Novas cultivares de girassol da Embrapa chegam ao mercado

Publicado em 25/04/2011 10:18 465 exibições
Os produtores brasileiros de girassol contam com duas novas opções para a safra 2011/12. Já estão
no mercado sementes das cultivares BRS 321 e BRS 324, desenvolvidas pela Embrapa Soja (Londrina - PR) e comercializadas pelo Escritório de Negócios da Embrapa Transferência de Tecnologia em Dourados (MS). 
Atualmente a maioria das sementes de girassol disponíveis no Brasil são produzidas por empresas estrangeiras. Os lançamentos da Embrapa foram desenvolvidos e adaptados especialmente às condições de clima e de solo brasileiros.
As principais características do híbrido simples BRS 321 são o ciclo precoce, de 80 a 100 dias, o que
facilita sua utilização no sistema produtivo, tanto na rotação como na sucessão de culturas, além da     resistência a míldio, o bom teor de óleo nos aquênios, de 40% a 44%, e a boa adaptação em todas as regiões de cultivo de girassol no Brasil.
Já a BRS 324 é uma cultivar de polinização aberta e apresenta como principais características o ciclo precoce, de 80 a 100 dias, o alto teor de óleo nos aquênios, de 45% a 49%, agregando valor
à produção,  e a boa adaptação em todas as regiões de cultivo de girassol no Brasil.
Em qualquer segmento produtivo, o girassol é uma excelente opção de cultivo tanto em rotação como em sucessão de culturas. Pela sua precocidade, a BRS 321 e a BRS 324 podem ser cultivadas antecipando a cultura principal de primavera-verão ou, na safrinha, após a colheita de verão.
Adaptação - O girassol apresenta ampla adaptabilidade às condições do Brasil, com maior tolerância à seca, ao frio e ao calor do que a maioria das espécies cultivadas no País. As cultivares BRS 321 e BRS 324, por exemplo, são indicadas para os estados do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Sergipe e Bahia. 
Os grãos de girassol são usados principalmente para a extração de óleo que podem ser destinados para as indústrias de alimentos ou para a produção de biodiesel. Além disso, a torta ou farelo obtido  do processo de extração é altamente protéico e pode ser utilizado na fabricação de ração animal.
Para prevenir a ocorrência de doenças é importante seguir a época de semeadura adequada para cada região. Nos estados do Centro-Oeste, o plantio deve ser feito do início de janeiro a meados de fevereiro; no Sudeste, de fevereiro a março; no Norte, do início de fevereiro a meados de março; no Paraná, do início de agosto a meados de outubro;  no Rio Grande do Sul, de meados de julho ao fim de agosto; no oeste, sudeste e centro da Bahia, de novembro a janeiro; e em Sergipe e nordeste da Bahia, de maio a junho.
O cultivo em solos corrigidos e a manutenção da fertilidade em     níveis adequados são fundamentais
para o bom desenvolvimento da planta, pois a cultura é exigente em boro e sensível à presença de   
alumínio trocável no solo.
Tags:
Fonte:
Embrapa

0 comentário