Economia brasileira fecha a semana com visíveis sinais de desordem

Publicado em 09/04/2011 09:06 472 exibições


O governo até que vem tentando segurar o dólar, implementando medidas que ele chama de macroprudenciais, na verdade uma série de ações de caráter recessivo, porque a idéia é garrotear o acelerado crescimento da economia  e com isto conter a inflação (IPCA de 6,3% no acumulado de 12 meses) e como conseqüência segurar o dólar.

. As sucessivas medidas tomadas pelas autoridades monetárias (juros mais altos, prazos mais curtos, IOF em alta bruta),  não conseguiram e não conseguem conter a disparada da inflação e em consequência não conseguem impedir  a valorização do real, o que favorece as importações e entradas de capitais, mas ao mesmo tempo produz emissão de reais e derruba as exportações.

. Além das medidas macroprudenciais, o governo teria que utilizar uma política fiscal restritivíssima, contendo brutalmente seus gastos e investimentos, o que reluta em fazer.


. O controle do câmbio não ocorre de modo decisivo. É por isto que o dólar despenca a olhos vistos. No meio da tarde desta sexta-feira, a cotação do dólar estava em R$ 1,574, em queda de 0,63%. O valor é o menor desde 4 de agosto de 2008. E as previsões:

- No mercado futuro, o contrato de maio negociado na BM&F ofereceu cenário ainda pior (queda de 0,81% e cotação de R$ 1,576).

- O Dollar Index futuro (seis moedas rivais) recua do mesmo modo. Nesta sexta, caiu 0,7!5. O euro chegou a subir 0,86% gente ao dólar, valendo US$ 1,44.

 

Dólar a R$ 1,50 ? Já há quem aposte nisto.

O cenário preocupante da economia não é nada otimista para o governo Dilma Roussef, que está apenas começando. Já se fala abertamente em dólar a R$ 1,50, o que somente ocorrerá se o governo não conseguir reduzir o ritmo de crescimento econômico acelerado e com isto conter a alta generalizada dos preços.

Tags:
Fonte:
Blog Polibio Braga

0 comentário