Lula sai com pagamento recorde de juro

Publicado em 30/12/2010 10:22 269 exibições
Encargos financeiros que incidem sobre a dívida pública chegam a R$ 176 bi até novembro, maior valor desde 2001
A alta da inflação custou caro aos cofres públicos. Nunca nesta década o governo pagou tanto juro como em 2010, o último sob Lula.
De janeiro a novembro, os encargos financeiros que incidem sobre a dívida pública totalizaram R$ 175,8 bilhões, o maior valor desde 2001.
Boa parte da quantia se deve à disparada dos índices de preço, diz o chefe-adjunto do Departamento Econômico do BC, Túlio Maciel.
Cerca de 30% da dívida bancária e em títulos do governo federal, de Estados e de municípios está atrelada ao IPCA, ao IGP-M e ao IGP-DI, que subiram no ano.
Somente o IPCA acumulado de janeiro a novembro foi de 5,25%, ante 3,93% no mesmo período de 2009.
O índice corrige quase 25% do endividamento público. O IGP-M, que fora negativo em 1,46% em 2009, chegou a 10,56% até novembro. O estrago só não foi pior porque a parcela dos débitos atrelados ao índice é pequena.
O impacto da alta da inflação anulou o ganho que o governo teve com a queda da taxa básica de juros, a Selic, que corrige 67,8% da dívida pública.
Apesar disso, o governo faz análise favorável do indicador. "Manteremos estável em 2010 [o gasto com juros] e, no longo prazo, a tendência é de queda", diz Maciel.
Isso porque a avaliação do BC considera a despesa com juros comparativamente ao PIB. Como o país deve registrar crescimento recorde em 2010, a relação dos gastos com juros e o PIB deve cair.

SUPERAVIT
Enquanto as despesas com juros estão em alta em 2010, a economia necessária para abatê-las, o chamado superavit primário, está abaixo do que deveria.
O setor público precisa economizar neste ano o equivalente a 3,1% do PIB. No acumulado de 12 meses terminados em novembro, o superavit está em 2,51% do PIB.
Na prática, isso significa que dificilmente a meta será cumprida sem usar o artifício contábil de abater despesas com obras do PAC.
Tags:
Fonte:
Folha de S. Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário