Anos que não terminam, por TONICO FERREIRA

Publicado em 28/11/2010 07:49 413 exibições
A Justiça saberá dar decisão que mostre a responsabilidade do Estado na morte de jovem que defendia suas ideias sem ter recorrido à luta armada

A falta de um amigo morto é intensa, a de um amigo assassinado covardemente é insuperável. 
Luiz Eduardo Merlino tinha 22 anos quando foi preso por agentes de segurança em 1971. A detenção no apartamento de sua mãe em Santos e a morte, quatro dias depois, nas dependências do DOI-Codi em São Paulo estão bem circunstanciadas nos depoimentos de várias testemunhas. 
A companheira e a irmã de Luiz Eduardo Merlino acabam de propor ação contra o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandante do DOI-Codi paulista à época dos atos de tortura que provocaram a morte de meu amigo. 
Os fatos são claros, e a Justiça saberá dar uma resposta que satisfaça o mínimo que a companheira e a irmã de Merlino desejam: uma decisão que deixe patente a responsabilidade do Estado na morte de um jovem que defendia suas ideias sem ter recorrido à luta armada, que, à época, era tendência em voga na esquerda universitária. 
Vamos voltar a 1966. Aos 18 anos de idade, após um ano vivendo em São Paulo, Merlino e eu rompemos com o nosso passado intelectual de Santos, cidade onde nascemos e fomos amigos fiéis desde o quarto ano primário. No primeiro ano da faculdade de arquitetura da USP, eu havia entrado para um grupo político de esquerda, a DI -Dissidência do Partido Comunista. 
Merlino, no curso de história, também da USP, foi para a Polop, a Política Operária. Ambos traímos os cânones que balizavam o nosso grupo de amigos em Santos. Lá, tínhamos a pretensão de ser existencialistas; para nós, a liberdade individual era tudo, e entrar para um partido -o que pressupõe submissão a decisões e pensamentos coletivos- era uma subversão filosófica. 
Merlino tinha uma força intelectual que superava a de todos em volta: era quem mais lia Sartre, mais apreciava a música de câmara de Brahms e os arranjos do Modern Jazz Quartet e quem melhor se espelhava em Fernando Pessoa, nossa inspiração de vida. 
Leiam estes versos do "Poema em Linha Reta" e entenderão o que se passava naquelas cabeças febris, jovens, niilistas e inconsequentes: "Arre, estou farto de semideuses!/ Onde é que há gente no mundo?". 
Na rua Maria Antonia, em São Paulo, trocamos de líderes, substituímos inspirações e viramos jornalistas por força da política (fizemos um jornal estudantil em 67, o "Amanhã", e trabalhamos juntos na "Folha da Tarde", em 68). 
Nesse ano, Merlino já havia se filiado a uma dissidência da Polop, o POC (Partido Operário Comunista), que, apesar do "operário" no nome, era formado basicamente por intelectuais e estudantes. 
Onde Merlino estaria agora se tivesse sobrevivido ao DOI-Codi? No jornalismo, como eu? No governo federal, como Marco Aurélio Garcia, que foi do POC? Teria feito campanha para Dilma Rousseff, que era da Polop à mesma época? 
Não importa muito; queríamos apenas que ele estivesse vivo. Mas imaginar como seria a evolução de uma vida ceifada inútil e precocemente dá a correta dimensão da falta insuperável. 

ANTÔNIO CARLOS CARVALHO FERREIRA, o Tonico Ferreira, é jornalista e repórter da TV Globo. Trabalhou, durante a ditadura, nas publicações "Opinião" e "Movimento".
Tags:
Fonte:
Folha de S. Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário