trocaram várias acusações e em alguns casos acabaram indo para o Judiciário. Durante o mês de agosto, as pesquisam mostravam um empate técnico entre Teotônio, Lessa e o senador e ex-presidente Fernando Collor (PTB). Mas ao final do primeiro turno, Collor ficou fora da disputa ao governo de Alagoas.

O primeiro turno foi marcado por fortes acusações. Collor atacou Teotônio no principal ponto fraco da administração, a segurança pública. Já Vilela evitava os ataques, mas fazia comparação entre as pessoas que apoiavam sua candidatura e a dos outros postulantes ao cargo máximo do Palácio República dos Palmares, sede do executivo alagoano.

O resultado das eleições no primeiro turno garantiu um lugar para Ronaldo Lessa e Teotônio Vilela, tirando Collor da disputa. Teotônio somou 39,58% dos votos; Lessa ficou com 29,16%, e Collor com 28,80%.

No último discurso, antes do segundo turno das eleições, a troca de acusações continuou e falaram pouco sobre suas propostas de governo. Lessa chamou Vilela de "mentiroso", pessoa que usa "dinheiro sujo". Já Vilela chamou Lessa de "autista", pessoa que vive "no mundo da lua" e "hilário". Na guerra dos números houve acusações sobre escolas fechadas, não construídas, pouca atenção a assistência social, números do Tesouro Estadual e sindicatos que estavam com Lessa e Teotônio.

Tags:
Fonte: Terra.com.br

Nenhum comentário