CTNBio aprova variedades de milho e algodão transgênicos

Publicado em 17/12/2010 07:05 197 exibições
A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou nesta quinta-feira a liberação do plantio comercial de mais duas variedades de milho transgênico, além de ter dado autorização para cultivo comercial de um algodão geneticamente modificado.

A CTNBio deu aval para um milho transgênico desenvolvido pela Monsanto em parceria com a Dow AgroSciences que combina a resistência de vários genes, incluindo o da tolerância a insetos e aos herbicidas glifosato e glufosinato.

No mês passado, a CTNBio já havia aprovado um outro milho transgênico da Monsanto, mas este combinando dois eventos geneticamente modificados (a resistência a insetos e ao herbicida glifosato).

A CTNBio autorizou ainda nesta quinta-feira o plantio do milho desenvolvido pela Monsanto (MON 88017) resistente a larvas de raiz e tolerante ao herbicida glifosato.

"Essa é a primeira tecnologia da Monsanto para o controle de pragas de raiz aprovada no Brasil", afirmou em nota a Monsanto, a empresa com mais produtos transgênicos aprovados no Brasil.

Um algodão desenvolvido pela Bayer, tolerante ao glifosato, também foi aprovado nesta quinta-feira.

"A tecnologia GlyTol foi desenvolvida pela Bayer CropScience para auxiliar o produtor a controlar melhor as plantas daninhas em lavouras de algodão", afirmou a empresa em nota.

O GlyTol permite o uso seletivo de herbicida à base de glifosato para o controle das plantas invasoras, que comprometem a qualidade de pluma e produtividade da lavoura.

A Bayer avalia que poderá lançar no mercado o novo algodão em 2012/13.

Com as aprovações desta quinta-feira, a CTNBio elevou para 27 o número de produtos agrícolas transgênicos aprovados no Brasil, segundo dados do Conselho de Informações sobre Biotecnologia, uma organização não-governamental.

Do total aprovado, 15 são de milho transgênico. A soja tem cinco variedades geneticamente modificadas aprovadas, e o algodão, sete.

Alguns dos produtos aprovados anteriormente já tiveram novas tecnologias lançadas no mercado que superam as inicialmente liberadas.

Tags:
Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário